Crises climática e de perda de biodiversidade estão entre os riscos mais graves da próxima década

15 janeiro 2024

As alterações climáticas e a perda da natureza estão entre os riscos mais graves que enfrentamos; 2024 deve ser o ano para reconstruir a confiança do público e cumprir compromissos
Por WWF

O Relatório de Riscos Globais de 2024 do Fórum Econômico Mundial (FEM) considera os eventos climáticos extremos e as mudanças críticas nos sistemas terrestres como as maiores preocupações que o mundo enfrentará na próxima década. Embora a má informação e a desinformação sejam vistas como o maior risco a curto prazo nos próximos dois anos, os riscos ambientais predominam em um período de dez anos.

O relatório concluiu que os quatro riscos mais graves nos próximos dez anos serão: fenômenos meteorológicos extremos, alterações críticas nos sistemas terrestres, perda de biodiversidade e colapso dos ecossistemas, e escassez de recursos naturais. A poluição também figura entre os dez riscos mais graves. De forma preocupante, o relatório argumenta que a cooperação em questões globais urgentes poderá ser cada vez mais escassa, sublinhando a importância de uma ação concertada e da colaboração para enfrentar as emergências climáticas e naturais.

Comentando a publicação do Relatório de Riscos Globais do FEM 2024, Kirsten Schuijt, Diretora Geral do WWF Internacional, disse:

“As crises interligadas das alterações climáticas e da perda de biodiversidade estão entre os riscos mais graves que o mundo tem de enfrentar e não podem ser abordados isoladamente. Acabamos de viver o ano mais quente já registrado, com vidas e meios de subsistência devastados por ondas de calor escaldantes e inundações e tempestades catastróficas. A menos que tomemos medidas urgentes, a ameaça só se intensificará, aproximando-nos de infligir danos irreversíveis à sociedade e aos ecossistemas."

“Ao trabalharmos todos em conjunto para melhor proteger e gerir os recursos da Terra, podemos mudar a maré da perda da natureza e garantir um futuro melhor para o nosso planeta, a nossa casa comum. Os governos e as empresas podem fazer de 2024 o ano em que irão restaurar a credibilidade e reconstruir a confiança, colocando-se no caminho certo para cumprir os seus compromissos com o clima e a natureza para 2030 - não há tempo a perder. Isso é essencial para salvaguardar as comunidades e a natureza que nos sustenta a todos.”


O Relatório de Riscos Globais 2024 do FEM conclui que os riscos ambientais continuam a dominar o cenário de riscos, com dois terços dos especialistas globais preocupados com eventos climáticos extremos em 2024. Condições meteorológicas extremas, mudanças críticas nos sistemas terrestres, perda de biodiversidade e colapso de ecossistemas, escassez de recursos naturais e a poluição representam cinco dos 10 riscos mais graves que serão enfrentados na próxima década.

O WWF está preocupado com o fato de os países não estarem no caminho certo para cumprir os seus compromissos para 2030 no âmbito do Quadro Global de Biodiversidade de Kunming-Montreal, do Acordo de Paris e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Em 2023, uma seca severa atingiu a Amazônia, impactando a biodiversidade, as comunidades e a economia local
© Jacqueline Lisboa / WWF-Brasil
DOE AGORA
DOE AGORA