Dia Mundial da Vida Selvagem: a onça-pintada está em perigo! | WWF Brasil

Dia Mundial da Vida Selvagem: a onça-pintada está em perigo!



01 Março 2018    
Imagem de onça pintada em seu habitat natural
© Alianza WWF - Fundación Telmex Telcel
Por Taís Meireles, Letícia Campos e Jorge Dantas

Neste sábado (3) é comemorado o Dia Mundial da Vida Selvagem. A data, criada em 2013 pela ONU, serve para que o mundo todo, em especial instituições voltadas para a conservação, voltem seus olhos para as espécies mais ameaçadas da natureza.
 
Em 2018, o foco da data será nos grandes felinos e a ONU receberá representantes do mundo todo em Nova York hoje (01/03) para debater sobre o assunto. O evento, de alto escalão, delimita a “Jaguar 2030 New York Declaration”, que reconhece a importância do investimento na conservação da espécie e de seus habitats para melhorar os esforços mais amplos de gerenciamento de recursos naturais, fortalecimento dos meios de subsistência da comunidade e atingimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.
 
O Brasil falará no evento sobre esta importância de incluir a onça-pintada como uma das espécies prioritárias da conservação mundial, sendo o país representado por membros do Ministério do Meio Ambiente e do Centro Nacional de Pesquisas e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap/ICMBio). A rede WWF, juntamente com as ONGs Panthera e Wildlife Conservation Society (WCS) apoiam a organização do encontro.



Ameaça à onça-pintada
 
Listada pelo ICMBio como ameaçada de extinção e presente na lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza, a onça-pintada é considerada uma predadora topo de cadeia e a degradação de seu habitat natural é umas das principais ameaças a sua vida.
 
“A magnífica onça-pintada é o predador mais poderoso das Américas e sua sobrevivência tem impactos em seu habitat e comunidades. Conservar a espécie resultará com êxito na conservação de sua floresta e habitats de pastagens com seus múltiplos benefícios, incluindo mitigação das mudanças climáticas e sustentando os estilos de vida e culturas das comunidades locais e indígenas que vivem em paisagens de onças”, comenta a dra. Elizabeth Bennett, vice-presidente da WCS.
 
No Brasil, ela está presente em praticamente todos os estados, sendo classificada como espécie vulnerável na Amazônia e no Pantanal, ameaçada de extinção no Cerrado e criticamente ameaçada na Mata Atlântica e na Caatinga. Esse fato reforça que mais de 50% de seu habitat natural foi perdido.


 
“Este evento prepara o cenário para uma mudança dinâmica e progressiva para salvar este grande gato em perigo. Os países onde a onça vive agora têm uma chance, através de uma maior colaboração regional, garantindo paisagens de onças, combatendo a caça furtiva e conflito humano para registrar uma vitória histórica para o maior gato da América", completa a dra. Margaret Kinnaird, líder de Prática da rede global do WWF.

Pantanal
 
Estima-se que o Pantanal possui 6,5 a 6,7 indivíduos de onça-pintada a cada 100 km², ou seja, três mil onças restam no total na região, conforme pesquisas do Workshop sobre Espécies da Paisagem do Pantanal, organizado pela WCS em Corumbá, em 2003. Na região, o WWF-Brasil atua na preservação do habitat do animal, por meio do Programa Cerrado Pantanal.


 
Amazônia
 
Especialistas afirmam que a Amazônia, por conta de seus milhares de quilômetros de extensão de florestas, abriga a maior população de onças-pintadas do planeta. No entanto, não há mais detalhes e pouco se sabe sobre a ecologia, distribuição e abundância da espécie neste bioma.
 
Pesquisas feitas pelo Instituto Mamirauá mostram que em alguns locais a população de onças é enorme (mais de 10 animais a cada 100 quilômetros quadrados) e que, em algumas áreas de várzea, elas chegam a passar até quatro meses vivendo em cima das árvores, se adaptando de maneira surpreendente ao regime de cheias e secas da região.
 
O WWF-Brasil contribui com a conservação desta espécie na Amazônia trabalhando para manter seu lar (ou seja, os ambientes naturais) íntegros e protegidos – somente o programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), por exemplo, ajuda na proteção de 60 milhões de hectares de florestas, garantindo assim um habitat saudável para o animal na região.

Mata Atlântica
 
No bioma mais populoso do Brasil, restam aproximadamente 200 onças-pintadas, vivendo em 13 fragmentos isolados, o que corresponde a menos de 4% do território original do animal.


 
Em todas essas áreas (mapa acima), são apenas dois grupos com mais de 50 indivíduos, ou seja, menos de 1% do número original de onças. Se não houver preservação, estima-se que, em breve, a Mata Atlântica pode ser o primeiro bioma tropical do mundo a perder seu maior predador!
 
Por meio do planejamento, gestão e conscientização baseada em ciência, trabalhamos junto com uma série de atores para garantir a sobrevivência a longo prazo desta espécie prioritária. No Parque Nacional do Iguaçu, na região do Alto Paraná, o Programa Mata Atlântica e Marinho do WWF-Brasil apoia o Instituto Pró-Carnívoros e o projeto Carnívoros do Iguaçu no monitoramento da espécie.

Proteção transfronteiriças
 
Além disso, por meio das ações do programa trinacional da Mata Atlântica da rede WWF, que abrange o território do Brasil, Argentina e Paraguai, a onça-pintada ganha ainda mais proteção nos nossos territórios vizinhos.
 
Em parceria com a Fundação Vida Silvestre da Argentina, o WWF-Brasil já comemora um aumento de cerca de 30% na quantidade de indivíduos desde 2014 no Parque Nacional do Iguaçu. As informações são do projeto Carnívoros do Iguaçu e do 
Instituto de Biologia Subtropical da Argentina, nucleado no Proyecto Yaguareté.

Em 2014, a quantidade de onças pintadas na região era estimada entre 51 e 84 indivíduos. Agora, no novo estudo, estimam-se entre 71 e 107 animais. A notícia anima os pesquisadores, que atuam no Iguaçu. O monitoramento foi realizado em 2017 a partir de meses de análise de imagens coletadas em 2016 por armadilhas fotográficas na mata.

“O WWF-Brasil já vem apoiando ações de conservação da onça-pintada há 15 anos, em parceria com a Fundação Vida Silvestre Argentina e parceiros locais nos dois países, na região de Foz do Iguaçu (PR). Mas, apesar de todos os esforços e resultados positivos, o trabalho de conservação da espécie nunca foi tão importante e é, por meio de declarações como essa que conseguiremos colocar a onça-pintada no radar de todo o mundo”, comenta Mauricio Voivodic, diretor executivo do WWF-Brasil.

As principais ameaças à onça pintada são:



Saiba mais sobre o trabalho da rede WWF com a onça-pintada aqui e aqui.

Quer ajudar? Doe para a nossa causa e ajude a conservar a espécie e seus habitats. #JuntosÉpossível
Imagem de onça pintada em seu habitat natural
© Alianza WWF - Fundación Telmex Telcel Enlarge
Desde 2013 a ONU e todo o mundo usam o Dia Mundial da Vida Selvagem para falar sobre as espécies mais ameaçadas
© ONU Meio Ambiente Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA