Projeto Bacias & Florestas ganha prêmio por implementação de saneamento rural em MG



24 novembro 2021    
2ª Caminhada Ecológica do Gama, no Distrito Federal, realizada pelo projeto Bacias, da Ambev, em junho de 2013.
© WWF-Brasil / Sérgio Amaral
Projeto de instalação de fossas ecológicas e biodigestores, que proporcionou a economia de R$ 675 mil com a saúde pública na região de Sete Lagoas (MG), é destaque do Prêmio Boas Práticas 2021
 
O Projeto Bacias & Florestas, uma parceria entre a Ambev e o WWF-Brasil na região de Sete Lagoas (MG), foi um dos vencedores do V Prêmio de Boas Práticas Ambientais “Saneamento Além do Básico”, realizado pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), de Minas Gerais. A solução foi uma das contempladas na categoria “esgotamento sanitário”, pelo sucesso na implementação de saneamento rural.

O Prêmio visa reconhecer, incentivar e divulgar boas práticas, ações e projetos de conservação, preservação e recuperação do meio ambiente e dos recursos hídricos no Estado de Minas Gerais.

A solução regenerativa de saneamento rural do Projeto Bacias & Florestas, reconhecida pelo Prêmio, baseia-se na tecnologia social de fossas ecológicas em sistema TEvap (Tanques de Evapotranspiração) e biodigestores.

O engenheiro sanitarista ambiental responsável pela instalação dos sistemas de fossas combinados a biodigestores na Bacia do Ribeirão Jequitibá, Alvanio Ricardo Neiva Júnior, explica que já foram instalados 26 sistemas em cinco cidades. Foram atendidas 30 famílias de 11 comunidades rurais, um total de 130 pessoas.
 
Com a tecnologia de biodigestor, aproximadamente 187 mil litros de efluentes foram tratados e 3,7 milhões de litros de água deixaram de ser contaminados por efluentes domésticos em 2021.
 
Um dos benefícios previstos pela ação é a economia de R$ 675 mil com saúde pública, como explica Alvanio. “Com lançamento de esgoto sem tratamento, você está prejudicando a própria saúde. Um grande gargalo é a construção das fossas rudimentares muito próxima ao local de captação de água. Prova disso é o levantamento com os municípios, que mostra que doenças por contaminação hídrica ocorrem principalmente por coliforme fecal”. 
 
Ele diz que cada biodigestor instalado serve de modelo para engajar a comunidade, para que outros moradores vejam como funciona e comecem a levar a ideia para outras localidades.
 
“A maioria das propriedades ainda trabalha com fossa rudimentar, ou seja, faz o despejo do que é produzido in natura em um buraco, e isso vai virando uma perigosa contaminação. Com a instalação do equipamento, é cessado esse processo, porque o biodigestor faz todo tratamento do efluente de forma eficiente”, afirma Alvanio.
 
O Brasil possui aproximadamente 31 milhões de habitantes morando em áreas rurais e em comunidades isoladas, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE – PNAD 2013). Desta população, somente 22% têm acesso a serviços adequados de saneamento básico. Quase 5 milhões de brasileiros não possuem banheiro, ou seja, defecam ao ar livre.
 
O trabalho de saneamento rural do Projeto Bacias & Florestas foi acompanhado de mobilização social e educação ambiental em escolas públicas municipais. Esses esforços têm como objetivo melhorar a qualidade e quantidade dos recursos hídricos para os mais de 250 mil habitantes que residem na bacia hidrográfica do ribeirão Jequitibá, um tributário do rio das Velhas, na bacia do São Francisco.
 
Sobre o Bacias & Florestas
 
A parceria entre WWF-Brasil e Ambev teve início em 2010 e, desde então, vem se consolidando. A primeira edição do projeto (2010-2014) foi realizada na microbacia do córrego Crispim, no Gama (DF), onde existia a fábrica da empresa.
 
Com base nos resultados alcançados, o Projeto se estruturou e ganhou forma: cresceu e foi levado para a filial Nova Minas da Ambev, localizada no município de Sete Lagoas (MG), a 60 km ao norte da capital mineira, Belo Horizonte. 

As diferentes frentes do projeto estão conectadas, porque os desafios exigem soluções sistêmicas. Assim, elas envolvem restauração (15,5 hectares restaurados e mais de 30 hectares de fragmentos florestais conservados); saneamento, como instalação de fossas ecológicas (12 TEvap – tanque de evapotranspiração) e 26 biodigestores (atendendo a mais 30 famílias); hortas urbanas (construção de um galpão na Horta situada no bairro Cidade de Deus); escolas transformadoras (15 escolas municipais dos cinco municípios que formam a sub-bacia); e aplicação da metodologia do Selo Social, certificando 12 instituições ligadas ao Subcomitê Jequitibá, em 2020, e com previsão de certificar 43 organizações dos cinco municípios, em 2021.

Além de reduzir danos, o objetivo das ações é o impacto positivo da regeneração para restaurar ecossistemas, reverter as mudanças climáticas, diminuir a desigualdade e a injustiça. 

Entre os parceiros do projeto estão cerca de 10 mil pessoas residentes nos municípios de Prudente de Moraes, Capim Branco, Jequitibá, Funilândia e Sete Lagoas. Nesse último se encontra uma cervejaria da Ambev. 
 
2ª Caminhada Ecológica do Gama, no Distrito Federal, realizada pelo projeto Bacias, da Ambev, em junho de 2013.
© WWF-Brasil / Sérgio Amaral Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA