Natureza ganha vigoroso alento com o novo acordo sobre biodiversidade | WWF Brasil

Natureza ganha vigoroso alento com o novo acordo sobre biodiversidade



29 outubro 2010    
No Ano Internacional da Biodiversidade, o urso panda também simboliza a importância de protegermos espécies e ecossistemas de todo o planeta.
© Image copyright of WANG Xiao/Chengdu Economic Daily’
Nagoia, Japão - "Os ministros trabalharam arduamente nos últimos três dias para estruturar esse acordo. Esperamos que seu espírito e determinação se ampliem para outros espaços de discussão, inclusive para as reuniões de negociações climáticas que acontecerão em breve em Cancun", comentou Jim Leape, diretor-geral da Rede WWF.

A Rede WWF acolheu bem a adoção desse novo plano de 10 anos para resgatar a biodiversidade.

Segundo Leape, "o novo acordo reafirma a necessidade fundamental de se conservar a natureza por que ela é a própria base da nossa economia e da nossa sociedade. Os governos enviaram uma mensagem vigorosa afirmando que, na política internacional, há lugar para a proteção da saúde do planeta e que os países estão prontos a unir esforços para salvar a vida na Terra".

Os delegados presentes à reunião conseguiram superar o impasse na questão que, durante 18 anos, desde a assinatura da Convenção, havia impedido que se chegasse a uma resolução. Trata-se da questão do acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios.

"O Protocolo de Nagoia é um sucesso histórico e assegura uma repartição mais eqüitativa do valor -- muitas vezes imenso -- dos recursos genéticos", declarou Leape.

Os governos chegaram a um acordo sobre uma meta para terminar com a sobrepesca e outra para proteger 10% das áreas marinhas e costeiras, inclusive em alto mar. Embora a Rede WWF reconheça o importante passo dado para aumentar em 10% a proteção atual em todo o mundo, a organização ambientalista considera que essa meta equivale ainda a apenas metade do que é recomendado pelos cientistas.

"Os governos concordaram em proteger 10% de todos os oceanos do planeta e parar com a sobrepesca - isso é uma ótima notícia para os mares do mundo."

O novo plano da biodiversidade estabelece uma meta de 17% de proteção para habitat terrestre, o que significa um modesto aumento em relação à média mundial atual, que é de aproximadamente 12%. Os governos também chegaram a um acordo sobre a meta para a reforma dos subsídios considerados prejudiciais. O novo acordo exige, ainda, que os países incorporem a garantia da biodiversidade em sua contabilidade nacional - isso é um sinal político importante e tem potencial para colocar em andamento uma abordagem diferente para a tomada de decisão econômica.

O país anfitrião do evento, o Japão, prometeu, esta semana, recursos financeiros significativos para a biodiversidade. Já os países desenvolvidos mostraram-se incapazes de se mobilizar para garantir uma injeção imediata de recursos financeiros que sejam novos e relevantes. No entanto, os governos conseguiram concordar com um plano para identificar, até 2012, os fundos necessários para executar o plano. É vital garantir dinheiro novo para enfrentar rapidamente a perda da biodiversidade mundial.

"Embora se observe um progresso significativo em várias frentes, ainda há muito trabalho a ser feito para mobilizar os recursos necessários para ajudar o mundo em desenvolvimento a alcançar suas metas".

"Ficamos decepcionados com o fato de que os países mais ricos vieram a Nagoia de bolsos vazios - sem poder ou sem querer fornecer os recursos financeiros para que o mundo em desenvolvimento consiga alcançar suas ambiciosas metas", concluiu Leape.

Os governos saem de Nagoia com um acordo que aponta o novo caminho a seguir para salvar a vida do planeta. É fundamental, agora, que eles sejam rápidos em agir e transformar suas promessas em ações.

No Ano Internacional da Biodiversidade, o urso panda também simboliza a importância de protegermos espécies e ecossistemas de todo o planeta.
© Image copyright of WANG Xiao/Chengdu Economic Daily’ Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA