Natureza, alimentos e mudança climática: como o manejo sustentável da terra pode atingir múltiplos objetivos sociais | WWF Brasil

Natureza, alimentos e mudança climática: como o manejo sustentável da terra pode atingir múltiplos objetivos sociais



05 Agosto 2019   |  
Alimentação e uso da terra são chave para restringir o aquecimento global
© James Suter / Black Bean Productions / WWF-US
Por Chris Weber, cientista líder em clima e energia do WWF internacional
 
Embora a ciência básica das mudanças climáticas esteja resolvida, nossa compreensão científica de como o clima está ligado à alimentação, à agricultura, às florestas e à terra ainda está muito longe disto.

A publicação no dia 8 de agosto do próximo relatório dos cientistas que colaboram para o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), sobre mudanças climáticas e terra, explorará essas interconexões e fornecerá indicações claras sobre como podemos apoiar as necessidades da natureza e das pessoas em um clima em mudança.

Há anos que sabemos que a contribuição das nossas escolhas para a terra - agricultura, desmatamento e conversão do solo - para as mudanças climáticas é enorme, representando quase um quarto das emissões totais de gases de efeito de estufa.

O aquecimento global, por sua vez, traz uma ameaça a mais aos sistemas terrestres - conduzindo a temperaturas mais altas e mudando os padrões de chuvas, contribuindo para incêndios e mortalidade de árvores; diminuindo o rendimento das colheitas e ajudando doenças e pragas a se espalharem para novas áreas; além de descongelar a camada de gelo permanente dos pólos, o que libera ainda mais gases de efeito estufa. Em suma, a terra e as mudanças climáticas estão inextricavelmente ligadas, e essa ligação é essencial para as pessoas e meios de subsistência.

Além disso, essas interconexões só irão crescer, pois os riscos para esses sistemas aceleram consideravelmente à medida que o aquecimento ultrapassar o aumento limite de 1,5 °C, a meta estabelecida no Acordo de Paris de 2015, trazendo ainda mais tensão aos nossos sistemas terrestres por consumo crescente e dietas insustentáveis.

O oportuno novo trabalho do IPCC deve ajudar a apontar o caminho a se seguir, mostrando que a maneira como gerenciamos a terra e praticamos a agricultura será fundamental tanto para a mitigação quanto para a adaptação à emergência climática iminente. Cerca de um quarto dos compromissos de redução de emissões feitos pelos governos por meio do Acordo de Paris, definidos em suas Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs), já envolvem o uso da terra, com as florestas desempenhando um papel primordial.

Nós poderíamos ir mais longe. Sabemos que o potencial para o uso sustentável da terra e para as soluções baseadas na natureza é enorme, não apenas para os esforços de mitigação da mudança climática, mas também para as pessoas e a natureza. Essas respostas oferecem uma maneira de ajudar a garantir um futuro seguro para o clima, ao mesmo tempo em que contribuem para enfrentar os desafios interconectados da sociedade, travando e revertendo a perda da natureza, combatendo a degradação e a desertificação do solo e garantindo segurança alimentar para uma população em crescimento.

De forma encorajadora, há todo um conjunto de soluções sustentáveis ​​de uso do solo que podem ajudar a evitar mudanças climáticas perigosas enquanto contribuem para a adaptação e redução da insegurança alimentar, desertificação e degradação da terra. O relatório do IPCC deve detalhar algumas dessas “opções de resposta integradas”, mostrando o potencial de ganhos para todos os lados de práticas baseadas na natureza, como melhoria do carbono do solo, agrossilvicultura e um melhor gerenciamento de nossas terras agrícolas, pastagens e florestas.

Além disso, esperamos que o relatório traga a mesma mensagem de relatórios anteriores, mostrando que algumas das sinergias mais fortes virão de ações que todos nós podemos ter em nossas vidas diárias, como comer uma dieta mais saudável e sustentável e reduzir o desperdício de alimentos. Tais ações não apenas diminuem as emissões, mas também reduzem a pressão sobre os habitats naturais da produção de alimentos.
Ainda assim, as decisões em torno da terra dependem do contexto e sabemos que existem mudanças. Nem todas as soluções são benéficas para todos; algumas - como o cultivo de bioenergia em escala maciça, ou programas extensivos de plantação florestal - ameaçariam a segurança alimentar, a biodiversidade e a resiliência climática, e devem ser abordadas com cautela.

Um último ponto chave que se espera que o relatório faça, no entanto, é que a ação nos sistemas terrestres não pode tomar o lugar da ação igualmente urgente e necessária para reduzir as emissões de energia, indústria e sistemas urbanos. O IPCC anteriormente denominou estas quatro 'transições de sistema' que precisamos para manter o aquecimento abaixo de 1,5 °C, e todas elas devem acontecer em conjunto - significando que quaisquer esforços que reduzam a ambição em uma transição ao 'compensá-la' aos sistemas terrestres devem ser evitados, se quisermos evitar impactos ainda maiores / mais mortais da crise climática.

O mandato do IPCC se destaca por uma "relevância política" sem fazer recomendações de políticas, mas a ciência que estabelece traz implicações claras para os tomadores de decisão. Especificamente, a solução dos desafios integrados que as Mudanças Climáticas e a Terra detalharão exigirá uma colaboração radical - como reunir os governos locais e nacionais, o setor privado, administradores de terras, ONGs e comunidades indígenas para integrar este novo formato livre de conversões, abastecido por abordagens setoriais, jurisdicionais e paisagísticas.

Não será fácil - essas abordagens exigirão a superação de barreiras substanciais e o alinhamento de incentivos entre esses diferentes grupos -, mas é claro que os países devem integrar melhor a terra e a natureza ao revisar e aprimorar suas NDCs de acordo com o Acordo de Paris. A Cúpula do Clima da Secretária Geral da ONU em setembro será o primeiro teste para determinar se os países levarão a sério o trabalho do IPCC e ajudarão a entregar o futuro sustentável da terra que precisamos.
 
Alimentação e uso da terra são chave para restringir o aquecimento global
© James Suter / Black Bean Productions / WWF-US Enlarge

Comentários

blog comments powered by Disqus
DOE AGORA
DOE AGORA