Parque e reservas são essenciais para conservação da fauna ameaçada de extinção no Cerrado | WWF Brasil

Parque e reservas são essenciais para conservação da fauna ameaçada de extinção no Cerrado



11 setembro 2020    
No Dia do Cerrado, estudo publicado em tradicional revista científica comprova a importância dos parques nacionais e estaduais deste ameaçado bioma brasileiro para a proteção de animais.
© Bento Viana/WWF-Brasil
No Dia do Cerrado, estudo publicado em tradicional revista científica comprova a importância dos parques nacionais e estaduais deste ameaçado bioma brasileiro para a proteção de animais como o lobo-guará, o tamanduá-bandeira e a anta.

A criação de parques nacionais e outras áreas protegidas é uma das principais estratégias adotadas no Brasil e no mundo para minimizar a atual crise ambiental. Mas como saber se estas áreas estão realmente tendo um efeito positivo sobre a biodiversidade? É exatamente isso que uma equipe formada por cientistas brasileiros e britânicos relata em estudo inédito (em inglês) conduzido no Cerrado brasileiro e publicado na véspera do Dia Nacional do Cerrado - 11 de setembro.

Utilizando milhares de registros de animais obtidos através de câmeras automáticas instaladas em uma extensa área do Cerrado do norte de Minas Gerais, os pesquisadores demonstraram que unidades de conservação de proteção integral, como parques nacionais e estaduais, abrigam uma diversidade de mamíferos bem maior do que áreas similares que não possuem o mesmo grau de proteção.  Animais como o lobo-guará, o tamanduá-bandeira, a onça-parda, e a anta são pelo menos 5 vezes mais comuns nessas áreas, no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu, região prioritária para a conservação do Cerrado.

Em geral, as áreas sob maior nível de proteção no mosaico têm 2.7 vezes mais espécies de maior porte e 2.4 vezes mais espécies ameaçadas de extinção em nível mundial. Parte da coleta de dados foi financiada pela parceria entre o WWF-Brasil e o Instituto Biotrópicos em 2012-2013.

Para Guilherme Braga Ferreira, um dos autores do estudo “este é um dos primeiros estudos que mostra de forma sistemática que a criação de parques tem um efeito extremamente positivo sobre a biodiversidade do Cerrado. Apesar de intuitivo, comprovar a importância das áreas protegidas com dados robustos é essencial neste momento em que elas estão sofrendo pressão de diversos setores”.

Para o WWF-Brasil, o estudo evidencia a importância da criação e também da consolidação das unidades de conservação no Brasil. “O Cerrado é a savana com maior biodiversidade do planeta, além de prover cerca de 40% da água doce do Brasil. Áreas protegidas bem manejadas garantem não só a conservação das espécies, mas também uma série de benefícios para toda a sociedade brasileira”, afirma Mariana Ferreira, Gerente de Ciências do WWF-Brasil.

Os resultados deste estudo se adicionam aos achados de pesquisas anteriores mostrando a efetividade de áreas protegidas para evitar desmatamento no Brasil, inclusive no Cerrado. Também confirmam o Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu, que abrange a região do sertão mineiro descrita por Guimarães Rosa na obra Grande Sertão Veredas, como área chave para preservação da biodiversidade no Brasil.  


Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu
O Mosaico Sertão Veredas–Peruaçu é um conjunto de áreas protegidas localizadas na margem esquerda do Rio São Francisco, entre as regiões norte e noroeste de Minas Gerais e parte do sudoeste da Bahia. As unidades de conservação federais são geridas pelo ICMBio (www.icmbio.gov.br) e as estaduais pelo IEF-MG (www.ief.mg.gov.br). Mais informações em: https://mosaicosvp.com.br/o-mosaico/

WWF-Brasil no Mosaico
O WWF-Brasil atua desde 2010 no Mosaico Sertão Veredas–Peruaçu com ações para a gestão integrada da paisagem, baseadas no incentivo à adoção de boas práticas na produção agropecuária, à implementação e gestão integrada das unidades de conservação (UCs) e seus Conselhos Consultivos ou Deliberativos, incluindo o apoio para ampliação do Mosaico, e a iniciativa inovadora de fortalecimento da cadeia produtiva dos frutos do Cerrado. Resultados positivos na gestão do Mosaico e no envolvimento das comunidades tradicionais mostram que este modelo pode ser replicado em outras áreas do bioma, aumentando a escala de conservação. 

Instituto Biotrópicos
O Instituto Biotrópicos é uma organização não-governamental com sede em Diamantina, Minas Gerais. O Instituto desenvolve projetos de conservação da natureza e sócio-ambientais na Serra do Espinhaço e no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu desde sua fundação em 2003, e fez parte do conselho consultivo deste mosaico por quase 10 anos.
 
UCL
Fundada em 1826 no coração de Londres, a UCL (University College London) é uma das principais universidades do mundo, com mais de 13 mil funcionários e 42 mil  estudantes de 150 países diferentes. Mais informações em: www.ucl.ac.uk
 
Zoological Society of London 
A ZSL (Zoological Society of London) é uma organização não-governamental internacional trabalhando para criar um mundo em que a vida selvagem possa prosperar. Nosso trabalho envolve ciência de ponta, ações de conservação em campo, e a conscientização de milhões de pessoas através de dois zoológicos, o Zoo de Londres e o Zoo de Whipsnade. Mais informações em: www.zsl.org 
 
No Dia do Cerrado, estudo publicado em tradicional revista científica comprova a importância dos parques nacionais e estaduais deste ameaçado bioma brasileiro para a proteção de animais.
© Bento Viana/WWF-Brasil Enlarge
O Mosaico Sertão Veredas Peruaçu é uma área-chave para a conservação do Cerrado e de seu patrimônio sociocultural. Localizado entre os estados de Minas Gerais, Bahia e Goiás, abrange 31 áreas protegidas em 27 municípios. Suas paisagens impressionam pela beleza de cachoeiras, grandiosas cavernas e imensos buritizais que formam importantes afluentes do Rio São Francisco. Fazem parte do Mosaico quatro comunidades quilombolas, duas terras indígenas da etnia Xakriabá, áreas urbanas e grandes plantações de commodities.
© WWF-Brasil/Bento Viana Enlarge
Animais como o lobo-guará, o tamanduá-bandeira, a onça-parda, e a anta são pelo menos 5 vezes mais comuns nessas áreas de proteção integral.
© Adriano Gambarini/WWF-Brasil Enlarge
_Oxybelis aeneus_ no Parque Estadual do Jalapão em Goiás. O Relatório Anual Planeta Vivo 2020 alerta: a biodiversidade -a rica diversidade da vida na Terra- está sendo ameaçada em um ritmo alarmante. No bioma Cerrado vivem 5% de todas as espécies do planeta e 30% das espécies do País – mais de 32% são endêmicas. Mas o Cerrado está desaparecendo rapidamente e pouco foi protegido de seu patrimônio natural.
© WWF-Brasil Enlarge
As Unidades de Conservação (UCs) do Cerrado resguardam 16,8 milhões de hectares de remanescentes de vegetação nativa que cumprem um importante papel na provisão de água.
© Marcos Desimoni/WWF-Brasil Enlarge
O WWF-Brasil atua desde 2010 no Mosaico Sertão Veredas–Peruaçu com ações para a gestão integrada da paisagem, baseadas no incentivo à adoção de boas práticas na produção agropecuária, à implementação e gestão integrada das unidades de conservação (UCs) e seus Conselhos Consultivos ou Deliberativos, incluindo o apoio para ampliação do Mosaico, e a iniciativa inovadora de fortalecimento da cadeia produtiva dos frutos do Cerrado.
© Marcos Desimoni/WWF-Brasil Enlarge
Resultados positivos na gestão do Mosaico e no envolvimento das comunidades tradicionais mostram que este modelo pode ser replicado em outras áreas do bioma, aumentando a escala de conservação.
© Marcos Desimoni/WWF-Brasil Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA