Relatório apela para a transformação completa de como produzimos, transportamos e consumimos energia



25 maio 2021    
Solar panels and wind turbines at a renewable energy research station in Perth, Western Australia.
© Richard McLellan / WWF
Um novo relatório publicado neste mês pela Agência Internacional de Energia (IEA) - Net-Zero by 2050: A Roadmap for the Global Energy Sector - apresenta visões sobre como o setor de energia global pode atingir emissões líquidas nulas de CO2 até 2050. 

Por WWF-Brasil

O relatório pede uma transformação completa de “como produzimos, transportamos e consumimos energia” e detalha mais de 400 marcos setoriais e tecnológicos para orientar a transição energética.  

Em resposta às conclusões do relatório, Manuel Pulgar-Vidal, Líder Global de Clima e Energia do WWF, disse que o relatório da IEA é marcante. “É vital que todos tenhamos o objetivo comum de reduzir as emissões pela metade na próxima década, conforme recomendado pelos cientistas. A transformação do setor de energia é fundamental para evitar os piores impactos das mudanças climáticas, visto que é a fonte de cerca de três quartos das emissões globais de gases de efeito estufa”. 

Embora o crescente consenso político sobre como chegar a emissões zero seja motivo de otimismo considerável, junto com fortes sinais na economia real, “as mudanças necessárias para alcançar emissões líquidas de zero globalmente [exigirão] uma enorme quantidade de trabalho”, diz o relatório. 

“O entusiasmo dos governos em anunciar metas de emissão zero está dando o impulso necessário para intensificar a ação climática em linha com a ciência antes da COP26. Eles agora devem garantir que têm os planos e os meios para transformar o setor de energia, com metas concretas de eliminação gradual para todas as fontes de combustível fóssil ”, disse Pulgar-Vidal. 

Segundo Ricardo Fujii, líder de transição energética do WWF-Brasil, existem diversas tecnologias em rápida expansão que podem aumentar a diversidade de opções de matrizes energéticas. “É incoerente que o governo promova investimentos para a prospecção de petróleo e gás em fronteiras exploratórias. São regiões de alto risco, com pouca informação geológica, grande chance de insucesso além de altíssimo custo operacional”, comenta. 

Embora a maioria dos planos climáticos já apresentados à ONU apresentem metas, medidas e políticas relacionadas à energia, “não há quantidade suficiente deles que corresponda ao que a ciência diz ser necessário para manter o aquecimento global em 1,5°C. Temos soluções que podemos implementar agora. Os líderes políticos devem agir na escala e no escopo necessários para garantir a evolução de um novo setor de energia sustentável até 2030, no máximo”, disse Pulgar-Vidal. 

O relatório destaca três caminhos principais para a emissões zero no setor de energia: aproveitando ao máximo as tecnologias existentes (por exemplo, solar, eólica, eficiência energética, veículos elétricos); impulsionando a inovação (como hidrogênio, captura e armazenamento de carbono); e, finalmente, reduzindo drasticamente o uso de combustíveis fósseis. 

Dean Cooper, Líder de Transição de Energia Global do WWF, disse: “Estamos muito satisfeitos em ver as datas objetivas e claras da IEA para o fim dos combustíveis fósseis e o compromisso com o apelo do WWF para 100% de energia renovável. Como a IEA enfatizou, este é apenas um caminho para o objetivo final. Ainda precisamos mudar o pensamento sobre bioenergia, captura e armazenamento de carbono e energia hidrelétrica para evitar a interrupção catastrófica de comunidades e habitats. Precisamos expandir rapidamente a capacidade de produção global de energia solar e eólica. Porém, podemos aprender com nossa experiência conjunta e adotar a melhor abordagem”.  

A transição energética não se trata apenas de colocar o clima em seu equilíbrio natural, diz Vanessa Perez-Cirera, vice-líder global de clima e energia do WWF. “É também sobre a vida como a conhecemos. Isso significa que precisamos considerar qual é a melhor combinação de energia para sustentar o mundo natural, de que todos nós precisamos para sobreviver. O relatório é um passo crucial na direção certa. Mas estamos perdendo o reconhecimento da importância da natureza, e que todo desenvolvimento de energia e infraestrutura terá consequências para a natureza que devem ser evitadas ou minimizadas. Não podemos destruir ecossistemas e espécies enquanto consertamos o planeta. Precisamos fazer os dois”. 
Solar panels and wind turbines at a renewable energy research station in Perth, Western Australia.
© Richard McLellan / WWF Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA