Natureza Viva ganha prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente



18 dezembro 2006
A jornalista Mara Régia produz e apresenta o programa Natureza Viva desde 1993.
© WWF-Brasil / João Gonçalves

Produtora e apresentadora do programa de rádio Natureza Viva, a jornalista Mara Regia di Perna, foi a primeira colocada do Prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente 2006, na categoria Arte e Cultura. Concedido pelo Ministério do Meio Ambiente o prêmio é uma forma de valorizar projetos que contribuem para o desenvolvimento sustentável da Amazônia.

No ar desde 1993, o programa Natureza Viva, uma parceria entre WWF-Brasil, GTA (Grupo de Trabalho Amazônico) e Radiobrás, é apresentado todas as manhãs de domingo na Rádio Nacional da Amazônia, simultaneamente para nove estados da Amazônia Legal. Ganhador de diversos prêmios, o programa é reconhecido como parte da história recente da comunicação amazônica. Mara Régia, uma das 52 brasileiras indicadas ao Prêmio Nobel da Paz em 2005, pelo projeto 1000 Mulheres pela Paz, sintetiza bem o Natureza Viva: “Sempre nos preocupamos em não ser somente um programa de rádio, o Natureza Viva é um projeto de comunicação e conservação ambiental, fundamental para a democratização da comunicação brasileira”.

Leia abaixo os principais trechos da conversa do WWF-Brasil com a jornalista, que em maio de 2007, completa 14 anos no comando do programa Natureza Viva:

WWF-Brasil: Qual a importância do Premio Chico Mendes de Meio Ambiente para você e para o Natureza Viva?
Mara Régia: Nos anos 90, quando eu cheguei pela primeira vez em Costa Marques, para ver a desova da tartaruga, no Vale do Guaporé, em Rondônia, conheci o seu Bernardo. Uma pessoa muito especial, que distribui mudas de plantas em um estado que sofreu de forma tão dramática a questão da devastação ambiental. Ele me abraçou e disse: ‘Prazer! Você é a Mara Régia que tem o símbolo da nossa Amazônia no nome’. Eu nunca tinha me atentado pra isso, minha mãe muito menos, sempre disse que escolheu o meu nome por que viu escrito no brochinho de uma menina. Por coincidência, eu comecei no rádio nos anos 70 justamente pelas ondas sonoras da Rádio Nacional da Amazônia. Para mim o Prêmio Chico Mendes é o passaporte definitivo da minha identidade amazônica. A partir de agora posso dizer que tenho corpo e alma plantados no coração dos povos da floresta. Uma sintonia fina construída em quase 14 anos de trabalho por meio do projeto Natureza Viva, parceria entre WWF-Brasil, GTA e Radiobrás.

WWF-Brasil: O Natureza Viva já havia sido premiado outras vezes e você conta inclusive com a indicação para o Nobel da Paz, pelo projeto 1000 Mulheres pela Paz. A que se deve tamanho reconhecimento?
Mara Régia: Para ficar na linguagem da Amazônia, o Natureza Viva só pode ter nascido sob a luz da poronga! A poronga é o que os seringueiros usam na cabeça para iluminar a floresta ao cruzar a estrada da seringa. Realmente, recebemos diversas indicações e prêmios nesses anos de trabalho. Foram muitas alegrias, que recompensam toda a dedicação dos inúmeros profissionais que já colaboraram com o projeto. Mas o maior reconhecimento que podemos ter acontece diariamente. São as centenas de cartas que recebemos das mais variadas localidades da Amazônia. É saber que disseminamos práticas agroecológicas e já plantamos mais de três mil sementes de moringa distribuídas pelo programa, usadas tanto para alimentação, quanto para limpar a água. É dar visibilidade para aqueles que cantam e amam a natureza, sejam líderes locais ou representantes das comunidades, homens e mulheres. É saber que o Natureza Viva foi formatado em 1992 para durar três anos, e em maio de 2007 irá completar 14 anos. É já ter sido tema de projetos de mestrado e doutorado nas principais universidades brasileiras. É ouvir da própria Ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, nossa parceira há tantos anos, que o programa é essencial para a construção da voz da Amazônia, pela participação ativa de nossos amigos e amigas que estão no protagonismo das matérias. Além disso, não há reconhecimento maior do que chegar em um vilarejo no meio da floresta e ser acolhida pela comunidade. Eles preparam o barco, a caça, a rede e especialmente o carinho. É tudo de bom.

WWF-Brasil: Esse reconhecimento é fruto da própria maneira de se comunicar do Natureza Viva. É uma forma de comunicação quase revolucionária, que dá voz ao ouvinte e se relaciona diretamente com ele. Como surgiu esse formato?
Mara Régia: Apesar de ter nascido como uma revista radiofônica, o Natureza Viva sempre descumpriu a agenda oficial da comunicação brasileira, nossas pautas surgem da demanda dos próprios ouvintes. Sempre entendemos que era preciso trazer as vozes da Amazônia para as notícias, que o programa era um canal de expressão para as lideranças locais. Para tanto sempre contamos com o apoio dos projetos do WWF-Brasil e do GTA, que possibilitam muitas idas ao campo. E é isso que fazemos: vamos até onde o povo está, para juntos fazermos a rádio da floresta. E dar voz ao povo é sempre muito inovador. A Rádio Nacional da Amazônia surgiu sob o símbolo da ditadura. Sua proposta inicial era preservar a língua portuguesa na floresta, que para os militares estava ameaçada pelas rádios cubanas de ondas curtas. Entrei na emissora nessa época, lembro que os diretores julgavam saber o que era bom para Amazônia. Todo o conteúdo era produzido sem captar o que a região tem de bom. Era uma comunicação verticalizada, imposta de cima pra baixo. Foi exatamente isso que o Natureza Viva conseguiu reveter.

WWF-Brasil: E o que os ouvintes do programa podem esperar para 2007?
Mara Régia: O próximo ano vai começar com foco na Amazônia. Já em janeiro temos a minissérie global Amazônia, escrita pela Glória Perez e gravada no Acre, que vai voltar a atenção do Brasil para a região. Além disso, o tema da Campanha da Fraternidade da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) em 2007 será Amazônia. O ano também será decisivo para a questão climática. Já introduzimos o assunto em 2006 e é um desafio muito grande mostrar a dimensão das mudanças climáticas, com impactos locais e globais, na linguagem da Amazônia. Além disso, no final de 2006, firmamos um acordo de cooperação técnica com a Diretoria de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente e o Ibama. Essa parceria nos dá um respaldo muito grande e nos possibilita a veiculação de um conteúdo de utilidade pública com um canal direto com o governo federal, favorecendo a circulação da informação do nível local para o federal. As perspectivas são as melhores possíveis, e aproveito para desejar que em 2007 todo mundo tenha direito ao Prêmio Chico Mendes com tudo o que ele representa de alegria e felicidade.

Programa Natureza Viva
Domingos, das 9h as 10h
Rádio Nacional da Amazônia
Uma parceria do WWF-Brasil, GTA e Radiobrás, com o apoio da Diretoria de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente e o IBAMA.

Entrevista concedida em 12 de dezembro de 2006, véspera da entrega do Prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente 2006, em Brasília, ao comunicador do WWF-Brasil, João Gonçalves.

A jornalista Mara Régia produz e apresenta o programa Natureza Viva desde 1993.
© WWF-Brasil / João Gonçalves Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA