Dia e noite em busca de cobras e lagartos

12 julho 2009

A equipe especializada no estudo de répteis e anfíbios gastou a sola das botas em busca de seus objetos de pesquisa. Como há répteis e anfíbios com hábitos diurnos e noturnos, os pesquisadores do Meuseu Goeldi, percorreram duas vezes, uma de dia e uma de noite, cada uma das oito trilhas que compunham a área de pesquisa da expedição.
A equipe de herpetologia, ou seja, especializada no estudo de répteis e anfíbios, gastou a sola das botas em busca de seus objetos de pesquisa.

Como há répteis e anfíbios com hábitos diurnos e noturnos, a bióloga Crisalda de Jesus dos Santos Lima e o técnico em zoologia Raimundo Rodrigues da Silva, do Meuseu Goeldi, percorreram duas vezes, uma de dia e uma de noite, cada uma das oito trilhas que compunham a área de pesquisa da expedição.

Cada trilha tinha em média 4 km de extensão. Isso significa que os dois pesquisadores percorreram um total de 128 km durante a expedição para encontrar cobras, lagartos, sapos, pererecas e até jabutis.

Segundo Crisalda Lima, as espécies encontradas são bem típicas da região amazônica e são indícios de uma floresta bem preservada.

Na primeira fase da AER, realizada durante período chuvoso, foram encontrados mais anfíbios, como sapos e pererecas, e menos serpentes.

A segunda fase aconteceu durante período mais seco, quando os anfíbios estão mais recolhidos e as serpentes aparecem mais. “Essa caracterização da herpetofauna em estação chuvosa e seca é muito importante para que possamos avaliar a variação sazonal”, afirma Crisalda Lima.

Na fase 2, serpentes como jararaca, coral, cobra-cipó, cobra-dormideira, jiboia-vermelha, surucucu foram destaque.

No total, foram encontradas nove espécies, que pertencem a cinco famílias diferentes. Além disso, Crisalda Lima destaca o avistamento de um jacaré, uma tartaruga cabeçuda e dois jabutis, um vermelho e um amarelo, que são caçados e estão ameaçados de extinção.
As serpentes, como a Dipsas pavonina, foram o destaque da pesquisa sobre répteis.
© WWF-Brasil / Alex Silveira
DOE AGORA
DOE AGORA