Cartilha apresenta resultados do diagnóstico no Alto Purus



16 setembro 2005
Rio Branco, 15 de setembro de 2005 - O WWF-Brasil, a Seater/Governo do Estado do Acre e o Sebrae/AC lançam nesta sexta-feira, 16 de setembro, às 9h, no Espaço Gaia, em Rio Branco, a cartilha do Diagnóstico Participativo das Comunidades Ribeirinhas de Sena Madureira e Manual Urbano. A publicação é resultado do trabalho realizado junto às comunidades que vivem às margens do Rio Purus e seus afluentes no Estado do Acre e tem por objetivo desenvolver um sistema de manejo integrado dos recursos da várzea na região do Alto Purus, principalmente os recursos pesqueiros. Para o diagnóstico foram visitadas 71 comunidades ribeirinhas naqueles dois municípios e também em Boca do Acre (AM), para retratar a situação atual, as propostas de mudança e iniciar as discussões dos acordos de pesca. As Colônias de Pesca, o Ibama, o Ipam e o Iara também participaram do trabalho.

Antonio Oviedo, coordenador do Programa do Rio Amazonas e Florestas Inundadas do WWF-Brasil, destaca que “o manejo da pesca e de outros recursos naturais da várzea é fundamental para garantir a integridade dos ecossistemas aquáticos e traz inúmeros benefícios econômicos e sociais para as comunidades”. Com ampla experiência em manejo dos recursos naturais na Amazônia, o WWF divulgou esta semana um estudo de caso do Projeto Várzea, desenvolvido há mais de 10 anos em Santarém, em parceria com o Ipam e as comunidades ribeirinhas, onde demonstra que a conservação da várzea trouxe inúmeros benefícios sociais e econômicos para a população local. A experiência e as lições do Projeto Várzea possibilitaram uma sólida reflexão metodológica sobre os modelos de manejo da pesca que encurtou o caminho para o trabalho realizado no Projeto Alto Purus.

Cristiana Simão, coordenadora do Projeto Alto Purus na Seater, salienta que o peixe é o componente básico na alimentação das famílias ribeirinhas. Mas com o aumento populacional e a valorização comercial do pescado, aumentou a pressão sobre o recurso pesqueiro. O resultado foi a diminuição no número e tamanho dos peixes, o que tem gerado conflitos entre os ribeirinhos e os pescadores da cidade. “O Projeto Alto Purus promove o diálogo entre os usuários dos recursos pesqueiros para chegar a um consenso que permita uma convivência harmoniosa, observando a legislação, de forma a garantir a continuidade das pescarias e um futuro melhor para todos”.

O primeiro resultado do diagnóstico foi o estabelecimento de fóruns municipais de pesca e o início da construção dos acordos comunitários de pesca. No município de Manuel Urbano, já foram regulamentados os dois primeiros acordos de pesca do estado do Acre.
DOE AGORA
DOE AGORA