Kofi Anann faz discurso duro na COP de clima



15 novembro 2006
O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e o presidente do Quênia, Mwai Kibaki, na conferência sobre clima, em Nairóbi
© Mauro Armelin / WWF-Brasil

Por Mauro Armelin

Hoje, o secretário-geral da ONU, Kofi Anann, abriu as reuniões do dia no plenário principal. Entrando no plenário, completamente lotado, ovacionado pelos delegados dos países e também pelos observadores, o secretário fez um discurso duro e colocou claramente que não precisamos de mais informações para começar a agir, as que já temos indicam claramente a urgência do caso. Um recado que interpretamos como endereçado principalmente aos Estados Unidos da América, cujo governo continua se recusando a aceitar as evidências naturais e as necessidades de redução das emissões.

Continuou o discurso colocando que temos muito mais a fazer do que estamos fazendo hoje. Afinal, quando as mudanças mais severas chegarem, os maiores afetados serão as populações dos países mais pobres que, por não terem as condições necessárias, levarão mais tempo para se adaptarem às mudanças submetendo assim suas populações a situações mais extremas do que as que já hoje enfrentam.

Além de “puxar as orelhas” dos governos, Annan também lembrou a importância que nós, cidadãos comuns, enquanto formadores de opinião e principalmente consumidores, temos nesse processo. Nesse ponto, principalmente, ele foi muito feliz em sua colocação. Nós, consumidores, temos o maior poder do mundo em nossas mãos, nossas escolhas podem pressionar empresas, e até governos, a mudarem seus padrões de produção para aqueles mais social e ambientalmente responsáveis.

Cada vez mais precisamos nos acostumar e entender o poder que nossas escolhas têm, sejam numa eleição ou numa simples compra no supermercado. O consumidor é um “elefante amarrado com barbante”. Quando entendermos a força e poder de nossas escolhas, poderemos mesmo mudar o mundo.

O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e o presidente do Quênia, Mwai Kibaki, na conferência sobre clima, em Nairóbi
© Mauro Armelin / WWF-Brasil Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA