Covid-19: indígenas e caiçaras de SP recebem doações de alimentos | WWF Brasil

Covid-19: indígenas e caiçaras de SP recebem doações de alimentos



09 outubro 2020    
Indígenas, caiçaras e camponeses receberam cestas com verduras, legumes e pescado
© Imagens cedidas pela Rede Brotar
WWF e parceiros atenderam 650 famílias de comunidades tradicionais da Mata Atlântica

Por WWF-Brasil 

O isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus deixou as famílias de indígenas, camponeses e caiçaras do litoral norte do estado de São Paulo em situação de grande vulnerabilidade. Sem poder sair de casa, essas famílias ficaram em risco de insegurança alimentar durante a quarentena.
 
Essas comunidades tradicionais têm sua cultura fortemente ligada à pesca artesanal e ao agroextrativismo e a pandemia trouxe muitos desafios. As vendas diminuíram, já que os compradores estavam saindo menos de casa; muitos tiveram que parar de pescar e os que o fizeram encontraram grandes dificuldades de escoamento da produção. O mesmo aconteceu com os produtores rurais, que sem feiras e com mercados fechados tiveram grande dificuldade no escoamento da produção.
 
Atento à situação dessas comunidades tradicionais da Mata Atlântica, o WWF-Brasil se uniu a uma rede de parceiros locais para atendê-las, de forma emergencial. Com o apoio do Instituto Tiê e da Rede Brotar, foram doadas 1221 cestas com alimentos e produtos de higiene para 650 famílias, sendo 120 da Terra Indígena Rio Silveiras. No total, as cestas chegaram a mais de 3.200 pessoas residentes nos municípios de São Sebastião, Caraguatatuba, Ilhabela, porção norte de Bertioga e Ubatuba.
 
Além de garantir alimentos para as comunidades caiçaras e camponesas, essa doação teve por objetivo beneficiar os produtores locais: os alimentos que compuseram as cestas foram adquiridos com produtores rurais locais. “Pedimos que fossem incluídos na cesta os pescados de comunidades pesqueiras artesanais da região, que também tiveram seu comércio afetado. Foi um projeto muito importante nesse período de incertezas”, explica Caio Faro, analista de Conservação do WWF-Brasil.”
 
Cestas vivas – garantia de alimentos e fomento à agricultura familiar
 
As cestas doadas são as chamadas “cestas vivas”, iniciativa da Rede Brotar. Cada "cesta viva" contém um kit alimentar composto por vegetais e legumes produzidos por agricultores familiares de forma sustentável; produtos de higiene pessoal e de cozinha biodegradáveis; uma muda para plantio em vaso; um livreto com receitas práticas e econômicas para serem feitas com alimentos que compõem a cesta, dicas de compostagem e de limpeza com produtos naturais e dicas de reciclagem.
 
“Nosso projeto tem o objetivo de garantir alimentos às pessoas em situação de vulnerabilidade, mas ao mesmo tempo fomentar a agroecologia, o lixo zero, a educação ambiental e a economia solidária local. É um movimento reivindicativo que mostra que é possível promover o desenvolvimento sustentável com a ajuda das comunidades tradicionais no litoral norte”, conta Hélio Castro, da Rede Brotar.
 
Flora Zinneck de Albuquerque, educadora no Instituto Tiê, diz que a preocupação com as questões sociais na região sempre existiu na organização, mas se intensificou durante a pandemia. “Com a quarentena, vimos que era necessário agir para atender famílias em situação de vulnerabilidade. Como a sustentabilidade é um dos nossos pilares, identificamos nas cestas vivas uma oportunidade para fomentá-la, além de levar alimentos orgânicos para as pessoas”, diz.
 
A atuação emergencial do WWF-Brasil durante a pandemia
 
Diante do cenário alarmante e do descaso do atual governo, sem políticas públicas específicas e efetivas destinadas aos povos indígenas, quilombolas e demais comunidades tradicionais durante a pandemia da COVID-19, o WWF-Brasil traçou um plano emergencial para atender comunidades vulneráveis. Nesse sentido, está doando alimentos, produtos de higiene, Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e outros materiais. O objetivo é evitar casos de surto entre essas populações e permitir que elas possam ficar em casa com segurança.

Com essa entrega, cerca de 40 mil pessoas já foram atendidas pela ação emergencial do WWF-Brasil, com apoio de organizações parceiras (saiba mais no box ao lado).
 
Indígenas, caiçaras e camponeses receberam cestas com verduras, legumes e pescado
© Imagens cedidas pela Rede Brotar Enlarge
A Rede Brotar fomenta a agroecologia, o lixo zero, a educação ambiental e a economia solidária local
© Imagem cedida pela Rede Brotar Enlarge
Cada cesta viva contém um kit alimentar composto por vegetais e legumes produzidos por agricultores familiares de forma sustentável; produtos de higiene pessoal e de cozinha biodegradáveis; uma muda para plantio em vaso; um livreto com receitas
© Imagem cedida pela Rede Brotar Enlarge
Pescado também foi incluído nas cestas vivas
© Imagem cedida pela Rede Brotar Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA