Nota de pesar: Alfredo Sirkis | WWF Brasil

Nota de pesar: Alfredo Sirkis



10 julho 2020    
Alfredo Sirkis em audiência pública da Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas (CMMC) em 2014
© Senado Federal
Por WWF-Brasil

O WWF-Brasil lamenta profundamente a perda do amigo, jornalista, político, escritor e respeitado ambientalista Alfredo Sirkis, que partiu hoje, 10 de julho, aos 69 anos, vítima de um acidente de carro em Nova Iguaçu (RJ).

Sirkis foi um dos pioneiros e, até hoje, um dos nomes mais importantes na militância ambiental brasileira. Sua morte significa uma perda muito grande para o movimento socioambiental brasileiro, em especial para o combate às mudanças climáticas no nosso país.

Sua atuação consistente no combate à crise climática era um vetor de mudanças positivas no nosso país. Seu entusiasmo de viver era um exemplo a ser seguido.

O WWF-Brasil continuará combatendo a crise climática, seguindo o exemplo de Sirkis, trabalhando de forma colaborativa para deixar um mundo de clima seguro para as futuras gerações.

Dedicação à luta contra as mudanças climáticas
Alfredo Sirkis foi líder estudantil secundarista e participou da resistência armada contra a ditadura, participando de operações armadas, inclusive dois sequestros de diplomatas que levaram à libertação de presos políticos. Ficou oito anos em exílio, passando por França, Chile, Argentina e Portugal.

Em 1980, lançou seu livro mais famoso, “Os Carbonários”, em que traz um relato em primeira pessoa sobre o combate à ditadura.

Ainda na década de 1980, foi um dos fundadores do Partido Verde e dedicou toda sua carreira política à temática ambiental. Entre os cargos ocupados estão Secretário Municipal de Meio Ambiente do Rio de Janeiro, entre 1993 e 1996; vereador por quatro mandatos e secretário municipal de urbanismo e presidente do Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos, entre 2001 e 2006. Também atuou como deputado federal entre 2011 e 2015, presidindo a Comissão Mista de Mudança do Clima do Congresso Nacional, e foi um dos vice-presidentes da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados.

Por nove anos, participou como membro da delegação brasileira da Conferência do Clima (COP de Clima) da ONU, além de ter sido integrante das comissões executivas do ICLEI (International Council for Local Environmental Initiatives) e do Metrópolis.

Entre os anos de 2016 e 2019, foi Coordenador Executivo do Fórum Brasileiro de Mudança do Clima (FBMC), onde atuou na ratificação do Brasil ao Acordo de Paris (o que foi obtido em tempo recorde), na elaboração da Proposta Inicial para Implementação da NDC brasileira e na avaliação Brasil Carbono Neutro 2060.

Sirkis também atuou como jornalista nas revistas "Isto É" e "Veja", nos jornais O Globo, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, Valor Econômico e Correio Brasiliense, e como roteirista na TV Globo, na série "Tele-tema".
Atualmente, se dedicava ao cargo de Diretor Executivo do think tank Centro Brasil no Clima (CBC) e tinha recém-lançado seu novo livro “Descarbonário”. A obra, lançada 40 anos depois da publicação da 1ª edição de “Os Carbonários”, traz como tema os retrocessos ambientais que vivemos atualmente.

No prefácio de “Descarbonário”, Sirkis escreveu: “Penso, de fato, que a mudança climática é o principal problema da humanidade; sairá de controle rumo a níveis apocalípticos se fracassarmos na estreita janela de oportunidade que nos resta”.

O WWF-Brasil concorda com a afirmação e já sente a falta de Afredo Sirkis nessa luta.
 
Alfredo Sirkis em audiência pública da Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas (CMMC) em 2014
© Senado Federal Enlarge
Em “Descarbonário”, seu 10º livro, Alfredo Sirkis discorre sobre os retrocessos ambientais que vivemos atualmente
© Divulgação Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA