Ibope/WWF-Brasil: o quê o brasileiro pensa sobre questões de água no país



10 março 2005
Nada menos que 88% dos brasileiros acreditam que o país irá enfrentar problemas de abastecimento de água a médio ou longo prazos, em razão da forma como a água é utilizada. Entre os jovens, este número cresce para 94%. A maioria dos jovens brasileiros de 16 a 24 anos conhece, em parte, os problemas relacionados aos recursos hídricos e acha importante não desperdiçar água. Cerca de 73% deles acham que o consumo em sua casa poderia ser menor. Entretanto, 64% gastam de 6 a 15 minutos no banho.

Cerca de 74% da população concorda com um projeto de lei que estipula o pagamento de um a dois centavos para cada mil litros de água consumida, para quem gasta mais ou polui, desde que estes recursos sejam utilizados para conscientizar as pessoas sobre o uso da água e para custear a recuperação e proteção das bacias hidrográficas.

Estas e diversas outras informações sobre os hábitos de consumo e a percepção da questão dos recursos hídricos no Brasil foram reveladas por uma pesquisa encomendada pelo Programa Água para a Vida, do WWF-Brasil, ao Instituto Brasileiro de Pesquisa de Opinião Pública e Estatística (Ibope).  O resultado foi anunciado hoje (10/3), na sede do WWF-Brasil, em Brasília (DF), pela secretária-geral da ONG, Denise Hamú, e pelo coordenador do Programa, Samuel Barreto.  "Esta pesquisa é importante não apenas para avaliar o grau de conhecimento do brasileiro sobre a questão da água, mas principalmente para que possamos medir o grau de impacto do nosso programa sobre a população", disse Denise Hamú.

O Ibope entrevistou mil pessoas em todo o país, na faixa etária de 16 anos em diante, em todas as faixas salariais, de todos os níveis escolares, para avaliar o grau de conhecimento sobre os problemas que afetam os recursos hídricos no Brasil e seu engajamento na solução destes problemas.  Os resultados foram divididos, ainda, por região e condição de capital ou interior, centro ou periferia.

A pesquisa tem por objetivo balizar as ações da Campanha Água para a Vida, Água para Todos, do WWF-Brasil com apoio do HSBC, que tem, entre suas metas principais, conscientizar o grande público, governos e o setor privado sobre a importância de conservar e gerir os recursos hídricos ao mesmo tempo em que sejam otimizados seus diversos usos.

Desperdício
Entre os principais problemas que podem afetar o abastecimento de água no Brasil, o desperdício foi apontado por 44% da população em geral, enquanto outros 13% apontam a poluição e a agressão às reservas.

Para evitar o desperdício, 50% propõem fechar as torneiras durante a escovação dos dentes e reduzir o tempo do banho.  Entre os habitantes do Rio de Janeiro, 25% não souberam ou não opinaram sobre como evitar o desperdício.  A média nacional dos que não sabem é de 12%.

A pesquisa revelou, também, que a população tem uma percepção equivocada sobre quem é o grande "vilão" do consumo e da poluição de água no país.  Nada menos que 41% apontaram a indústria, quando, na realidade, a agricultura consome cerca de 70% dos recursos hídricos utilizados no Brasil. O consumo doméstico foi apontado por 34% dos entrevistados – também acima da agricultura, que ficou com apenas 18% das indicações.

Comitês de bacia e participação
Embora existam, atualmente, 100 comitês de bacias hidrográficas e mais de 40 consórcios intermunicipais de bacias, 70% dos brasileiros dizem jamais ter ouvido falar dos comitês.  Apenas 29% afirmaram ter ouvido falar.  Entre estes, 92% não conhecem ninguém que participe de um comitê de bacia.  "Estes dados são extremamente perturbadores, tendo em vista que os comitês de bacias, além de não serem poucos, são a forma de a sociedade participar da gestão e conservação dos recursos hídricos", disse Samuel Barreto.

E não é por falta de interesse: 65% dos entrevistados declararam estar dispostos a "participar de um grupo para decidir sobre o uso da água no local onde mora, ou fazer trabalho voluntário para proteção da água", e 76% participariam de campanhas e abaixo-assinados para recuperação de mananciais e uso responsável da água.
DOE AGORA
DOE AGORA