WWF-Brasil repudia tentativa de intimidação judicial ao Greenpeace Brasil

22 dezembro 2022

Senador Acir Gurgacz (PDT/RO) ajuizou ação contra a organização que tenta impedir aprovação do “Pacote do Veneno”
Por WWF-Brasil

O WWF-Brasil vem a público para manifestar o seu repúdio à atitude do senador Acir Gurgacz (PDT/RO), que ajuizou ação judicial contra o Greenpeace Brasil em sua campanha para impedir a aprovação do “Pacote do Veneno” (Projeto de Lei 1.459/2022).

Para o WWF-Brasil, tanto a ação judicial quanto a decisão do juiz em primeira instância são tentativas de intimidar a organização e de silenciar a sociedade civil brasileira, que têm se posicionado de forma legal e democrática contra o PL 1.459/2022. O texto, aprovado na segunda-feira (19) pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado, amplia a autorização e o uso de agrotóxicos cancerígenos e proibidos em outros países.

O fato de a ação ter sido protocolada pelo senador em Jaci-Paraná (RO), é mais uma tentativa de dificultar a defesa da organização.

Assim como Greenpeace, o WWF-Brasil é contrário à aprovação do texto, que tem relatoria do senador Gurgacz, pelos danos já comprovados pela ciência causados pelos agrotóxicos à saúde e ao meio ambiente. Outras 300 organizações, órgãos do governo – entre eles o Ibama, o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o Ministério Público Federal (MPF), a Fiocruz e a Anvisa – e a Organização das Nações Unidas também se manifestaram contra o projeto de lei.

Nos últimos anos, a sociedade civil brasileira esteve sob ataque e vimos o avanço da destruição dos nossos ecossistemas e o aumento da violência contra populações tradicionais. Mas os brasileiros já demonstraram que não querem a continuidade desse projeto de aniquilamento.

O WWF-Brasil repudia a tentativa de silenciamento do Greenpeace Brasil e reafirma, mais uma vez, que democracia só se faz com participação popular e com respeito aos nossos biomas e às pessoas que neles habitam.
Democracia só se faz com participação popular e com respeito aos nossos biomas e às pessoas que neles habitam.
© Jacqueline Lisboa / WWF-Brasil
DOE AGORA
DOE AGORA