Estímulo à valorização da floresta e daqueles que nela vivem



10 novembro 2008
Artesanato e beleza natural são atrativos do médio rio Negro
© WWF-Brasil / Zig Koch
Por Ana Cíntia Guazzelli

“Nós jovens temos árvores para brincar, água limpa para beber e nadar. Eu tenho medo de tudo isso acabar”. “A reserva extrativista é boa. Nós vamos ficar adultos e se nós ajudarmos a natureza ela vai nos ajudar”. “Eu quero a Resex, porque quero ter direito à terra onde eu moro”. “Eu tenho esperança que a reserva extrativista seja decretada para nós ribeirinhos termos recursos naturais para podermos sobreviver nessa floresta”.

Em clima de emoção, essas frases foram lidas para nossa equipe por alunos da Escola Viva Amazônia, na comunidade Gaspar, no rio Jauaperi, hoje pela manhã. São 19 crianças entre seis e 14 anos matriculadas, que diariamente freqüentam as aulas ministradas por Bianca, a professora italiana que há 14 anos se dedica à alfabetização e à educação formal de caboclos do rio Jauaperi, e por seu marido, o escocês Paul Clark.

As frases compunham o trabalho final sobre a reunião realizada na comunidade Itaquera, no dia 5 de novembro, por nossa expedição. Com o tema “Por que eu quero a Resex?”, os alunos tinham como tarefa a apresentação de um texto ilustrado. Todos os trabalhos juntos formaram um livro, que nos foi presenteado. Lindo e original. “Essas crianças têm muita facilidade para desenhar. Desde pequenos seus olhares são treinados para identificar os recursos naturais da floresta, e nós estimulamos muito essa habilidade deles”, explicou a professora.

À tarde, as crianças nos acompanharam pela comunidade de Itaquera. É aqui que está a sede da Associação dos Artesãos do Rio Jauaperi (AARJ), que conta com sócios também de outras comunidades.

Fundada em 2004, a AARJ surgiu de um grupo de artesãs e artesãos que, após três anos de existência, decidiu procurar seus direitos de cidadãos. “Até então, nós, da comunidade de Itaquera, nunca fomos reconhecidos por nenhum governo. A gente não existia nem no mapa”, lembra Rozan Dias da Silva, membro da AARJ e um dos líderes do movimento pró resex do rio Jauaperi.

Todos os artesanatos da AARJ são feitos com produtos naturais. “Não utilizamos nada artificial, porque percebemos que o mercado está mais aberto para os produtos naturais”, explicou Marinez Laranjeira de Lima, tesoureira da associação. São cestos de vários tamanhos, fruteiras, brinquedos, tapetes, pulseiras e colares confeccionados com sementes, fibras vegetais e madeira.

Os próprios artesãos se responsabilizam pela retirada da matéria prima da floresta e por seu beneficiamento. “O trabalho não é fácil, mas com ele garantimos o complemento da renda familiar”, disse Marinez, que vê no artesanato uma boa alternativa para diminuir a pressão aos recursos naturais da região, principalmente o pesqueiro e os quelônios, que estão altamente ameaçados no rio Jauaperi.
Artesanato e beleza natural são atrativos do médio rio Negro
© WWF-Brasil / Zig Koch Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA