Investimento Responsável e o Combate ao Desmatamento nas cadeias de Pecuária, Soja, Papel e Celulose no Brasil



14 dezembro 2017    
Investimento Responsável e o Combate ao Desmatamento nas Cadeias de Pecuária, Soja, Papel e Celulose no Brasil.
© WWF-Brasil e FGV
O agronegócio brasileiro possui participação expressiva na economia nacional, sendo responsável por 23,6% do PIB e 46,6% das exportações totais em 2016. Apesar da importante contribuição que as atividades agropecuárias oferecem à economia, elas exercem intensa pressão sobre a vegetação natural do país.

Entre 2007 e 2014, 25% do avanço da soja no Cerrado e 62% do avanço da soja no Matopiba ocorreram sobre vegetação nativa, enquanto que mais da metade dos 8 mil km de Floresta Amazônica desmatada em 2016 destinou-se à formação de novas pastagens. 

Dada a pressão das atividades agropecuárias sobre as florestas, as empresas que produzem ou adquirem commodities do agronegócio estão expostas a riscos ligados a desmatamento. Empresas processadoras de carne podem ser multadas pelos órgãos fiscalizadores (riscos legais) ou perder mercado (riscos comerciais), caso fique demonstrado que adquirem gado oriundo de desmatamento ilegal.

De forma semelhante, investidores de empresas agropecuárias estão expostos a riscos financeiros, se as empresas investidas forem judicialmente penalizadas por práticas de desmatamento.
 
Sendo assim, o relatório Investimento Responsável e o Combate ao Desmatamento nas Cadeias de Pecuária, Soja, Papel e Celulose no Brasil tem como objetivo analisar de forma sistemática os riscos ligados a desmatamento envolvidos nas cadeias de valor da soja, pecuária de corte, papel e celulose de empresas que operam no Brasil.

O documento também visa identificar os potenciais riscos a que estão expostos os investidores institucionais que investem em empresas dessas cadeias, bem como propor recomendações sobre como os investidores podem
gerenciar tais riscos.
Investimento Responsável e o Combate ao Desmatamento nas Cadeias de Pecuária, Soja, Papel e Celulose no Brasil.
© WWF-Brasil e FGV Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA