Maior aumento de desmatamento da Amazônia em dez anos | WWF Brasil

Maior aumento de desmatamento da Amazônia em dez anos



23 Novembro 2018   |  
Dados do PRODES registram aumento de 13,7% no desmatamento da Amazônia Legal
© WWF / Peter Muller

Nossa maior riqueza natural está sendo destruída

Dados divulgados pelo governo brasileiro registram aumento de 13,7% no desmatamento da Amazônia Legal. Área destruída equivalente a cinco vezes a cidade de São Paulo

Por WWF-Brasil

Brasília, 23 de novembro – Os ministérios do Meio Ambiente (MMA) e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) divulgaram hoje (23) a taxa preliminar do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (PRODES). Entre agosto de 2017 e julho de 2018, o sistema registrou aumento no desmatamento da Amazônia de 13,7% em relação aos 12 meses anteriores. Foram suprimidos 7.900 km2 de floresta amazônica, o que equivale a mais de cinco vezes a área da cidade de São Paulo.

Essa é a maior taxa divulgada desde 2009, ano em que se registrou 7.464 km². Os estados que mais desmataram foram Pará (35,9%), Mato Grosso (22,1%), Rondônia (16,7%) e Amazonas (13,2%).

“O aumento do desmatamento da Amazônia diminui a competitividade dos produtos brasileiros diante de um mercado global que busca produtos livres de desmatamento. Além disso, a destruição da Amazônia também prejudica o cumprimento dos compromissos que o Brasil assumiu no Acordo de Paris, de diminuição na emissão de gases de efeito estufa, e na Convenção sobre Diversidade Biológica”, afirma Mauricio Voivodic, diretor-executivo do WWF-Brasil.

É essencial que haja a continuidade do monitoramento e da divulgação das informações fornecidas no PRODES. Só com elas a sociedade e o governo brasileiro podem cumprir o seu papel de acompanhamento e análise dos dados para exercer seu papel de monitorar e estimular avanços nas políticas públicas de combate ao desmatamento e de redução nas emissões de gases de efeito estufa no Brasil.

O monitoramento e transparência na divulgação dos dados é uma conquista da Ciência e da sociedade brasileiras. O Brasil se transformou em referência global pela criação do sistema de monitoramento do desmatamento na Amazônia e, sobretudo, por reduzir suas taxas.

Apesar da intensificação dos esforços de fiscalização e apreensão dos produtos de atividades ilegais na Amazônia promovidas pelo governo brasileiro, a maior parte do desmatamento na Amazônia continua sendo feito por atividades ilegais, que segue impune na justiça brasileira.

Nesse sentido, o combate ao desmatamento ilegal deve ser a prioridade. Estamos destruindo o motivo de maior orgulho nacional. O combate à impunidade, que defenda o patrimônio do país, deve ser prioridade da Justiça do Brasil.

A Amazônia nos presta serviços ambientais inestimáveis: a biodiversidade, a umidade imprescindível para a formação das chuvas que caem também no centro-sul do país, a contribuição para a regulação do clima, a minimização dos impactos de eventos climáticos mais drásticos, entre outros. Para manter esses e outros serviços ambientais à sociedade, é fundamental combater o desmatamento e a degradação florestal com rigor.

Sobre o PRODES
A mensuração foi realizada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) no âmbito do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), cujos dados encontram-se disponíveis em http://terrabrasilis.info/composer/PRODES.

O mapeamento utilizou imagens do satélite para registrar e quantificar as áreas desmatadas maiores do que 6,25 hectares. Foi considerado como desmatamento a remoção completa da cobertura florestal primária por corte raso, independentemente da futura utilização dessas áreas.
 
Dados do PRODES registram aumento de 13,7% no desmatamento da Amazônia Legal
© WWF / Peter Muller Enlarge
Evolução da taxa de desmatamento na Amazônia Legal
© Divulgação MMA Enlarge
Nos estados do Pará, Mato Grosso, Rondônia e Amazonas foram registrados os valores mais elevados de desmatamento.
© Divulgação MMA Enlarge

Comentários

blog comments powered by Disqus
DOE AGORA
DOE AGORA