Amazônia e Cerrado somam 96,7% do desmatamento no país | WWF Brasil

Amazônia e Cerrado somam 96,7% do desmatamento no país



27 maio 2020    
Pará, outubro de 2019
© Araquém Alcântara/WWF-Brasil

Relatório do MapBiomas revela que pelo menos 1,2 milhão de hectares de vegetação nativa foram perdidos no Brasil no ano passado, o equivalente a oito cidades de São Paulo ou a uma Manaus


Por WWF-Brasil

Cenas de florestas derrubadas e incendiadas repercutiram mundo afora no ano passado e serviram de alerta para a dimensão da devastação ambiental no Brasil. Juntos, Amazônia e Cerrado concentraram 96,7% das áreas desmatadas em todo o território nacional em 2019. É o que mostra o primeiro Relatório Anual do Desmatamento no Brasil, elaborado pelo MapBiomas, divulgado nesta terça-feira (26/05). 

De acordo com o relatório, somente a Amazônia viu desaparecer 770.148 hectares de floresta de janeiro a dezembro de 2019, o que corresponde a 63,2% do desmatamento registrado em todo o país. O Cerrado, bioma já bastante impactado pelo avanço do agronegócio no Centro-Oeste, perdeu 408.646 hectares de vegetação nativa no mesmo período, ou 33,5% do total.

A partir da análise de  56.867 alertas de desmatamento nos seis biomas brasileiros, foi detectada a perda de 1.218.708 hectares de cobertura florestal natural. Ou seja, em apenas um ano, o Brasil viu desaparecer o equivalente a oito cidades de São Paulo ou a uma Manaus inteira, a maior capital da Amazônia em extensão territorial e em número de habitantes. 

Por dia, foram emitidos 130 alertas de desmatamento para a Amazônia e foram destruídos 2.100 hectares de floresta – um avanço de 87,92 hectares por hora. A velocidade média de desmatamento na região foi de 0.17. A maior velocidade, contudo, ocorreu no Cerrado: 0.99. A cada dia o bioma viu ser subtraídos 1.119,6 hectares de vegetação nativa, ou 46,65 por hora. A terceira maior média de velocidade foi detectada no Pantanal: 0.87; 45,3 hectares destruídos por dia. 

As 27 unidades da federação registraram alertas de desmatamento em 2019. Pará, Acre, Amazonas, Rondônia e Mato Grosso foram responsáveis por 78,8% dos alertas de desmatamento, respondendo, juntos, por 66% da área de floresta perdida. Sozinho, o Pará acumulou quase um terço (32,6%) do total de desmate do país no ano passado. 

Dos municípios com as maiores taxas de perda de cobertura florestal, dez estão na Amazônia Legal, sendo os líderes os já conhecidos Altamira (PA), São Félix do Xingu (PA), Porto Velho (RO), Lábrea (AM) e Apuí (AM). Os dois últimos estão no Sul do Amazonas, uma das regiões em que ocorrem os maiores casos de avanço do desmatamento em terras públicas, incluindo unidades de conservação e terras indígenas. 

Apesar de estarem legalmente protegidas, elas não deixaram de ser destruídas ao longo de 2019. O Brasil tem 1.453 Unidades de Conservação (UCs). Dessas, segundo o MapBiomas, 226 (16%) apresentaram supressão de cobertura nativa. A maioria, como esperado, na Amazônia, com 13% de desmatamento no interior ou entorno de UCs.  

A Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre, apresentou o maior número de alertas em 2019: 1.197. Pressionada pelo agronegócio, a UC sofre uma série de ofensivas por parte de lideranças políticas locais, como a apresentação do projeto de lei (PL 6024/19) que prevê a redução de seu tamanho. Em área desmatada, a principal unidade atingida foi a APA do Triunfo do Xingu, no Pará, com 30.360 hectares derrubados. 

Em seguida está a APA do Rio Preto, na Bahia, com 13.449 hectares, e a Floresta Nacional do Jamanxim (PA), com 10.099 hectares. Mesmo sendo as áreas menos afetadas, as terras indígenas (TIs) não ficaram preservadas no primeiro ano de Jair Bolsonaro na Presidência da República. Os territórios tradicionais dos povos indígenas responderam por 3,6% do total desmatado em todo o país.           

Esses desmatamentos em áreas protegidas mostra o nível de ilegalidade da prática no Brasil, que só pode ocorrer mediante autorização dos órgãos ambientais dos Estados ou da União. Na análise do MapBiomas, “é possível afirmar que mais de 99% dos alertas de desmatamento detectados em 2019, após a sobreposição com as bases de dados oficiais, apresentaram irregularidades que incluem desde a localização em áreas protegidas ou com restrição legal até a ausência de autorização para supressão da vegetação”. Ou seja: foram ilegais. 

O QUE É O MAPBIOMAS

O MapBiomas é uma iniciativa multi-institucional que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia, focada em monitorar as transformações na cobertura e uso da terra no país.

 

Pará, outubro de 2019
© Araquém Alcântara/WWF-Brasil Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA