COP8: WWF-Brasil avalia iniciativas para a conservação da biodiversidade no país



20 março 2006
Com a presença do Diretor-Geral da Rede WWF, Jim Leape, e da Secretária-Geral do WWF-Brasil, Denise Hamú, entre outros diretores e técnicos da Rede WWF de diferentes países, a maior rede internacional de conservação da natureza acompanhará de perto as principais negociações e decisões da Oitava Conferência das Partes (COP8) da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), que começa hoje 20 e termina no dia 31 de março, no Expotrade, em Curitiba.Comprometidos com a implementação dos objetivos dispostos pela CDB, criada na Rio 92, o WWF-Brasil e outras organizações da Rede WWF programaram eventos paralelos, exposições e debates que colocam na pauta o papel da sociedade civil nesse processo.

Na Oitava Conferência das Partes (COP8) da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), o WWF-Brasil divulgará um documento sobre a Integração com o Setor Privado, tema de crescente relevância para a conservação da biodiversidade

No documento, o WWF-Brasil alerta para a necessidade de planejamento para os chamados mecanismos de compensação da biodiversidade. Obrigatória no Brasil desde o ano 2000 no caso de empreendimentos que causam significativa degradação ambiental, a compensação prevê a destinação de recursos das empresas envolvidas à manutenção e/ou à criação de novas unidades de conservação. O WWF-Brasil considera relevante o papel do setor privado na implementação de instrumentos econômicos como a compensação da biodiversidade, mas enfatiza a necessidade da criação de critérios para que o mecanismo não se transforme numa simples troca. No dia 17, o Ministério do Meio Ambiente anunciou a criação do Fundo Nacional de Compensação Ambiental, a ser gerenciado pelo Ibama, e que deverá contar com até R$ 300 milhões por ano.
No Dia do Brasil (25), o Ministério do Meio Ambiente e parceiros - o WWF-Brasil, o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), o KfW (banco de cooperação da Alemanha), o Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), o Ibama, sete governos estaduais amazônicos, a Agência de Cooperação Técnica da Alemanha (GTZ) e o Banco Mundial – promovem um jantar de captação de fundos para o Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa). Iniciativa do governo federal criada em 2002, o Arpa tem como finalidade estabelecer uma rede de unidades de conservação que, em dez anos, proteja 500 mil quilômetros quadrados de amostras das diferentes paisagens amazônicas. Em 2005, o Arpa conseguiu superar sua meta de criar 9 milhões de unidades de conservação de proteção integral, dois anos antes do planejado. O WWF-Brasil contribuiu diretamente para esse resultado, apoiando as consultas públicas e o levantamento de informações para a criação de um mosaico de unidades de conservação. O evento, para convidados, acontece no Museu Oscar Niemeyer.

No dia 21, o WWF-Brasil e parceiros lançam o livro “Biodiversidade: é para comer, vestir ou passar no cabelo?”. Organizada pelo WWF-Brasil, pela TNC (The Nature Conservancy), pelo CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável) e pelo IEB (Instituto Internacional de Educação do Brasil), a publicação tem o intuito de mostrar o que a sociedade brasileira faz para implementar a CDB.
Um relatório internacional que apresenta projetos de conservação de espécies que contribuem para a redução da pobreza de populações tradicionais. Intitulado “Species and People: Linked Futures” (“Espécies e Pessoas: Futuros Relacionados”) também será apresentado na COP8. O documento reúne seis casos em Nepal, Uganda, Índia, Namíbia, Costa Rica e China, que provam como a conservação e o manejo de espécies como resultam em florestas, mananciais e áreas marinhas mais protegidas, o que aumenta o acesso de populações rurais que dependem de tais áreas a bens e serviços a elas relacionados.

Ainda no Expotrade, o WWF-Brasil promove a Exposição fotográfica da Expedição ao Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, no Amapá. Realizada em agosto de 2005, percorreu áreas de difícil acesso do parque. A mostra reúne imagens de rara beleza de um local ainda pouco conhecido. O objetivo da expedição foi conhecer e estudar a região para contribuir com a integração e a elaboração de um plano de manejo para o parque nacional. Membro da expedição, o fotógrafo Zig Koch clicou belas imagens, revelando as belezas naturais da maior área de conservação da Amazônia brasileira.

No Expotrade e, em seguida, no Parque Barigui, os visitantes poderão acompanhar a Exposição Itinerante Água Para a Vida, Água Para Todos. Lançada em fevereiro em São Paulo, ela objetiva sensibilizar jovens e crianças para a importância da conservação dos recursos hídricos. Até o final de 2006, ela percorrerá 11 cidades, nas cinco regiões brasileiras. Durante a semana, suas atividades, que incluem jogos, brincadeiras e vídeos, estão voltadas para escolas e grupos em visitas agendadas. Nos fins de semana, a visitação é livre. Professores e monitores recebem a publicação “Cadernos de Educação Ambiental”, que reúne um volume com informações sobre a água no Brasil e no mundo – o Livro das Águas – e outro com propostas de mobilização da comunidade ou da escola – o Guia de Atividades.

Os documentos e a programação oficial do WWF-Brasil e da Rede WWF na COP8 estarão disponíveis no site e no estande da organização localizado no setor de exposições do evento. O espaço também disponibilizará publicações da Rede WWF, e nele será possível afiliar-se à instituição.
DOE AGORA
DOE AGORA