Entrevista: “Carvão não beneficia os pobres"

16 novembro 2016


Por Simon Evans, do Carbon Brief
 
O papel do carvão na redução da pobreza é controverso. O recente estudo Beyond Coal (Além do Carvão) do Overseas Development Institute argumenta que há melhores opções disponíveis, ou seja, que tem sido dado muito crédito ao carvão pelo progresso do passado e que mais carvão vai consolidar a pobreza, não diminuir.

Carbon Brief falou sobre os resultados com Daniel Kammen, um dos especialistas que participou do relatório. Kammen é professor de energia da Universidade da Califórnia, Berkeley, e enviado científico do Departamento de Estado dos EUA.

Kammen explicou como o relatório surgiu e qual a mensagem clara resultante:

"Tem havido uma série de relatórios acadêmicos analisando, com base no custo-benefício, como os diferentes projetos de carvão em todo o mundo - de Kosovo até o Paquistão, até a Mongólia - podem ou não ser mais baratos, melhores, do que as alternativas renováveis ​​de energia. Em todos os casos que eu estudei, as energias renováveis se ​​saíram melhores”.

"As lições dessas diferentes análises de carvão foram uma mensagem muito, muito forte de que os projetos de carvão estão essencialmente ultrapassados, em termos de quanto mais ou menos eles custariam. Em quase todos os casos, os projetos de carvão resultaram como mais caros, rasos. E então você tem os impactos ambientais, você tem os impactos sociais e o fato de que o carvão nem sequer entrega o resultado para o qual é realmente indicado, que é, tirar pessoas da pobreza porque, de alguma forma esta é a fonte de combustível fóssil de menor custo.

"Na verdade, o que vemos é que o carvão, se impactou em algo, manteve as pessoas em situação de pobreza, porque grandes projetos de carvão grandes em países pobres tendem a ser projetos que vão a favor de alguns grandes clientes da indústria. Eles realmente não afetam ou beneficiam os pobres".

Kammen rejeitou o argumento de que o carvão é a solução para a extrema pobreza na África:

"Eu fico realmente um pouco desconfortável quando vejo pessoas divulgando mega projetos de combustíveis fósseis como óbvio, como a primeira coisa a se olhar. A energia distribuída limpa, por diversas vezes, tem provado ser melhor, mais barata, mais socialmente e ambientalmente positiva.

"Eu realmente sinto que, a menos que seja um caso totalmente único - e eu realmente não sei de qualquer agora – o mais simples é combater o carvão, com exceção de alguns analistas retrógrados que estão olhando o que a economia de energias renováveis ​era há uma década. Hoje, é uma história diferente."

Kammen também explicou porque as fábricas de combustíveis fósseis devem responder ao Acordo de Paris sobre as mudanças climáticas:

"No ponto no século estamos indo a necessidade de ir além tentou-e-verdade, porque maioria dos países do mundo têm penhor realmente muito significativas feitas em torno do acordo climático Paris.

"Qualquer usina de combustíveis fósseis construída hoje precisa estar sob um regime econômico totalmente diferente. Usinas de carvão não levam isto em conta. O construtor de usinas a gás de 2016, 2017 deve estar disposto a se aposentar em vinte anos décadas, para que os países fiquem dentro das promessas que estão fazendo. "

A entrevista completa, em inglês, está disponível abaixo.



Daniel Kammen é professor de energia da Universidade da Califórnia, Berkeley. Também é diretor fundador do Laboratório de Energia Renovável e Apropriada, codiretor do Instituto de Meio Ambiente de Berkeley, diretor do Centro de Pesquisa de Transporte Sustentabilidade e atua no Comitê Consultivo para a Energia e Ambiente para a Fundação X-Prize. Em fevereiro 2016, foi nomeado como enviado da ciência para o Departamento de Estado dos EUA.

Este artigo foi publicado originalmente no dia 4 de novembro de 2016 no site Carbon Brief. As opiniões contidas aqui não necessariamente representam as mesmas do WWF-Brasil. Para ter acesso ao conteúdo em inglês, no site do Carbon Brief, clique aqui.
DOE AGORA
DOE AGORA