WWF-BRASIL: discutir hidrelétricas uma a uma é desperdício de energia | WWF Brasil

WWF-BRASIL: discutir hidrelétricas uma a uma é desperdício de energia



08 dezembro 2009    
Para o WWF-Brasil, é preciso rever o futuro da matriz elétrica brasileira sob a ótica da sustentabilidade, especialmente na Amazônia.
© WWF-Brasil/Adriano Gambarini

O Brasil poderia gerar mais eletricidade – e desperdiçar menos energia em discórdias entre governos, sociedade civil e iniciativa privada – se adotasse uma perspectiva mais ampla no planejamento da matriz elétrica – que levasse em conta o funcionamento dos sistemas ecológicos e a dinâmica social e cultural em torno das bacias hidrográficas –, abandonando o modelo atual de licenciar barragem por barragem.

O WWF-Brasil entende que a discussão de usina por usina, a maioria com construção programada há mais de 20 anos, gera um desgaste desnecessário e um atraso oneroso no atendimento à demanda de energia elétrica no Brasil

Também ganharia muito se investisse mais na identificação e no fomento aos sistemas de produção de energia ditos não convencionais, que utilizam, por exemplo, a força dos ventos e a biomassa (subprodutos da agricultura, tais como bagaço e restos de cana).

Além disto, o país deveria investir em eficiência energética, reduzindo o desperdício de energia – hoje calculado em 38% – e apostando na modernização do parque hidrelétrico já existente.
Colocando em prática tais medidas até 2020, não somente o meio ambiente seria beneficiado com a redução da necessidade de usinas hidrelétricas, como também seria possível uma economia da ordem de R$ 33 bilhões para os consumidores – além, evidentemente, de reduzir drasticamente o desgaste representado pelo debate infindável e infundado sobre a relação desenvolvimento versus meio ambiente.

Estas são as principais conclusões do documento de posicionamento do WWF-Brasil (veja download ao lado) sobre a produção de energia elétrica no Brasil, lançado na esteira de mais uma grande controvérsia sobre a construção de hidrelétricas – desta vez envolvendo a Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará – mais especificamente no lendário Rio Xingu.

Veja o posicionamento completo: "Barragens & Belo Monte"
Para baixar, clique com o botão direito do mouse e selecione "Salvar como..."

Para o WWF-Brasil, é preciso rever o futuro da matriz elétrica brasileira sob a ótica da sustentabilidade, especialmente na Amazônia.
© WWF-Brasil/Adriano Gambarini Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA