Brasil e as mudanças climáticas | WWF Brasil

Brasil e as mudanças climáticas



Os impactos das mudanças climáticas no Brasil segundo o 4º relatório do IPCC

  • No nordeste do Brasil as áreas semi-áridas e áridas vão sofrer uma redução dos recursos hídricos por causa das mudanças climáticas. A vegetação semi-árida provavelmente será substituída por uma vegetação típica da região árida. Nas florestas tropicais, é provável a ocorrência de extinção de espécies.
  • A recarga estimada dos lençóis freáticos irá diminuir dramaticamente em mais de 70% no nordeste brasileiro (comparado aos índices de 1961-1990 e da década de 2050).
  • As chuvas irão aumentar no sudeste com impacto direto na agricultura e no aumento da freqüência e da intensidade das inundações nas grandes cidades como Rio de Janeiro e São Paulo.
  • No futuro, o nível do mar, a variabilidade climática e os desastres provocados pelas mudanças climáticas devem ter impactos nos mangues.
  • De 38 a 45% das plantas cerrado correm risco de extinção se a temperatura aumentar em 1.7°C em relação aos níveis da era pré-industrial.
  • Hoje, o planeta já está 0,7ºC mais quente que na época.

Amazônia

  • Eventos climáticos extremos altamente inusitados já relados como a seca de 2005.
  • Potencial aumento da seca foi quantitativamente projetado durante a fase crítica de crescimento da vegetação, por causa da elevação da temperatura e da diminuição das chuvas no verão.
  • Nas áreas não fragmentadas da floresta amazônica o efeito direto do CO2 na fotossíntese, bem como uma regeneração florestal mais rápida, podem ter causado um aumento substancial na densidade de lianas – espécie de trepadeiras lenhosas – nas duas últimas décadas.
  • A conversão de florestas em lavouras afeta o clima porque altera o albedo regional e o fluxo de calor latente, causando o aumento de temperatura adicional no verão em regiões importantes na Amazônia.
  • Grandes perdas de biodiversidade ocorrerão com um aquecimento de 2.0°C  a 3.0°C acima dos níveis pré-industriais.
  • O aumento na temperatura e a diminuição de água no solo irão levar à savanização na região leste.
 
© Ana Cintia GAZZELLI/WWF-Brasil
Registro da seca na Amazônia em 2005, Silves, AM.
© Ana Cintia GAZZELLI/WWF-Brasil

O que o WWF-Brasil está fazendo para proteger o país das mudanças climáticas

Mudanças na quantidade, qualidade da água estão dominando as discussões sobre os efeitos mais devastadores do aquecimento global. A Amazônia não ficará imune a isso. As questões mais importantes a serem debatidas nesse processo são como manter a biodiversidade, os ecossistemas e os serviços ambientais na Amazônia enquanto as mudanças climáticas afetam a disponibilidade de água doce. O WWF-Brasil está desenvolvendo projetos para investigar o que acontecerá em todo o Brasil e como lidar com os novos desafios. Alguns deles são:
  • Apresentação do estudo Agenda Elétrica Sustentável 2020 que propõe um cenário elétrico para o país onde a eficiência energética e as fontes de energia renováveis não convencionais são largamente utilizadas, gerando empregos, diminuição na demanda de energia e economizando investimentos em grandes obras;
  • Ação na internet para que o governo que reconsidere a decisão de incluir cada vez mais termelétricas a gás de petróleo e usinas de carvão para gerar energia elétrica, afastando a queima de combustíveis fósseis da matriz energética do país;
  • Promoção do desenvolvimento sustentável,  da redução e neutralização das emissão de gases causadores do aquecimento global por meio, por exemplo, da certificação Gold Standard para projetos do Protocolo de Quioto para reduzir a poluição em países em desenvolvimento, o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL);
  • Uso do conhecimento das populações tradicionais sobre a natureza para melhor adaptar as comunidades às novas condições climáticas
  • Identificação de pessoas que já vêm sofrendo as conseqüências das mudanças climáticas na Boca do Acre, Amazonas.
DOE AGORA
DOE AGORA