Cenários e riquezas do Cerrado de Guimarães Rosa

10 setembro 2012

Descubra paisagens e culturas surpreendentes do norte de Minas Gerais e oeste da Bahia em nova produção do WWF-Brasil.
Descubra paisagens e culturas surpreendentes do norte de Minas Gerais e oeste da Bahia em nova produção do WWF-Brasil.


por Aldem Bourscheit

João Guimarães Rosa reinventou a Língua Portuguesa ao descrever de forma irretocável a realidade sertaneja em parte dos “Gerais”. A região, antigamente mais conservada, tem quase o tamanho do Amapá e se estende pela margem esquerda do São Francisco, no norte e noroeste mineiro, oeste da Bahia, norte goiano, leste de Tocantins e sul do Piauí e do Maranhão.

Nas andanças do escritor, muitas vezes em lombo de burro, descobriu que o “sertão é do tamanho do mundo”, tamanha a diversidade de gentes, de natureza e de "causos" naquela porção de Cerrado. Documentar parte desse patrimônio em vídeo foi um desafio e tanto, que exigiu mais de 10 mil quilômetros rodados em estradas de terra e centenas de horas de gravação.

O vídeo produzido por WWF-Brasil e Raiz Savaget Comunicação traz uma amostra das riquezas ambientais e humanas do chamado Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu. Decretado em abril de 2009, ele reúne unidades de conservação federais, estaduais e particulares, além de terras indígenas. 

A produção completa tem cerca de 25 minutos e traz alguns destaques ambientais, produtivos e humanos da região. Prefeituras, ongs, comunidades, escolas e associações, no Mosaico e em outros pontos do Cerrado, receberão cópias do material, inclusive com legendas em Inglês e Espanhol. 

Abaixo, assista a uma versão reduzida do vídeo Sertão Veredas-Peruaçu - Mosaico de Conservação, Cultura e Produção:



Os quase 2 milhões de hectares do Mosaico são destinados à proteção da natureza e a modelos econômicos mais sustentáveis, distribuídos em onze municípios do norte de Minas Gerais e oeste da Bahia. Cooperativas de extrativistas, uma estrada-parque e roteiros turísticos vêm sendo estruturados. Unidades de conservação vêm recebendo infraestrutura para visitação pública.

Suas paisagens são abrigo da diversidade do Cerrado, cuja conservação regional é fruto da atuação histórica de populações tradicionais, governos e organizações não-governamentais, como a Fundação Pró-Natureza (Funatura), Instituto Rosa e Sertão e Cáritas Brasileira. 

O Mosaico também é palco de expressões culturais onde a realidade do Sertão ganha contornos inesperados. Tamanha riqueza inspirou uma das maiores obras da literatura nacional, Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa (1908-1967), e tem potencial para encantar brasileiros de hoje de amanhã.

Por meio do Programa Cerrado-Pantanal, o WWF-Brasil apoia a estruturação e a consolidação do Mosaico, especialmente de suas unidades de conservação e de modelos de produção mais sustentáveis e menos impactantes. E por meio do Programa Água Brasil, WWF-Brasil, Banco do Brasil, Fundação Banco do Brasil e Agência Nacional de Águas estão mobilizados pela recuperação do rio Peruaçu.

O Cerrado é a savana mais rica em vida do planeta e é reconhecido como a "caixa d´água do Brasil", pois nele nascem águas que abastecem as principais bacias hidrográficas do país. Todavia, já perdeu metade da vegetação original e tem menos de 3% de sua área efetivamente protegida.

Sem ações emergenciais que elevem a proteção oficial e os índices de produção sustentáveis, o Cerrado pode desaparecer nas próximas décadas.
A colossal Gruta do Janelão é um dos principais atrativos do parque nacional Cavernas do Peruaçu
© WWF-Brasil / Bento Viana
Posição no país do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu
Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu ocupa quase 2 milhões de hectares entre Minas Gerais e Bahia
© WWF-Brasil / ESRI
Sr. José Correia Quintal (52), o “seu Zezo”, presidente da Cooperativa Grande Sertão, de Chapada Gaúcha (MG)
José Correia Quintal, o “seu Zezo”, produtor rural e extrativista em Chapada Gaúcha (MG)
© WWF-Brasil / Paulino Menezes
A vereda do rio Itaguari, no parque nacional Grande Sertão Veredas
© WWF-Brasil / Eduardo Aigner
DOE AGORA
DOE AGORA