Relatório Planeta Vivo 2018: biodiversidade faz bem à saúde, à economia e ao planeta | WWF Brasil

Relatório Planeta Vivo 2018: biodiversidade faz bem à saúde, à economia e ao planeta



30 Outubro 2018    
Lançamento do Relatório Planeta Vivo 2018, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro
© Douglas Matsunaga/WWF-Brasil
Por Bruna M. Cenço

Uma rodada de discussões sobre a importância da biodiversidade para a saúde humana, a produção de alimentos e a economia marcou o lançamento do Relatório Planeta Vivo 2018 no Brasil. Organizado pelo WWF, o estudo publicado a cada dois anos mostra o estado da saúde no planeta, o impacto da perda de biodiversidade e a urgência de um acordo global pela natureza e pela vida.

Em evento realizado na manhã desta terça-feira (30/10) no Museu do Meio Ambiente, o diretor-executivo do WWF-Brasil, Mauricio Voivodic, o economista Sérgio Besserman (representando o Jardim Botânico do Rio de Janeiro), a pesquisadora Marcia Chame (Fiocruz) e João Campari (líder da prática de Alimentos do WWF internacional) falaram sobre os desafios que a humanidade está vivendo nesse momento, com enormes ameaças para a biodiversidade e o pouco tempo para a adaptação das espécies.

De acordo com Mauricio Voivodic, “estamos em um momento único, em que temos muito conhecimento sobre o que está acontecendo no planeta e a responsabilidade de agir para mudar a trajetória da perda de biodiversidade antes que não haja mais tempo”.

Adiantando que não seria o portador de boas notícias, Sergio Besserman comparou as mudanças climáticas a um “tsunami”, que vai assolar a humanidade e a biodiversidade. “Após 2020, teremos um novo ambiente em que a tensão fará parte do ambiente sociopolítico da civilização, em que vamos assumir que não estamos conseguindo os progressos necessários e o sofrimento da população. A partir daí, teremos que nos posicionar nesse novo contexto de radicalização que amplie nossas forças”.

Marcia Chame, da FioCruz, trouxe a importância da relação saúde e biodiversidade, o que ainda não é claro para a maioria das pessoas. “O principal componente ativo do remédio para pressão alta vem do veneno da jararaca e o primeiro tipo retroviral foi advindo de uma esponja do mar, mas grande parte da população não entende a importância de se proteger essas e outras espécies. Na Ásia, incêndios provocaram a migração dos morcegos para regiões de lavoura onde há porcos, espalhando o vírus Nipah para esses animais, o que afetou negativamente a produção. E no Brasil, quais os efeitos dos incêndios na Amazônia na liberação de microorganismos? Ainda não sabemos, e é preciso pesquisar para entender. A natureza íntegra protege o ser humano”.

A exposição da pesquisadora foi complementada por João Campari, líder da Prática de Alimentos do WWF internacional, que comentou que a agricultura é responsável por 24% a 30% das emissões de gases de efeito estufa e já converteu 40% as terras do planeta, mas que um terço dos alimentos nunca chega a ser consumido. “Para reverter a perda de biodiversidade até 2050 precisamos transformar o sistema alimentar global. É possível recuperar as áreas degradadas para a produção de alimentos e, assim, diminuir a pressão sobre áreas naturais nativas”. Campari alertou também para a necessidade de adotarmos dietas melhores e mais equilibradas e reduzir perdas e desperdícios na produção e no consumo para contribuir com a redução das emissões de gases de efeito estufa, empoderando consumidores e encontrando soluções conjuntas com o setor agrícola e empresas produtoras de alimentos”.

Biodiversidade e Negócios Sustentáveis
Na segunda rodada de discussões sobre o “Uso Sustentável da Biodiversidade nos Negócios – um caminho para a preservação da vida”, os representantes de empresas e organizações que trabalham para colocar a sustentabilidade no seu dia-a-dia e trouxeram exemplos mostrando que esse caminho é necessário e possível.

Carlo Pereira, da Rede Brasil do Pacto Global da ONU, citou que hoje, dos 200 maiores Produtos Internos Brutos (PIBs) do mundo, 154 são empresas. Daí a importância de trazer o setor privado para essa discussão e, de forma conjunta, trabalhar os diferentes Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. “O investidor é um player muito importante e os ODS podem ser uma vantagem competitiva para as empresas. Um exemplo é: se a agropecuária estiver impactando o bioma amazônico não vai vender, porque o consumidor que está na Holanda não vai querer comprar”.

Werner Ruess, da Michelin, também trouxe a importância e a responsabilidade do setor corporativo. “Temos noção de que se não tivermos cuidado com a natureza, nossa empresa não vai durar. Além disso, todos somos consumidores, e como fabricantes de pneus também temos a escolha de produzir de uma forma menos impactante. E os governos têm um papel muito importante. Para o setor privado, o Acordo de Paris é importantíssimo”.

A necessidade de empresas e governos participarem de fóruns e encontros como a Conferências das Partes da ONU (COPs) também foi citada por Filipe Barolo, representante da Ambev, assim como a importância de ações em conjunto, se revertendo em diferentes ganhos.

“O principal item para produção de cerveja é a água. Por isso, nos últimos 15 anos diminuímos 45% do consumo de água dentro das nossas operações. Todos os funcionários de nossas fábricas têm conhecimento sobre gestão da água e reciclagem. Isso só é possível pelo sentimento de posse e tecnologia”, comentou.

Fátima Cabral, da Associação Produtores Agroecológicos de Alto São Bartolomeu (Aprospotera), na região do Pipiripau, em Brasília, encerrou o encontro trazendo uma visão de solução integrando agricultura familiar com benefício ambientais, transformando a produção de alimentos em um modelo que beneficia e recupera solos e mananciais hídricos.

“Após três anos de projeto, que começou com capacitação de seis agricultores, estamos distribuindo felicidade. Já recuperamos cerca de 40 hectares e fornecemos alimentos para cerca de 500 famílias pelo sistema de CSA (Comunidade que Sustenta a Agricultora). Os filhos estão voltando porque entendem que é possível ter seu sustento e poder permanecer na terra, vivendo dela”.

“Quando você promove o bem-estar de uma família agricultora, ela cuida da água, do solo e a biodiversidade volta. Se cada agricultor pode alimentar cerca de 30 famílias, nós somos 4 milhões de agricultores familiares que podem alimentar de forma limpa o Brasil todo. É possível.”

O que é o Relatório Planeta Vivo?

O Relatório Planeta Vivo, uma publicação bianual da rede WWF, é um estudo abrangente que mostra as tendências globais de biodiversidade e o estado da vida no planeta. O Relatório Planeta Vivo 2018 é a décima segunda edição do levantamento que traz evidências sobre uma mensagem que a natureza tem repetido constantemente: a forma como alimentamos, abastecemos e financiamos nossa sociedade e economia está levando a natureza e os benefícios que ela nos fornece ao limite.

A partir de múltiplos indicadores, incluindo o Índice Planeta Vivo (IPV) elaborado pela Sociedade Zoológica de Londres, o relatório nos mostra a urgência de um novo acordo global para e pela natureza e pessoas com objetivos claros e ambiciosos, com metas e índices, para reverter a tendência atual de queda de vida. Essa queda que atinge o planeta que nós chamamos de casa.

RELATÓRIO PLANETA VIVO 2018
FAÇA DOWNLOAD DO SUMÁRIO EM PORTUGUÊS
FAÇA DOWNLOAD DO RELATÓRIO COMPLETO EM INGLÊS
 
Lançamento do Relatório Planeta Vivo 2018, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro
© Douglas Matsunaga/WWF-Brasil Enlarge
"Estamos em um momento único", aponta o diretor-executivo do WWF-Brasil, Mauricio Voivodic
© Douglas Matsunaga/WWF-Brasil Enlarge
Besserman, presidente do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, comparou as mudanças climáticas a um “tsunami”
© Douglas Matsunaga/WWF-Brasil Enlarge
"A biodiversidade está extremamente ligada à saúde", afirmou a pesquisadora Marcia Chame, da Fiocruz
© Douglas Matsunaga/WWF-Brasil Enlarge
"Para reverter a perda de biodiversidade até 2050 precisamos transformar o sistema alimentar global", disse João Campari, líder global para a Prática de Alimentos do WWF Internacional
© Douglas Matsunaga/WWF-Brasil Enlarge
"Precisamos utilizar a biodiversidade, os recursos naturais, de maneira completamente diferente", diz a diretora de Engajamento do WWF-Brasil, Gabriela Yamaguchi que conduziu a segunda rodada de discussões
© Douglas Matsunaga/WWF-Brasil Enlarge
"Os ODS [Objetivos de Desenvolvimento Sustentável] podem ser uma vantagem competitiva para as empresas, diz Carlo Pereira, da Rede Brasil do Pacto Global da ONU
© Douglas Matsunaga/WWF-Brasil Enlarge
"Temos noção de que se não tivermos cuidado com a natureza, nossa empresa não vai durar", afirmou Werner Ruess, que atua na diretoria de relações públicas do Grupo Michelin na América do Sul
© Douglas Matsunaga/WWF-Brasil Enlarge
“A gente só vai conseguir fazer acontecer se a gente trabalhar de maneira conjunta", diz Filipe Barolo, gerente de sustentabilidade da Cervejaria Ambev
© Douglas Matsunaga/WWF-Brasil Enlarge
"Quando você promove o bem-estar de uma família, ela cuida da água, do solo e a biodiversidade volta", diz Fátima Cabral, presidente da Aprospera
© Douglas Matsunaga/WWF-Brasil Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA