Sobrevoo na Amazônia confirma dados de satélite: há desmatamento e fogo | WWF Brasil

Sobrevoo na Amazônia confirma dados de satélite: há desmatamento e fogo



10 outubro 2019    
Queimada na Amazônia, região de Novo Progresso (PA)
© Araquém Alcântara/WWF-Brasil
Por Karina Yamamoto

Segundo dados do INPE, o mês de setembro trouxe números alarmantes de área queimada e de desmatamento na Amazônia.

A área queimada no mês setembro somou 16.253 km2, o que representa um aumento de 26% em relação ao mesmo período de 2018 (12.852 km2). Isso aconteceu apesar de o número de focos de fogo ter diminuído se comparado ao mesmo período de 2018 – 19.925 pontos em 2019 contra 24.803 no ano anterior.

As queimadas na Amazônia estão diretamente relacionadas com o desmatamento e a derrubada da floresta segue em altas taxas.

Até os primeiros 26 dias de setembro de 2019, a área total de alertas de desmatamento na Amazônia brasileira cobriu 7.748 km2. Um crescimento significativo, de 149% e de 77%, quando comparado à média dos últimos 10 anos e três anos, respectivamente.

Sobrevoo
Uma equipe do WWF-Brasil realizou dois sobrevoos no final de setembro na região do sul do Pará, área de alta ocorrência de queimadas e de desmatamento. Em quase 14 horas de voo e pelo menos 1.830 km em um avião, a equipe documentou a situação em um quadrilátero formado pelas cidades de Itaituba (PA), Novo Progresso (PA), São Felix do Xingu (PA) e Guarantã do Norte (MT).

No segundo dia de viagem, no trecho entre as cidades de Guarantã e Itaituba, em um período de 3 horas, foram observados 18 pontos de fumaça. As cidades da região do Sul do Pará figuram no ranking dos locais com maior número de focos de queimadas -- toda a porção Sul do bioma Amazônia sofre intensa pressão de desmatamento e grilagem de terras.

As queimadas fazem parte da prática agrícola da região. Mesmo após a derrubada e queimada da área para a pastagem, o fogo é utilizado na mesma área para renovação da pastagem ou mesmo para sua "limpeza".

O fogo provocado por ação humana acontece sazonalmente na Amazônia quando as condições se apresentam (material seco a ser queimado e baixa umidade do ar). No entanto, em 2019, os recordes de desmatamento levaram aos recordes de queimadas. O alerta que deve ficar é: as chuvas devem chegar, mas o desmatamento não dá trégua. A floresta ainda está em perigo.

O olhar de Araquém Alcântara
Para essa expedição, o WWF-Brasil fez uma parceria com o fotógrafo Araquém Alcântara. Com 50 anos de profissão, Araquém já vistou a região mais de 30 vezes, registrando a natureza e o povo amazônicos.

Na volta, o material que se apresentou traz informação – como no caso da foto ao lado em que uma situação típica de grilagem se apresenta – e beleza.

Plano de Emergência da Amazônia
Para combater o efeito devastador do desmatamento e combater o fogo criminoso na Amazônia, o WWF-Brasil colocou em ação o Plano de Emergência da Amazônia, que visa apoiar ações de combate ao fogo e ao desmatamento no bioma.

O sobrevoo realizado no final de setembro fez parte desse conjunto de ações.
 
Queimada na Amazônia, região de Novo Progresso (PA)
© Araquém Alcântara/WWF-Brasil Enlarge
.
Queimada registrada no Sul do Pará em setembro de 2019, em sobrevôo realizado por equipe do WWF-Brasil
© Araquém Alcântara/WWF-BRasil Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA