Radialista mexicano chega em busca de novas histórias amazônicas

08 novembro 2008

A última reunião da expedição foi realizada na comunidade Xixuaú, no rio Jauaperi, estado de Roraima. A partir de amanhã, começamos a descer o rio e pouco a pouco o barco irá se esvaziando. Os líderes comunitários que nos acompanham devem ficar em suas comunidades.
Por Ana Cíntia Guazzelli

A última reunião da expedição foi realizada na comunidade Xixuaú, no rio Jauaperi, estado de Roraima. A partir de amanhã, começamos a descer o rio e pouco a pouco o barco irá se esvaziando. Os líderes comunitários que nos acompanham devem ficar em suas comunidades e alguns parceiros institucionais, como Carlos Durigan, diretor executivo da FVA, parte de voadeira logo pela manhã, acompanhado de Manuella, estudante de geografia, e Jasylene Pena de Abreu, técnica do WWF-Brasil.

A comunidade de Xixuaú se difere de todas as que passamos. Aqui, há internet banda larga e água encanada. Grande parte da eletricidade é gerada por energia solar. Também existe um posto de saúde, com algum medicamento e boa estrutura física, mas ainda sem profissionais qualificados. A escola funciona até a quarta série do Ensino Fundamental, com lotação do único funcionário do governo de Roraima da comunidade, o professor. Estas e outras ações contam com a colaboração da italiana Manoela Evangelista, voluntária da ONG Associação Amazônia, que atua na região.

Segundo o presidente da comunidade, Geraldo Teixeira, todos os moradores são associados à Associação Amazônia. São eles que determinam as regras a serem cumpridas por todos. “Nosso objetivo maior é a conservação da natureza. Não fazemos nada que possa prejudicá-la, porque os maiores prejudicados seremos nós mesmos”, afirmou o presidente.

Nossas entrevistas da tarde foram acompanhadas pelo radialista Rodrigo Aguilar. Ele chegou por volta das 14h30, direto dos EUA, após praticamente dois dias de viagem. De Washington, onde vive, ele é correspondente de notícias do Grupo Promo Medios, um dos mais importantes grupos de rádio do México, seu país de origem.

Aguilar ficará conosco até o final da expedição, previsto para o dia 13, em Manaus. Ele colabora ainda para a Rádio Universidade do Chile e o Canal Continental de Notícias, com transmissão para cerca de 60 emissoras no México e a 30 no sul dos Estados Unidos. Seu principal objetivo é produzir histórias que reflitam a relação dos moradores locais com o meio ambiente.

Para compartilhar um pouco do trabalho desenvolvido na região durante esses dias, a equipe de comunicação preparou fotos e mini vídeos para serem exibidos à comunidade depois das 20h, como forma de agradecimento. A escola ficou lotada por adultos, jovens e até crianças e muitos se emocionaram com a história do sr. Chico Caetano, de 70 anos, durante a exibição das imagens das cinzas e restos de sua casa. Tudo indica de que o incêndio foi criminal, pelo fato de ele liderar o movimento pró resex do rio Jauaperi.
Comunidade de Xixuaú, a última visitada pela expedição
© WWF-Brasil / Zig Koch
DOE AGORA
DOE AGORA