WWF-Brasil é eleito membro do Conselho Consultivo do MSVP

02 outubro 2014

Nova composição terá mandato referente ao período 2014-2016
Por Thais Alves

Januária (MG) –
A nova composição do Conselho Consultivo do Mosaico Sertão Veredas Peruaçu (MSVP) foi eleita durante reunião realizada nos dias 24 e 25 de setembro, na sede do Serviço Social do Comércio (Sesc) de Januária.

O WWF-Brasil integra a nova composição do Conselho, para mandato de 2014 a 2016, e esteve representado pelo analista de conservação do Programa Cerrado Pantanal, Kolbe Soares. Além da organização estiveram presentes representantes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Instituto Estadual de Florestas (IEF), do Instituto Biotrópicos, do Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas (CAA), da Cáritas, da Funatura e de cooperativas e associações extrativistas, entre outros.

As entidades cadastradas, em cumprimento ao Regimento Interno do Conselho Consultivo, tiveram um prazo de 30 dias para inscrição. Dentre os requisitos estavam: atuação comprovada no território do MSVP; mínimo de dois anos de atividade regulamentada e não ser órgão colegiado. A representação da sociedade civil deve contemplar, por exemplo, organizações não governamentais com atuação na região da unidade, população residente e do entorno e população tradicional.

“É preciso que a própria comunidade esteja consciente e seja participativa na atuação do Conselho Consultivo. Ver todos os envolvidos contribuindo para um resultado é muito admirável”, destacou o produtor José Correia Quintal, do município de Chapada Gaúcha, mais conhecido na região como “Seu Zezo”.

Além da eleição foram apresentadas durante a reunião do Conselho as últimas ações do Projeto Turismo Ecocultural de Base Comunitária do Mosaico e o resultado da primeira Romaria do Cerrado, realizada em Cocos (BA), ambos executado pelo Instituto Rosa e Sertão. Houve ainda apresentação dos vídeos do Cerrado, elaborados pelo WWF-Brasil, do Projeto de Extrativismo Sustentável do MSVP, concretizado pela Cooperativa Regional Agrossilviextrativista Sertão Veredas (Coop Sertão Veredas), e do mapeamento do extrativismo, elaborado pelo WWF-Brasil em parceria com a Cooperativa Sertão Veredas.

Extrativismo

O mapeamento do extrativismo no Mosaico teve início em 2012 e ampliou-se a partir de 2013 por meio da parceria com a Cooperativa. As informações do extrativismo foram obtidas durante 18 oficinas de mapeamento participativo que envolveram 48 comunidades do Mosaico, totalizando 180 participantes. São 2.276 famílias envolvidas na produção extrativista. O extrativismo vegetal movimenta a economia na região e complementa a renda de um número expressivo de famílias.

Segundo Joel Araújo Sirqueira, gestor ambiental da Cooperativa Sertão Veredas, o mapeamento foi uma demanda das próprias comunidades. “Temos que olhar o que ajudamos a fazer e trabalhar em um melhor aproveitamento dos frutos do Cerrado”, destacou.

WWF-Brasil no MSVP

Desde 2010, o WWF-Brasil, por meio do Programa Cerrado Pantanal, desenvolve na região o Projeto Sertões. Em sua primeira fase (2010-2014), as ações do projeto foram focadas, principalmente, no incentivo à adoção de boas práticas de produção agropecuária (BPA´s); à implementação e gestão integrada das unidades de conservação; à comunicação, visando a valorização e o resgate do Cerrado e o planejamento territorial, que visa o planejamento sistemático da conservação no bioma Cerrado. A segunda fase do Projeto Sertões (2014/2018) prevê uma ampliação das linhas de ação, incluindo o fortalecimento do apoio ao extrativismo vegetal sustentável dos frutos do Cerrado.
Reunião do Conselho Consultivo do Mosaico Sertão Veredas Peruaçu
© Thais Alves
Joel Araújo Sirqueira, gestor ambiental da Cooperativa Sertão Veredas, durante apresentação do mapeamento do extrativismo.
© Thaís Alves
Kolbe Soares, analista de conservação do WWF-Brasil, durante apresentação na reunião do Conselho Consultivo do Mosaico Sertão Veredas Peruaçu.
© Thaís Alves
Reunião do Conselho Consultivo do Mosaico Sertão Veredas Peruaçu.
© Thaís Alves
DOE AGORA
DOE AGORA