Artigo - Arquitetura sustentável: o que é, para que serve e como fazer? | WWF Brasil

Artigo - Arquitetura sustentável: o que é, para que serve e como fazer?



20 Fevereiro 2017    
Esta foto retrata a cobertura de um restaurante em Lecce, na Itália. A obra foi inaugurada em 2011 e foi feita pelo arquitetos do escritório italiano CMMKM
A arquitetura sustentável otimiza questões como ventilação, iluminação e gestão de resíduos. Esta foto retrata a cobertura de um restaurante em Lecce, na Itália.
© Sofia Colabella & Baugrafik
Mês passado, o WWF-Brasil deu início à publicação de uma série de artigos com o objetivo de mostrar os benefícios, vantagens e oportunidades do uso responsável da madeira para a conservação da natureza e a proteção da biodiversidade. Os artigos serão publicados primeiramente no portal Madeira e Construção e em seguida trazidos a este espaço. 

* Por Alessandra Barassi, arquiteta 

O significado da palavra "sustentabilidade" ainda não está muito claro no inconsciente coletivo. Então, para não complicar muito, aí vai a explicação clássica: sustentabilidade = pessoas, planeta e viabilidade econômica! Ao falarmos de arquitetura sustentável, estamos falando daquela que atende as necessidades das pessoas, respeita o planeta e é viável economicamente.
 
Na prática, isso quer dizer que os projetos precisam ser mais inteligentes! Edifícios devem ser confortáveis e causar menos impacto ambiental, além de ter baixos custos de execução e manutenção ao longo de sua vida útil. E para se chegar a projetos inteligentes é necessário adotar o “design integrado”, em que se equacionam vários critérios de sustentabilidade como orientação solar, ventilação natural, materiais ecológicos, uso eficiente de água e energia, gestão de resíduos, entre outros.

Há quem pense que para atender a todos esses critérios seja necessário dispor de muitos recursos. Não necessariamente. Estudos indicam que construções sustentáveis podem custar cerca 5% mais ou até custar menos, se bem projetadas (como visto no GSA LEED Cost Study, de 2004). É possível adotar estratégias passivas, que dispensam equipamentos caros e adotam soluções de desenho ainda no papel. 

Em tempos de energia cara, uma preocupação corriqueira é o gasto com ar-condicionado, que pode perfeitamente ser minimizado em um bom projeto. Basta orientar as maiores janelas de uma casa para o lado onde o sol nasce e posicionar sanitários, despensas e depósitos no lado poente. Assim, a luz da manhã fica garantida com temperaturas amenas e o calor da tarde não incomoda ambientes de baixa permanência. Um exemplo simples de estratégia passiva, sem custo extra.

É claro que, conforme a escala e necessidade de cada projeto, nem sempre será possível adotar apenas estratégias passivas. Em um grande edifício corporativo, com muitas salas de trabalho, é provável que não seja possível posicionar todas as janelas para o nascente. Nesses casos, é preciso lançar mão de estratégias mecânicas de alto desempenho, como um ar condicionado central, para garantir o conforto de todos os colaboradores. Ainda assim, seria eficaz projetar uma proteção externa para as janelas do poente (os brises ou venezianas) para reduzir o calor e a frequência de uso dos condicionadores de ar.   

Outra estratégia importante é a escolha de materiais ecológicos (não nocivos à saúde e de baixo impacto ambiental). No que se refere a materiais estruturais, é necessário optar por aqueles com baixas emissões de CO² no processo produtivo. A madeira, além de ser renovável, é capaz de estocar CO². No caso das tintas, vernizes e químicos em geral, há no mercado uma série de produtos à base de água, atóxicos e de baixo poder contaminante, sem qualquer custo adicional. Basta prestar atenção e fazer a escolha correta. Optar por sanitários de duplo acionamento, arejadores e restritores de vazão em lavatórios contribui para reduzir cerca de 30% do consumo usual de água. Plantas nativas nos jardins favorecem a biodiversidade e requerem menos irrigação. 

Assim, para praticar arquitetura sustentável é fundamental entender as edificações como sistemas e pensar os critérios de sustentabilidade de forma integrada. Edifícios compõem bairros, cidades e países! Devem ser entendidos como integrantes do meio ambiente, que além de demandar água, energia e materiais de construção em larga escala, também demandarão infraestrutura, transporte e serviços. Portanto, um projeto sustentável prevê soluções menos impactantes em todo o ciclo de vida do edifício, inclusive o correto descarte ou reciclagem do material empregado. Pensando dessa maneira, cada projetista será também um agente de proteção do nosso planeta.

* Alessandra Barassi é arquiteta, com mestrado em Projeto e Construção Sustentável e profissional acreditada LEED. Tem mais de 15 anos de atuação no Brasil, Chile e Itália, tendo sido palestrante em eventos e conferências de grande relevância para o setor como a ExpoGBC, Sustencons, Feicon e Morar Mais por Menos, entre outros. Atualmente, presta consultoria em construção sustentável e certificação LEED.
Esta foto retrata a cobertura de um restaurante em Lecce, na Itália. A obra foi inaugurada em 2011 e foi feita pelo arquitetos do escritório italiano CMMKM
A arquitetura sustentável otimiza questões como ventilação, iluminação e gestão de resíduos. Esta foto retrata a cobertura de um restaurante em Lecce, na Itália.
© Sofia Colabella & Baugrafik Enlarge
Estudos indicam que obras sustentáveis, se bem projetadas e desenhadas, custam até 5% menos que obras convencionais.
© Divulgação Enlarge
Detalhes da vegetação da floresta Amazônica, Acre, Brasil.
O uso responsável de madeira ajuda na conservação da biodiversidade e na proteção da natureza
© Peter Muller/Bild Enlarge
O uso da madeira na construção civil ajuda a promover uma arquitetura mais sustentável e mais amigável ao meio ambiente
© WWF-Brasil Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA