Desmatamento na Amazônia não para de crescer e novo recorde é batido | WWF Brasil

Desmatamento na Amazônia não para de crescer e novo recorde é batido



22 maio 2020    
O desmatamento na Amazônia Legal aumentou 64% nos primeiros sete dias de maio de 2020
O desmatamento na Amazônia Legal aumentou 64% nos primeiros sete dias de maio de 2020
© Adriano Gambarini/ WWF-Brasil
Aumento foi de 64% nos primeiros sete dias de maio de 2020

Por WWF-Brasil


Análise dos dados do sistema Deter, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), revela alertas de desmatamento em 261 km2 da Amazônia Legal entre 1 a 7 de maio, o maior registro para o período nos últimos 10 anos. Na primeira semana de maio de 2019 houve alertas para 159 km2. Ou seja, um aumento de 64% nos primeiros sete dias de maio de 2020, em comparação ao mesmo período em 2019. 

O desmatamento acumulado entre 1 de janeiro e 7 de maio de 2020 atingiu uma área de 1.536 km2, o que corresponde à emissão de 74,4 milhões de toneladas CO2. O aumento foi de 65% em comparação ao mesmo período em 2019 e mais do que o dobro da média dos últimos 10 anos (678 km2).

Os dados de alertas mensais consolidados entre janeiro e abril de 2020 indicam que ao menos 10% das áreas desmatadas estão dentro de áreas protegidas (Unidades de Conservação e Terras Indígenas). Somados, esses alertas cobrem uma área de 125 km2, o que representa um aumento de 78% em relação a 2019.

Nas Unidades de Conservação (UCs), a área sob alerta de desmatamento mais do que dobrou entre janeiro e abril: foram 105 km2 em 2020, comparados a 40km2 registrados em 2019. As UCs com mais alertas de desmatamento foram a Área de Proteção Ambiental (APA) Triunfo do Xingu (30,04 km2), o Parque Nacional do Acari (18,25 km2), a Floresta Nacional do Jamanxim (10,99 km2), a Reserva Extrativista Jaci-Paraná (10,88 km2), a APA do Tapajós (7,48 km2) e o Parque Nacional do Jamanxim (5,33 km2).

De acordo com Mariana Napolitano, gerente de Ciências do WWF-Brasil, ações do Governo Federal poderão agravar ainda mais a situação do desmatamento na Amazônia Legal.

"Enquanto no Congresso Nacional alguns parlamentares de setores retrógrados tentam emplacar o Projeto de Lei 2633, que regulariza a grilagem de terras, o Executivo enfraquece ainda mais a gestão e a fiscalização das áreas protegidas, com um conjunto de ações que diminuem a proteção dos ecossistemas brasileiros, incluindo a inoperância do Fundo Amazônia, a drástica redução nas ações de fiscalização, a exoneração de servidores e extinção postos de chefias de UCs, reduzindo o comando de parques, reservas, estações ecológicas e APAs", afirma.
O desmatamento na Amazônia Legal aumentou 64% nos primeiros sete dias de maio de 2020
O desmatamento na Amazônia Legal aumentou 64% nos primeiros sete dias de maio de 2020
© Adriano Gambarini/ WWF-Brasil Enlarge
Os alertas de desmatamento de janeiro a abril de 2020 indicam que ao menos 10% das áreas desmatadas estão dentro de Unidades de Conservação e Terras Indígenas
Os alertas de janeiro a abril de 2020 indicam que ao menos 10% das áreas desmatadas estão dentro de Unidades de Conservação e Terras Indígenas
© Adriano Gambarini/ WWF-Brasil Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA