Sons da floresta anunciam a preocupação com as mudanças climáticas do Amazonas



29 março 2009
O Teatro Amazonas com todas as luzes acesas
© WWF-Brasil/Alexandre Fonseca
Após solenidade de abertura, o Teatro Amazonas teve suas luzes desligadas e um show musical inspirado na natureza passou a mensagem de alerta: é preciso combater as causas do aquecimento global.

Foi por meio da música que a natureza ganhou voz durante a Hora do Planeta no Amazonas. Realizada nesse sábado, dia 28, a participação do estado no movimento simbólico global sobre as mudanças climáticas contou a apresentação do show musical do Grupo Imbaúba que tocou para um público de mais de 750 pessoas no palco do Teatro Amazonas, logo depois que o monumento teve suas luzes apagadas.

O farfalhar das folhas, o trinado de pássaros, as batidas de sapopembas e outros ruídos da mata, que compõem o estilo da música desenvolvida pela banda, deram o tom da mensagem que o público de mais de 750 pessoas presentes quiseram passar ao mundo: o planeta precisa de nosso alerta contra as causas e conseqüências do aquecimento global e mobilização em prol dos desafios para estabilizar o aumento médio da temperatura do mundo, como o combate ao desmatamento.

“Ao fazer parte desse ato simbólico, o Governo do Amazonas sinaliza ao restante do planeta o seu compromisso com a preservação ambiental e o desenvolvimento de políticas públicas que contribuem para amenizar os efeitos do aquecimento global, que incluem a valorização das populações das florestas”, explicou Nádia Ferreira, Secretária de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, durante a cerimônia de abertura, realizada no jardim do teatro, um pouco antes de as luzes serem apagadas e o público se dirigir ao interior do teatro para assistir o show.

Marcos Pinheiro, coordenador do escritório regional do WWF- Brasil em Manaus, representou o WWF-Brasil na cerimônia e declarou que ao apagar as luzes por 60 minutos, a população do Amazonas demonstraria a intensidade do valor de mantermos nossas florestas em pé e preservadas, considerando a sustentabilidade. “Hoje unimos nossas vozes às das milhões de pessoas em todo mundo, para chamar os dirigentes de todos os países envolvidos a assumirem sua parte na solução do problema e se envolverem por um acordo global de clima, em Copenhagen, em dezembro”, afirmou.

O sucesso dessa ação só foi possível graças ao apoio de diversos parceiros: a Associação Amigos da Cultura, Secretaria de Estado da Cultura do Amazonas, Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, Manaus Energia, Amazon Sat, TV Ufam e Grupo Imbaúba.

Energia alternativa mostra que é possível mudar hábitos

Um grande diferencial trazido pela ação realizada em Manaus estava baseado na utilização de uma fonte de energia alternativa e ecologicamente correta. Todos os instrumentos e demais equipamentos de som e iluminação do palco foram abastecidos com baterias previamente carregadas por energia fotovoltaica (fornecida por painéis contendo células solares que, sob a incidência do sol, geram energia elétrica).

Essa estratégia deu um bom exemplo e mostrou que é possível fazer uso de alternativas ecologicamente corretas para diminuir o impacto ambiental de nossas atividades.

Placas solares de um sistema fotovoltaicos ficaram expostas no jardim do Teatro Amazonas durante toda a solenidade e show. O intuito de expor o sistema foi educativo, já que poucas pessoas tiveram a oportunidade de ver de perto ou mesmo saber mais informações sobre como esse tipo de alternativa de menor impacto ambiental funciona.

Grupo Imbaúba em parceria com o planeta

O grupo Imbaúba – formado por Cláudio Nunes (violonista), João Paulo Ribeiro (percussionista), Rosivaldo Cordeiro (arranjador), Roberto Lima e Sofia Amoedo (vocalistas), além de Celdo Braga – desenvolve um trabalho com forte influência das sonoridades da natureza, que chamam de música orgânica (sons e ruídos que ocorrem na floresta).

Com o mesmo poder do vegetal que deu origem ao nome da banda, a qual é a primeira planta a nascer no ambiente degradado, como forma de resistência, o Grupo Imbaúba tem disseminado a mensagem de que é preciso refletir sobre nossos hábitos.

“É a partir dessa simbologia que nosso trabalho se une a um evento como esse, por meio do qual todo planeta sinaliza a importância do cuidado com a questão ambiental. Como se faz escuro, é importante que se cante, já dizia Tiago de Melo, grande poeta amazonense”, disse Celdo Braga.
O Teatro Amazonas com todas as luzes acesas
© WWF-Brasil/Alexandre Fonseca Enlarge
Teatro Amazonas depois do apagar das luzes
© WWF-Brasil/Alexandre Fonseca Enlarge
Grupo Imbaúba toca músicas com sons da Amazônia
© WWF-Brasil/Alexandre Fonseca Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA