Pecuária Sustentável | WWF Brasil

Pecuária Sustentável



A pecuária bovina de corte faz parte da tradição pantaneira há mais de 200 anos. Com um rebanho estimado em 22 milhões de cabeças de gado na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai, a pecuária possui uma presença significativa na região, sendo responsável por cerca de 65% da atividade econômica nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.
Além disso, estabelece o padrão de ocupação do espaço geográfico, gerando muitos dos impactos ambientais.

Em razão dessa realidade, a atuação com o segmento da pecuária bovina é fundamental para as ações de conservação no Pantanal e a pecuária orgânica certificada se mostra como uma alternativa sustentável para a região.


Mas como conciliar conservação e a pecuária na região?


Desde 2003, o WWF-Brasil apoia a Pecuária Orgânica Certificada no Pantanal, por entender que esse modelo de produção contribui para o desenvolvimento sustentável, seguindo valores de sustentabilidade ambiental e social.

O objetivo principal da parceria é buscar alternativas que permitam aliar a atividade produtiva da pecuária e a conservação dos recursos naturais do Pantanal.

Para o WWF- Brasil, a parceria com o setor produtivo é de fundamental importância para que os objetivos de produzir sem destruir a natureza sejam alcançados, garantindo a sustentabilidade ambiental para as futuras gerações.

O que fazemos?

  • Apoio e fortalecimento da pecuária orgânica certificada no Pantanal
     
  • Apoio às associações de pecuaristas orgânicos na análise e busca de mercados para a carne orgânica
     
  • Estímulo a boas práticas produtivas na pecuária bovina
     
  • Articulação com os segmentos da cadeia produtiva da carne orgânica
     
  • Divulgação da carne orgânica como alternativa de consumo responsável e alimentação saudável
     
  • Participação na construção do Grupo de Trabalho da Pecuária Sutentável

O Pantanal tem vocação para produzir produtos e serviços sustentáveis e foi essa identidade cultural que levou os pecuaristas da região a se interessarem pela certificação orgânica.

Leonardo Barros, presidente da ABO

DOE AGORA
DOE AGORA