Projeto apoiado pelo WWF-Brasil vence concurso da ANA | WWF Brasil

Projeto apoiado pelo WWF-Brasil vence concurso da ANA



30 março 2021    
Samir Curi recebe o Prêmio ANA 2020
© Agência Nacional de Águas
A iniciativa desenvolvida pelo Incra em Mato Grosso utiliza tecnologias sociais para melhorar a gestão da água

Por WWF-Brasil 

O projeto “Implementação de Tecnologias Sociais e Educação Ambiental em Comunidades do Alto Pantanal Mato-Grossense”, desenvolvido pelo Incra, acaba de vencer o Prêmio ANA 2020 na categoria governo. Sob a coordenação do engenheiro agrônomo Samir Curi, parceiro do WWF-Brasil em inciativas no Pantanal, o projeto tem como foco a melhoria da gestão da água no bioma por meio da utilização de tecnologias sociais e está em andamento desde 2009.

O concurso da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) reconhece e valoriza as melhores práticas e iniciativas voltadas ao cuidado e gestão das águas do Brasil.

Para Samir, a vitória representa o reconhecimento de um trabalho de uma década. “É uma emoção inexplicável ser o vencedor, ocupar o primeiro lugar do Brasil. É a sensação de que valeu a pena toda a caminhada de 10 anos, de muita luta, mas também de muitos sonhos. Ao longo da jornada, encontrei muita gente boa. Agradeço a todas essas pessoas e em especial todas as mais de 20 entidades que nos deram apoio ao longo dos anos, dentre elas o WWF-Brasil”, afirma Curi.

"É muito gratificante saber que um projeto que há décadas vem colaborando para que comunidades recebam água teve seu valor reconhecido. Esse reconhecimento faz com que iniciativas como essas continuem e se multipliquem. A degradação das nascentes e rios do pantanal é extremamente preocupante, e já impacta a segurança hídrica da população que vive ali. Além da expansão das tecnologias sociais para acesso a água e saneamento, é fundamental a recuperação de áreas degradadas e restauração de nascentes e APPs", diz Cássio Bernardino, analista de conservação do WWF-Brasil. 

Saiba mais sobre o projeto

Embora o Pantanal mato-grossense seja conhecido pela fartura de água – com a imagem simbólica de rios, lagos e lagoas –, a segurança hídrica é um problema em boa parte da região, principalmente durante a seca (de maio a outubro), com destaque para a microrregião do Alto Pantanal. A seca dura em média seis meses e, no período, os corixos (pequenos lagos formados na época das chuvas) ficam contaminados e a captação subterrânea é muito difícil, porque o lençol freático é profundo e muitas vezes a água é salobra.

No município de Cáceres, distante 220 quilômetros da capital Cuiabá, existem sete assentamentos da reforma agrária, com 360 famílias e três escolas do campo. Por 20 anos, os agricultores assentados e os 500 alunos dessas escolas sofreram com constantes faltas de água. Foram feitas diversas tentativas de resolver o problema, mas sem sucesso.

O projeto buscou então resolver o problema com alternativas ambientalmente sustentáveis como captação da água da chuva, cisternas, barraginhas da Embrapa, lago de uso múltiplo, biofossa e reservatório para piscicultura. Atualmente 150 famílias e duas escolas são abastecidas por meio de captação de água de chuva, com potencial de ampliação relevante. Outro resultado positivo foi a melhoria na renda familiar, com aumento de produção na pecuária de leite e a geração de novos empregos numa região que vinha enfrentando o êxodo rural. Por ter baixo custo e bons resultados, as tecnologias sociais do projeto podem ser replicadas em comunidades rurais de dezenas de municípios brasileiros.

“A premiação reconhece que as tecnologias sociais implantadas estão conduzindo a resultados sustentáveis, em especial no acesso à água, no aumento de renda na agricultura familiar e na diminuição do êxodo rural. Mas para essa transformação continuar é fundamental incluir todas essas tecnologias sociais na educação escolar e comunidade, para que a próxima geração tenha novos conceitos ambientais e prossiga a mudança”, afirma Samir Curi.

Os 24 projetos finalistas do Prêmio ANA 2020 estão distribuídos em oito categorias, sendo que o projeto do Incra/MT disputou na categoria "Governo". Os vencedores foram anunciados no dia 22 de março, Dia Mundial da Água. Criado há 14 anos, o Prêmio ANA é a mais tradicional premiação do setor de águas do Brasil e já contabilizou 2.952 trabalhos inscritos, tendo premiado 40 projetos de todas as regiões que se destacaram pela sua contribuição ao desenvolvimento do país.

Parceria com o WWF-Brasil
O coordenador Samir Curi é parceiro do WWF-Brasil em inciativas que buscam melhorar a gestão da água no Pantanal. Atuou como parceiro em atividades executadas por meio do “Pacto em Defesa das Cabeceiras do Pantanal”, um movimento regional que busca conservar e recuperar nascentes localizadas na região onde nascem as águas da maior área úmida do planeta
 
Samir Curi recebe o Prêmio ANA 2020
© Agência Nacional de Águas Enlarge
Escola em Cáceres abastecida com captação de água da chuva
© WWF-Brasil Enlarge
Antes do projeto, os alunos sofriam com a falta de água
© WWF-Brasil Enlarge
Barraginha construída por meio do projeto do Incra/MT
© WWF-Brasil Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA