Arpa: modelo inovador de financiamento | WWF Brasil

Arpa: modelo inovador de financiamento



18 outubro 2012    
Secretário-executivo da Convenção de Diversidade Biológica (CDB), Bráulio Ferreira Dias
© WWF-Brasil / Andréa de Lima

Newsletter COP11 / 17/10/2012

por Andréa de Lima, de Hyderabad (Índia)


“Maior programa de conservação no mundo, o Arpa é um modelo criativo de apoiar a implementação do programa de áreas protegidas”. As palavras são do secretário executivo da Convenção de Diversidade Biológica (CDB), Braulio Ferreira Dias (foto), na abertura do evento paralelo Compromisso com a Amazônia: Arpa para a Vida – uma parceria público-privada para assegurar o futuro da maior floresta tropical do mundo no dia 17 de outubro, durante a Conferência das Partes da CDB (COP 11), em Hyderabad, Índia.

Dias exaltou o sucesso do programa, as perspectivas de sua continuidade e a mobilização de mais recursos baseados na Global Environment Facility (GEF), e no aporte dos governos brasileiro e alemão. Segundo o secretário executivo da CDB, a parceria com o setor privado foi fundamental para garantir a sustentabilidade do Arpa ao longo dos anos, “um bom modelo que poderia ser expandido a outros lugares para apoiar a realização das metas de Aichi”.

O diretor executivo de Conservação do WWF, Lasse Gustavsson, disse que a Amazônia é o ícone da natureza selvagem, um importante ecossistema florestal que concentra diversas espécies da biodiversidade e a maior reserva de água doce do mundo. “O Arpa já é uma grande conquista, mas para garantir o seu sucesso, precisamos de fundos para seguir sua implementação”, advertiu.

O evento marcou o 10 º aniversário do lançamento do Arpa, programa para a conservação da biodiversidade e gestão de áreas protegidas, que contou com a participação da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, por meio de um vídeo. Ela desculpou-se por sua ausência na COP, alegando compromissos políticos em decorrência do processo do Código Florestal.

“Reconheço o papel estratégico que a floresta amazônica tem em construir as bases para o desenvolvimento sustentável no Brasil. Espero que este debate ajude na construção de uma visão inovadora política para os compromissos financeiros de conservação da floresta amazônica. O governo brasileiro está plenamente empenhado não só na erradicação da pobreza, mas também em eliminar o desmatamento ilegal da floresta amazônica”.

Participaram ainda da reunião, Gertrude Sahler, diretora do Ministério do Meio Ambiente da Alemanha (BMU); Rosa Lemos, presidente do Funbio; Rachel Kyte, vice-presidente de desenvolvimento sustentável do Banco Mundial; Naoko Ishii, presidente da Global Environment Facility; Guillermo Castilleja, diretor do programa de conservação ambiental da Fundação Moore; Robby Ramlakhan, secretário-geral da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA); e Roberto Cavalcanti, secretário de biodiversidade e florestas do Ministério do Meio Ambiente do Brasil.

Mobilização de recursos

Por conta da visita do primeiro-ministro indiano à cúpula de biodiversidade na terça, dia 16, as negociações sobre oceanos, mobilização de recursos, biodiversidade e desenvolvimento, REDD + e todos os outros temas tiveram um breve hiato na absorção do anúncio da liberação de um recurso de US$ 50 milhões pelo governo da Índia. As negociações seguem lentas nessa reta final da Conferência.

Discussões sobre mecanismos financeiros continuaram durante todo o dia 17, com os países desenvolvidos e as nações em desenvolvimento novamente em desacordo sobre as metas e compromissos específicos de financiamento. Esta é a questão mais desafiadora sobre a mesa na CBD.

Lentidão

Observadores do WWF voltaram a afirmar que os delegados da CDB não estão aderindo aos processos de decisão acordados na COP 10, em Nagoia. Isso significa que as negociações estão levando mais tempo do que deveriam para a tomada de decisões importantes, e isso pode levar a um fator que pode atrapalhar as decisões importantes e levar a resultados fracos no final da Conferência.

Eventos Paralelos

18 de outubro, 13h15-14h45 Sala 1.08 - Piso 1, Centro Internacional de Convenções de Hyderabad

Manutenção de serviços ecológicos no Himalaia - O evento vai destacar os esforços de quatro nações do Himalaia Oriental para proteger ecossistemas e fontes de água necessárias para a adaptação às mudanças climáticas. Será apresentada a implementação do "Quadro de Cooperação”, acordado na Cúpula do Clima de 2011 para um Himalaia Vivo, destacando as ligações com o Plano Estratégico da CDB.

18 de outubro – 18h15-19h45, Salão de Eventos Side 3, térreo

Ecossistema amazônico baseado na visão de Conservação Regional do Programa de Áreas Protegidas para garantir o futuro da maior floresta tropical do mundo. O evento irá mostrar progressos no plano de ação (2010 -2020), desde seu anúncio na CBD COP 10 pelos ministérios do meio ambiente dos países amazônicos. O evento irá focar no Plano Estratégico da CDB e nas Metas de Aichi.

Secretário-executivo da Convenção de Diversidade Biológica (CDB), Bráulio Ferreira Dias
© WWF-Brasil / Andréa de Lima Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA