Vida silvestre | WWF Brasil

Vida silvestre



Da jiboia às formigas cortadeiras, passando pela piranha-vermelha, a vida silvestre da Amazônia existe em todas as formas e tamanhos. Seja nas alturas das copas das árvores da floresta tropical ou lá embaixo, no subsolo, a Amazônia é abundante em formas de vida.

Até o momento, já foram encontradas cerca de 40 mil espécies vegetais, 427 mamíferos (como a onça-pintada, o tamanduá e a ariranha), 1.300 aves (como a harpia ou gavião-real, o tucano e a cigana), 378 répteis (como a jiboia e a jararaca), mais de 400 anfíbios (como os sapos venenosos conhecidos como flecha-de-veneno) e aproximadamente 3 mil peixes de água doce, inclusive a piranha.

Esses números são ainda mais impressionantes quando se referem às menores formas de vida: só no Brasil, os cientistas já fizeram a descrição de cerca de 100 mil espécies de invertebrados.


Por que existem tantas espécies na Amazônia?

Considere a vida no Ártico: as condições climáticas são intensas – é muito frio e há muito vento –, a comida é escassa e é difícil encontrar lugares para se proteger dos predadores. Como se pode ver, o Ártico não é o ambiente em que a vida silvestre pode florescer com mais facilidade.

Façamos agora um contraste com os trópicos: o clima é quente, mas suportável, a caça e a pesca são abundantes e existem vários ecossistemas onde a vida silvestre pode viver.

Ao longo do tempo, esses fatores possibilitaram a adaptação das espécies às diferentes condições de vida e o desenvolvimento de habitats especializados, o que resultou na enorme riqueza de espécies em lugares como a Bacia Amazônica.
 
© Shutterstock
Precisamos agir agora. Em defesa da vida. Em defesa da Amazônia. Clique e doe!
© Shutterstock

O que acontece na estação das chuvas?

Para as plantas e os animais, as chuvas sazonais que inundam algumas partes da Amazônia constituem um evento catalisador. Enquanto alguns animais precisam fazer adaptações em sua dieta, outros se vêem obrigados a se mudar repentinamente.

Uma tartaruga, por exemplo, pode sair do rio principal e se refugiar num lago no interior da floresta; aves aquáticas podem migrar para o norte para alcançar as cabeceiras dos afluentes.

A estação das chuvas também afeta o cronograma da reprodução animal. Por exemplo, os artrópodes, que são uma família de insetos, são mais abundantes no final da estação seca e no início da estação chuvosa.


Quando volta a seca
Passada a estação das chuvas, a vida silvestre da Amazônia – como os macacos, felinos, iguanas e vários lagartos – abandona as árvores decíduas (que sazonalmente perdem suas folhas), que já estão peladas, e se mudam para as matas ciliares, onde as folhas são perenes.
-----------------------------------------------------------

Referência bibliográfia

1Da Silva et al. 2005. The Fate of the Amazonian Areas of Endemism. 2Conservation Biology, 19 (3), 689-694
3Lewinsohn T. M.and Prado P.I. 2005.
4How Many Species Are There in Brazil? Conservation Biology. 19 (3), 619 5Lieberman and Dock, 1982 in Kricher, 1997 Kricher, 1997
DOE AGORA
DOE AGORA