Organic Cattle ranching 
© WWF-Brazil/Adriano Gambarini

Conservando pastagens e paisagens – pecuária de corte no Pantanal

 

Anexo 1

Alguns métodos de controle recomendados para as principais invasoras do Pantanal.


Nome comum/espécie

Fitofisionomias invadidas

Prováveis causas da invasão

Método e época de controle recomendado

Algodão-bravo (Ipomea carnea ssp fistulosa)

 

Interior e bordas de corpos d’água

Manejo inadequado das pastagens.
Disseminação das sementes por meio do avanço das águas no período de cheia para locais propícios para a sua germinação e estabelecimento.
Queima indevida da vegetação das áreas, onde o algodão - bravo vegeta, favorecendo a produção de sementes e a sua disseminação.

Vedação da pastagem para fortalecer as forrageiras, mantendo uma maior cobertura de solo. Como a produção de sementes ocorre praticamente o ano todo, realizar uma roçada no inicio da época seca (maio/junho), para facilitar o trabalho. A época de roçada é variável de região para região e de fazenda para fazenda. Com esta pratica temos a redução da sua capacidade de rebrota. Repetir esta atividade, novamente, no início da enchente, como forma de garantir o enfraquecimento das plantas.

Aromita (Acacia farnesiana)

 

Áreas desmatadas com formação de pastagens e mal manejadas, campos com forrageiras nativas degradadas, devido a alta taxa de lotação (super pastejo) e em beiras de estradas.

As altas taxas de lotação que degradam as pastagens, permitindo o surgimento de solos descobertos favorecem a germinação de suas sementes. Os animais, tantos os exóticos como os silvestres, consomem os frutos da aromita e passam a liberar as sementes através das fezes, ajudando na sua disseminação. As aves são disseminadoras. Na formação de pastagens, o uso de plantas cespitosas, mal selecionadas, para as áreas onde  ocorre  aromita, favorece a sua invasão, principalmente, nas áreas onde o solo fica desnudo. Controle mecânico inadequado.

Manter o solo totalmente coberto utilizando espécies forrageiras estoloníferas e que cobrem o solo, associado com o manejo adequado das pastagens; uso racional do fogo; controle integrado com lavoura, entre outros.

Assa-peixe (Vernonanthura brasiliana)

 

 

Bordas de corpos d’água e campos

O manejo inadequado (superpastejo), tanto em pastagens nativas como exóticas favorece a invasão desta planta.

A melhor forma de impedir a invasão por esta planta é evitar a degradação das pastagens, ou seja, manejo adequado das pastagens. O seu controle por meio de roçadas manuais e mecânicas não é eficiente devido a grande capacidade de rebrote.

Cambará (Vochysia divergens)

 

Campos baixos e inundáveis, bordas de rios, corixos e vazantes.

Degradação de áreas de campos baixos sujeitos a inundação. Ciclos plurianuais de inundação (grandes períodos de cheia), que favorecem a disseminação das sementes. A falta de uso de critérios técnicos  no momento da realização da queima  em áreas propicias para a sua invasão.

 

Realizar o corte manual ou mecânico de todas as plantas que apresentam diâmetro á altura do peito inferior a 32 cm. Nas áreas que já apresentam grande invasão por plantas adultas, fazer o corte de pelo menos 50% desta população. Deixar secar e queimar para provocar a morte das plantas jovens de cambará. Esta pratica, reduz o sobreamento da área possibilitando o plantio de uma espécie exótica ou uma provável recuperação da pastagem nativa.
Outra forma de eliminar as plantas de cambará que apresentam diâmetro á altura do peito superior a 32cm é através do anelamento do tronco. 

Canjiqueira (Byrsonima orbignyana)

Campos e savanas, atingindo áreas inundáveis em anos mais secos.

Excesso de pastejo pelo gado, ciclos plurianuais mais secos. A falta de manejo das pastagens e definição de critérios técnicos de controle desta invasora, tem contribuído para a sua expansão.

Nos locais que inundam, o corte manual ou mecânico na base do tronco das plantas, antes da inundação, garante praticamente 100% de sua eliminação. Nos demais locais, usar lâmina dentada para arrancar a planta por inteiro, sem enleirar.

Lixeira (Curatella americana)

Campo-cerrado e baixadas.

A sua invasão ocorre nas áreas de campo-cerrado desmatados para a introdução de pastagens, se as etapas seguintes de formação não forem devidamente implementadas. Os ciclos plurianuais, mais secos, e as altas taxas de lotação impostas ‘as pastagens nativas, favorecem sua infestação.

No controle da lixeira as técnicas mais efetivas são: eliminação das plantas através do uso de correntão puxado por dois tratores em duas passadas invertidas. Outra prática para eliminar as lixeiras é o anelamento do tronco, que consiste em descascar de forma completa, aproximadamente, 20 cm da casca da planta.

Malva-branca (Walteria albicans)

 

Campos e savanas geralmente não inundáveis.

Taxa de lotação indevida (superpastejo) e / ou períodos de secas extremas.

Se a invasão de uma determinada área for considerada baixa,  retirar o gado ou ajustar a taxa de lotação, com o intuito de favorecer o restabelecimento das forrageiras nativas. Se o grau de infestação for considerado de médio a alto, retirar o gado e vedar a pastagem por pelo menos um ano para garantir a sua recuperação, quando ainda se notam a presença de espécies forrageiras nativas para a sua recuperação.  Caso contrário, haverá a necessidade de vedação e replantio das forrageiras.

Pateiro (Couepia uiti)

 

 

Campos inundáveis , áreas mais baixas, nas calhas de inundação e margens de rio, corixos, vazantes e brejos.

Planta de grande poder de invasão, que aproveita os ciclos plurianuais de inundação (grandes períodos de cheia).

Recomenda-se o controle mecânico, com retirada das plantas por meio de lâmina dentada. O controle manual, através do uso de foice, machado ou moto serra, pode ser realizado. Não se recomenda a retirada das plantas de pateiro que vegetam na beira de rios e corixos, pois fazem parte da mata ciliar.

Pombeiro (Combretum spp.)

 

 

Campo limpo, vazantes e baixadas

Ciclos plurianuais de inundação (grandes períodos de cheia).

Nos casos de alta densidade de infestação a sua eliminação pode ser realizada por meio de controle mecânico, utilizando-se correntão ou link, no inicio do período chuvoso, antes do amadurecimento das sementes. O controle manual por meio de roçada com foice pode ser utilizado.

Anexo 2

Solos arenosos

Paisagem

Fitofisionomia (s)

Espécie (s) dominante (s)

Espécie (s) chave (s)

Campo usualmente seco

Campo limpo/campo sujo

Fura-bucho (Paspalum lineare)

 

Gymnopogon spp.

Campo usualmente seco

Campo limpo/campo sujo

Capim-carona (Elyonurus muticus), Trachypogon P.

 

Grama-do-cerrado (Mesosetum chaseae)

Savana usualmente seca

Campo cerrado/campo sujo

Canjiqueira (Byrsonima orbginiana), capim-carona

Grama-do-cerrado (Mesosetum chaseae), Digitaria sp.

Savana usualmente seca

Campo sujo, campo cerrado, borda de capão, cerrado

Barba-de-bode (Aristida sp.)

 

Pappophorum sp., Digitaria sp.

Savana usualmente seca

Campo sujo, campo cerrado, borda de capão, cerrado

Lixeira (Curatella americana)

 

Sorghastrum setosum, Paspalum spp., M.chaseae

Campo sazonalmente inundável

Campo limpo/campo sujo

Capim-vermelho (Andropogon hypogynus)

 

Capim-mimoso (Axonopus purpusii), rabo-de-carneiro (Andropogon selloanus)

Campo sazonalmente inundável

Campo limpo, bordas de lagoas

Rabo-de-burro (Andropogon bicornis)

 

Capim-mimoso (Axonopus purpusii), mimoso vermelho (Setaria geniculata), grama-do-carandazal (Panicum laxum)

Campo sazonalmente inundável

Campo limpo

Capim-mimoso (Axonopus purpusii)

 

Capim-mimoso (Axonopus purpusii), capim-mimosinho (Reimarochloa spp.)

Savana sazonalmente inundável

Campo-cerrado, campo sujo

Assa-peixe, Canjiqueira (Byrsonima orbginiana)

Capim-mimoso (Axonopus purpusii), mimosinho (Reimarochloa spp.)

Campo usualmente úmido

Campo limpo, bordas de lagoas, borda de rios, vazantes, baixadas

Camalote (Pontederia cordata) Capim-de-capivara (Hymenachne amplexicaulis)

Capim-de-capivara (Hymenachne amplexicaulis), capim-arroz (Luziola subintegra)

Savana usualmente úmida

Campo limpo, bordas de lagoas e borda de rios sujas ou com predominância de arbustos

Aeschnomene spp., espinheiro (Mimosa sp.)

 

Capim-de-capivara (Hymenachne amplexicaulis), capim-arroz, grama-do-carandazal

Solos argilosos

Paisagem

Fitofisionomia (s)

Espécie (s)   dominante (s)

Espécie (s) chave (s)

Savanas usualmente
secas

Campo cerrado, campo sujo, cerrado

Canjiqueira (Byrsonima orbginiana)

 

Paspalum spp.

Campos sazonalmente inundáveis

Campo limpo, bordas de corpos d’água

Capim-vermelho  (Andropogon hypoginus)

Grama-do-carandazal              (P. laxum)

Campos sazonalmente inundáveis

Campo limpo

Macega-branca (Paspalum wrightii)

 

Macega-branca (Paspalum wrightii)

Savanas sazonalmente inundáveis

Campo cerrado, cerrado, campo sujo

Cambará (Vochysia divergens)

 

Capim-duro (Axonopus leptostachyus), capim bananal (Axonopus compressus)

Savanas sazonalmente inundáveis

Campo cerrado, cerrado, campo sujo

Paratudo (Tabebuia aurea)

 

Capim-vermelho, grameiro (Leersia hexandra), 

Campos usualmente úmidos

Campo limpo, borda de rio, lagoas, caixas de empréstimos, etc.

Capim-camalote, algodão-bravo (Ipomoea carnea), braquiária d’água (Brachiaria subquadripara), invasora agressiva

(Braquiária d´água)

Mimoso-de-talo (Hemarthria altíssima), Paspalum spp, capim-de-capivara

 

Savanas usualmente úmidas

Brejos, baixadas

Espinheiros (Mimosa spp.)

 

Grama-do-carandazal              (P. laxum), macega branca (Paspalum wrightii)

Anexo 3

Fotos de áreas do Pantanal consideradas invadidas devido ao elevado grau de densidade das espécies


 

 Invasão de pombeiro (Combretum spp.) na região de Poconé (MT).
Invasão de pombeiro (Combretum spp.) na região de Poconé (MT).
Foto: Embrapa Pantanal/Sandra Santos
 

 

Invasão por cambará (Vochysia divergens) na região de Poconé (MT).
Invasão por cambará (Vochysia divergens) na região de Poconé (MT).
Foto: Embrapa Pantanal/Sandra Santos

Campo limpo invadido por malva-branca (Walteria albicans) na região da Nhecolândia (MS).

Campo limpo invadido por malva-branca (Walteria albicans) na região da Nhecolândia (MS). Foto: Embrapa Pantanal/Sandra Santos

 


Área invadida por aromita (Acacia farnesiana) em Miranda (MS).
Área invadida por aromita (Acacia farnesiana) em Miranda (MS).
Foto: Embrapa Pantanal/Sandra Santos

 


Campo invadido por canjiqueira (Byrsonima orbignyana) na região da Nhecolândia (MS).
Campo invadido por canjiqueira (Byrsonima orbignyana) na região da Nhecolândia (MS). Foto: Embrapa Pantanal/Sandra Santos

Anexo 4

 

 

Índices zootécnicos médios observados na pecuária bovina de corte do Pantanal, no início e após quatro anos de acompanhamento:

 

 
 

Principais características financeiras dos cenários de adoção e não-adoção das tecnologias (US$):

 

 

Sumário do retorno econômico das tecnologias adotadas:

 

 

 

 

 

 
© WWF-Brasil - Embrapa
Conservando pastagens e paisagens – pecuária de corte no Pantanal
© WWF-Brasil - Embrapa
Nos links abaixo você pode baixar os anexos eletrônicos da cartilha:
DOE AGORA
DOE AGORA