Parte da expedição já está em Apuí



30 junho 2006
Equipe desce o rio Sucunduri
© WWF-Brasil / Claudio MARETTI
Por Cláudio Maretti

Infeliz e felizmente iniciamos as etapas finais da Expedição Juruena-Apuí. Nosso último ponto no ‘campo’, ou na floresta, foi Terra Preta. A partir de lá, dividimos novamente a equipe.

Três de nós, Francisco Livino, representante da Direc-Ibama, Marcos Pinheiro, do WWF-Brasil, coordenador da Expedição Juruena-Apuí, e eu, Cláudio C. Maretti, do WWF-Brasil, coordenador do Programa de Áreas Protegidas e Apoio ao Arpa, voltamos para Apuí no final da tarde. Na cidade cumpriremos a última atividade prevista, uma reunião, amanhã à tarde com o Conselho Municipal de Desenvolvimento Sustentado e Meio Ambiente de Apuí.

Os outros integrantes da Expedição Juruena-Apuí, juntamente com a equipe da VoxTV, desce o rio Sucunduri, desde ontem. A partir de Terra Preta, no limite entre o Parque Estadual do Sucunduri e a Floresta Estadual de Apuí, ambos do Mosaico de Unidades de Conservação de Apuí, a previsão é de 2,5 dias de subida ou 1,5 dias de descida de ‘voadeiras’, barcos de alumínio com motor de popa que leva normalmente de 3 a 6 pessoas, com uma carga relativamente pequena.

Entretanto, desta vez, para dar conta de carregar toda a carga, sobretudo a da equipe da VoxTV, nesta descida vai junto um ‘batelão’, que na linguagem popular amazônica se refere a um barco de madeira, muito mais pesado, mas capaz de levar até umas 20 pessoas ou uma carga pesada. Essa embarcação, na verdade, é adaptada a cargas rurais, como castanhas, produtos agrícolas ou similares.

Além da presença do batelão na flotilha, como a intenção é descer filmando, dois dias e meio podem ser apertados. A saída das embarcações de Terra Preta, trechos de navegação no caminho e falas do apresentador da Vox TV, Dirk Steffens, foram registradas. Mas o foco principal das filmagens ocorreu esta manhã.

Chegamos ontem até a ‘cachoeira’ Fortaleza. Montamos acampamento para eles poderem filmar a travessia da corredeira esta manhã. Dirk Steffens foi conduzido pelos piloteiros e proeiros da expedição na travessia da corredeira com o batelão. David Peters é inglês, mas é o câmera-man da equipe alemã. Tobias Akly é o técnico de som e auxiliar do câmera. Antonio Coenen é a produtora, auxiliada pela brasileira Ângela Rodrigues Alves.

O programa é apresentado por Dirk, que interage com a natureza selvagem há 12 anos. Nesse episódio em gravação na selva amazônica, Dirk contracena com nosso colega Michael Evers, do WWF-Alemanha. Cada um protagoniza uma parte. Michael gravou no Cristalino Jungle Lodge, ao lado do Parque Estadual Cristalino, e Dirk no Mosaico de Apuí. Ambos procuraram chamar a atenção para o recente mega Parque Nacional Juruena.

O mega Parque Nacional Juruena deve ser objeto de parceria entre o WWF (WWF-Brasil, com apoio do WWF-Alemanha), o Ibama e o ICV para agilizar a sua implementação, procurando reforçar o conhecimento científico e tradicional como base de apoio e promover sua implementação de forma participativa.
Equipe desce o rio Sucunduri
© WWF-Brasil / Claudio MARETTI Enlarge
Equipe da TV alemã grava no rio Sucunduri
© WWF-Brasil / Claudio MARETTI Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA