Viagem ao Tumucumaque: aventura em distâncias Amazônicas



06 outubro 2011    
Equipe consertando caminhonete durante viagem pelo entorno do parque nacional
© WWF-Brasil/Luciano Candisani
Por Ligia Paes de Barros, WWF-Brasil

Durante oito dias, três analistas de conservação e uma jornalista do WWF-Brasil percorreu o entorno do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, uma unidade de conservação de 3,8 milhões de hectares, localizada na Amazônia brasileira, no norte do estado do Amapá, do qual ocupa 27% do território.

A  distância para chegar até o entorno do parque não é curta - a equipe percorreu cerca de 1.500 Km de carro e de barco, enfrentando estradas de terra e trechos de rio de difícil navegação.  Como dizem aqueles que moram na região: “as distâncias Amazônicas são medidas pelo tempo”. Isso porque muitos imprevistos – muitas vezes não tão inesperados – podem acontecer no caminho, a começar pela condição das estradas, que dependendo da época em que se viaja – período de seca ou chuva - podem ser percorridas em 11 ou até 22 horas. 

O objetivo da viagem foi identificar quais são as necessidades da região do Tumucumaque e as oportunidades para desenvolver e apoiar projetos que contribuam para a conservação ambiental do parque nacional e seu entorno. Para isso, a equipe visitou a unidade de conservação e as comunidades que vivem próximas a ela, e acompanhou o trabalho da equipe de gestão da unidade de conservação. 

Os destinos visitados foram os municípios de Oiapoque e Serra do Navio, portas de entrada do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, e Vila Brasil, um vilarejo localizado dentro do parque.

Roteiro:
•    Brasília – Macapá: aproximadamente 2.500 km de avião – 4 horas
•    Macapá – Serra do Navio: aproximadamente 200 Km em caminhonete 4x4 – 4 horas
•    Serra do Navio – Oiapoque: aproximadamente 650 km em caminhonete 4x4 – 12 horas
•    Oiapoque – Vila Brasil: 4 a 6 horas em voadeira

Logo no primeiro trecho da viagem, a equipe do WWF-Brasil conheceu um pouco da realidade de seus anfitriões: os analistas de conservação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio - autarquia do Ministério do Meio Ambiente responsável pela gestão das unidades de conservação federais), Paulo Russo e Marcela de Marins, responsáveis pela administração, articulação externa, implementação e fiscalização do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque. Além de Paulo e Marcela, Renata Ferreira, consultora contratada pelo ICMBio, e o motorista, José Mendonça, também integraram o time que recebeu o WWF-Brasil.

Depois de 100 km de estrada, uma luz se acendeu no painel indicando água no combustível, um problema que se repetiu quase por toda a viagem e que os gestores ambientais resolviam com uma prática digna de mecânico. Conhecimento adquirido durante os anos de experiência na Amazônia e essencial para sobrevivência na região.

“Essa visita da equipe à região é muito importante para o sucesso dos projetos de conservação ambiental que o WWF-Brasil e a Ecosia apoiarão no entorno do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque. Além disso, é um privilégio visitar uma área tão rica em biodiversidade, com uma floresta tão preservada”, afirmou Mariana Ferreira, analista de conservação do WWF-Brasil. “Conhecer bem a realidade tanto dos gestores do parque como das comunidades é um pré-requisito para o bom trabalho na região”, completou Luiz Coltro, também analista de conservação da organização. 

Às 22h30, após quase 12 horas de viagem desde Brasília, a equipe chegou ao primeiro destino: Serra do Navio.

Nos próximos relatos, você conhecerá mais sobre os lugares visitados e o que a equipe do WWF-Brasil viu por lá. 

Para saber mais sobre o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque e as expedições do WWF-Brasil na unidade de conservação, clique aqui.


Use Ecosia.org e ajude a conservar a Amazônia

Sua navegação na internet pode ajudar a conservar uma das áreas mais ricas em biodiversidade do Brasil: a região do Tumucumaque, no estado do Amapá, na Amazônia brasileira. 

Como? É só usar o Ecosia.org, um site de buscas ‘verde’, como ferramenta de busca na internet.

O internauta procura o que deseja encontrar no site e se clicar em algum link patrocinado, ou seja, de empresas que patrocinam o site, a empresa pagará ao Bing ou Yahoo pelo clique. Então, o Bing ou Yahoo passarão a maior parte desse dinheiro para o Ecosia, que por sua vez doará 80% do valor arrecadado para o trabalho do WWF na Amazônia, mais especificamente na região do entorno do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque e de outras unidades de conservação da área.

Saiba mais sobre os projetos que o WWF-Brasil apoia e realiza nessa porção da Amazônia e contribua com a preservação dessa área de grande valor biológico para a humanidade usando o Ecosia.com.

Equipe consertando caminhonete durante viagem pelo entorno do parque nacional
© WWF-Brasil/Luciano Candisani Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA