9 em cada 10 brasileiros são contra liberar a caça no Brasil, aponta pesquisa

21 setembro 2022


Levantamento feito pelo Instituto Datafolha a pedido do WWF-Brasil mostra ainda que eleitores reprovam candidatos que apoiam a caça

Por WWF-Brasil 


A cada dez brasileiros, nove não aprovam a ideia de autorizar a caça no país. A informação faz parte de um levantamento do Instituto Datafolha feito a pedido do WWF-Brasil. Para a pesquisa, foram entrevistadas em todas as cinco regiões do país 2.088 pessoas, a partir dos 16 anos, que responderam duas perguntas: "Você concorda com a ideia de autorizar a caça de animais no Brasil?" e "Votaria em quem apoia a caça no Brasil?".

Do total de pessoas pesquisadas, 90% discordam da ideia de autorizar a caça, 9% concordaram e 1% não soube responder. A rejeição é maior entre as mulheres (92%) e residentes nas regiões metropolitanas, com 93%.

A opinião feminina é também majoritária quando o tema é a possibilidade de votar em candidatos que apoiam a caça, com  91% afirmando que não votariam em quem defende essa pauta, frente a 88% da população geral. A rejeição é mais forte entre as mulheres e moradores das regiões metropolitanas, ambos com 91%. Apenas 10% dos entrevistados votariam em candidatos que apoiam a autorização da caça no país e 3% não soube responder.

Os dados demonstram uma sensibilização forte, contrária à autorização da caça em dois grupos específicos: mulheres e residentes nas regiões metropolitanas. Uma possível razão para isso é o aumento da violência em decorrência de mais armas em circulação nesses centros.

“Todos sofremos com a grande circulação de armas. Mães perdem seus filhos em brigas de trânsito, vizinhos se matam entre si por bobagens, apenas porque um teve acesso facilitado a uma arma de fogo”, afirma Raul do Valle, coordenador de Incidência política do WWF-Brasil. "Estamos vendo, chocados, um aumento nos casos em que pais de família matam esposa, filhos, parentes e depois se matam. O aumento na circulação de armas em nossa sociedade é uma tragédia e só tende a piorar se as coisas não mudarem".

Apesar de a caça ser liberada apenas para espécies como o javali, que é considerado um invasor, a quantidade de CACs (colecionadores, atiradores e caçadores) aumentou exponencialmente no Brasil nos últimos anos. Desde 2018, o número de armas para essa categoria pulou de 350,6 mil para 1.006.725 neste ano. Os dados são do Exército e foram obtidos pela Lei de Acesso à Informação, por meio dos Institutos Igarapé e Sou da Paz.

A região amazônica, notadamente conhecida pelos conflitos fundiários, foi uma das que registrou maior aumento na quantidade de armas em circulação, com 700% desde 2018.

A liberação da caça esportiva no país faria aumentar ainda mais as hipóteses para aquisição de armas com amparo legal, dado que atualmente são poucas as hipóteses de caça legal (subsistência e controle de pragas). Isso aumentará também as chances de que armas compradas legalmente venham a cair nas mãos do crime organizado, aumentando a periculosidade desses grupos, algo que já vem sendo noticiado. “Recentemente, apreenderam armas compradas por um CAC nas mãos de uma quadrilha de roubo a carros fortes. Estamos falando de um problema grave de segurança, não apenas ambiental: mais armas em circulação significa mais violência comum e do próprio crime organizado, que já é imensa” avalia Raul do Valle.

 

Impacto para os animais

Outro aspecto sério envolve crueldade com animais em extinção e o uso de cães para a caça. “Muitos caçadores  deixam os cães vários dias sem alimentação suficiente e os estimulam a ser mais agressivos. Por isso, caçam a presa impiedosamente", explica Gabriela Moreira, coordenadora do Projeto Pró-Espécies no WWF-Brasil. "Sem falar que caçadores inexperientes podem colocar em risco nossa fauna, atingindo animais que estão sob o risco de extinção ou fêmeas com seus filhotes. Quem vai se responsabilizar por esse risco", pergunta.

A opinião dos brasileiros vai contra a atuação do Congresso, onde existem projetos de lei como o PL 5544/2020, que dispõe sobre a autorização para a caça esportiva de animais no território nacional. O projeto aguarda a criação de uma comissão especial designada pela Mesa Diretora do Congresso Nacional. A pressão da sociedade segue intensa para coibir sua aprovação.

Entre as espécies ameaçadas que costumam ser alvo de caçadores estão a arara-azul, o tatu-bola, o mico-leão-dourado e o boto-cor-de-rosa.
 

Sobre a pesquisa

A pesquisa ouviu 2088 brasileiros com 16 anos ou mais de todos os estratos socioeconômicos de 5 a 8 de julho de 2022, margem de erro máxima de 2 pontos percentuais, uma amostragem que espelha a demografia do país segundo os mais recentes dados disponíveis do IBGE.
 

Sobre o WWF-Brasil

O WWF-Brasil é uma ONG brasileira que há 26 anos atua coletivamente com parceiros da sociedade civil, academia, governos e empresas em todo país para combater a degradação socioambiental e defender a vida das pessoas e da natureza. Estamos conectados numa rede interdependente que busca soluções urgentes para a emergência climática. Doe agora. 
 
DOE AGORA
DOE AGORA