Líderes agrícolas anunciam compromissos para combater a mudança climática | WWF Brasil

Líderes agrícolas anunciam compromissos para combater a mudança climática



14 Setembro 2018   |  
More open Cerrado habitat, showing flowering Ipe tree in the Pirenopolis area, Cerrado, Brazil.
Manifesto do Cerrado é um dos compromissos destacados
© © Juan Pratginestos / WWF
São Francisco, CA - Durante uma sessão oficial da Cúpula Global de Ação Climática (GCAS) nesta sexta-feria, 14 de setembro, foram anunciados 17 compromissos para melhorar a gestão do território, com o objetivo de manter as metas do Acordo de Paris sob nosso alcance.

Os anúncios estão relacionados ao Desafio Floresta, Alimentação e Terra 30x30 (que pede ações para melhorar a produção e o consumo de alimentos, melhor conservar florestas e habitats e usar o solo de forma mais eficiente e sustentável para fornecer até 30% das soluções climáticas necessárias até 2030) e foram feitos por fazendeiros, pequenos produtores, engenheiros florestais, chefes de cozinha, povos indígenas, líderes empresariais e autoridades eleitas.

Juntos, eles representam mais um passo rumo aos compromissos relacionados à terra e devem inspirar maior ambição globalmente.

"Os compromissos de hoje são boas notícias para o nosso planeta", afirmou Manuel Pulgar-Vidal, líder global do WWF para Clima e Energia.

“Agricultura, silvicultura e outros usos da terra contribuem com mais emissões de gases do efeito estufa do que todos os carros, caminhões, aviões e navios no mundo, mas as soluções de mudanças climáticas orientadas para a terra recebem apenas 3% do financiamento climático. Hoje, nos comprometemos a tomar as medidas necessárias para preencher essa lacuna. Com a próxima rodada de negociações climáticas da ONU acontecendo em breve, os países devem avançar mais nessas conversas para estabelecer metas baseadas na ciência e desenvolver soluções com base na terra que ajudarão a mitigar os piores efeitos da mudança climática”, comentou Pulgar-Vidal.

A seguir, uma amostra dos anúncios de gestão de território feitos no GCAS, incluindo alguns relacionadas ao Brasil:

Campeões do Desafio 30x30
Por meio do Desafio Florestas, Alimentos e Terra, mais de 100 ONGs, empresas, governos estaduais e municipais e comunidades indígenas e locais se uniram para criar uma plataforma nova e mais unificada de ação sobre a terra e o clima. Juntos, eles definirão uma agenda comum de floresta, alimentos e terra a fim de elevar a ambição de ação climática baseada na terra entre todos os atores até 2020. Para solidificar e operacionalizar ainda mais essa agenda e assegurar um propósito comum contínuo além do GCAS, a coalizão anunciou formação de um Grupo de Líderes para servir como catalisadores da conquista do Desafio 30x30 no futuro. Esse grupo de visionários representará a amplitude do setor da terra - tanto em termos de suas áreas temáticas centrais quanto de grupos de atores-chave - e, por meio de suas vozes influentes, eles devem continuar a ampliar o alcance do desafio. Juntos, esse grupo definirá, priorizará e elevará oportunidades, resultados e marcos claros para impulsionar a ambição.

Cadeias de suprimentos e governança transparentes
Manifesto do Cerrado

Investidores com US $ 5,6 trilhões em ativos juntaram-se a uma coalizão de apoio à conservação do Cerrado brasileiro, a savana mais biodiversa do mundo. Representando mais de 100 empresas de alimentos e financeiras, a coalizão é hoje o maior grupo empresarial focado na proteção do Cerrado, que perdeu cerca de metade de suas florestas nativas e pastagens, principalmente para a produção de gado e soja. Organizado pela FAIRR, os investidores que se juntam à coalizão incluem APG, Legal and General Investment Management e Green Century Capital Management.

Abordagens Jurisdicionais para Cadeias de Suprimento
O Walmart anunciou o desenvolvimento de uma plataforma que facilitará seus fornecedores a se engajar em abordagens jurisdicionais como parte de seu trabalho sobre florestas, apoiando sua Meta Baseada na Ciência para o clima de Alcance 3. Essa plataforma será desenvolvida em colaboração com as quatro ONGs que as assessoram em abordagens jurisdicionais (WWF, CI, TNC e EDF) - que priorizarão jurisdições de alto risco e ajudarão a identificar esforços legítimos nessa área. Como exemplo de como a plataforma funcionará, a Unilever - parceira principal e fornecedora do Walmart - está se comprometendo a apoiar a certificação de agricultores em 60 mil hectares, bem como a restauração nas bacias dos rios Sugut, Kinabatangan e Tawau em Sabah, na Malásia, para aumentar o abastecimento em uma área que eles possam garantir que não está causando desmatamento. Este trabalho de restauração complementará o trabalho da iniciativa jurisdicional mais ampla na região, trabalhando com produtores de óleo de palma e celulose e proteção florestal - avançando tanto o desmatamento quanto os objetivos climáticos. O exemplo de Sabah é apenas o início de um maior envolvimento nas principais jurisdições florestais que estão comprometidas em se tornar livres de desmatamento sob a Declaração de Nova York sobre Florestas.

Iniciativa Pró-Amazônia
O Comitê Interinstitucional do Equador sobre o Óleo de Palma Sustentável busca equilibrar o crescimento econômico, a produtividade e a conservação e preservação das florestas. Para isso, o Comitê trabalhará buscando aumentar a produção de óleo de palma nas áreas de cultivo existentes, implementando práticas agrícolas sustentáveis ​​baseadas na legislação nacional e nos padrões internacionais, incluindo a Mesa Redonda para o Óleo de Palma Sustentável (RSPO); diminuindo assim a pressão sobre as florestas remanescentes no país e fortalecendo as capacidades dos pequenos produtores no manejo sustentável. Essas ações combinadas contribuirão para o avanço do Equador no combate ao desmatamento, utilizando uma abordagem setorial jurisdicional, com a visão de reduzir e eliminar o desmatamento da produção de óleo de palma na Amazônia até 2025, bem como atingir o desmatamento zero do setor até 2030, em todo o país.

Fundo de Jornalismo da Floresta Tropical
O Centro Pulitzer de Relatórios de Crise anunciou a criação do Fundo de Jornalismo da Floresta Tropical, apoiado por uma doação de 5,5 milhões de dólares por cinco anos da Iniciativa Clima e Floresta Internacional da Noruega. Esta iniciativa procurará aumentar a quantidade e a qualidade dos relatórios sobre florestas tropicais, financiando cerca de 200 projetos de relatórios originais, juntamente com conferências regionais anuais destinadas a elevar o nível de relatórios sobre questões da floresta tropical global, como o desmatamento, seus impulsionadores e seus efeitos sobre as mudanças climáticas. O Fundo também fornecerá treinamento em ambiente hostil e primeiros socorros para 75 jornalistas que operam em regiões de floresta tropical durante o curso da concessão. O Pulitzer Center irá cooperar estreitamente com a Amazônia, a África Central e o Sudeste Asiático. Uma ênfase será dada ao apoio ao trabalho de jornalistas de dentro de cada 

Financiamento e Tecnologia
Compromisso financeiro da Global Environment Facility (GEF)

O GEF anunciou meio bilhão de dólares para um novo Programa de Alimentos, Uso da Terra e Impacto da Restauração do GEF. Trabalhando com governos, o setor privado e outros parceiros, essa nova iniciativa criará múltiplos benefícios, inclusive para a mitigação climática. O programa é projetado em uma interseção das abordagens da paisagem e da cadeia de valor e é construído como parte de uma iniciativa com várias partes interessadas.

Sistemas Alimentares Saudáveis ​​e Responsáveis
Cool Food Pledge

O Cool Food Pledge é uma nova plataforma global para ajudar empresas, universidades, hospitais e cidades a oferecer alimentos atraentes e saudáveis, reduzindo as emissões de gases de efeito estufa (GEE) em 25% até 2030. O compromisso ajudará os signatários a acompanhar o impacto climático dos alimentos que servem, desenvolver planos para vender pratos deliciosos com pegadas climáticas menores e promover suas conquistas como líderes em um movimento crescente. No GCAS, um grupo de fornecedores de alimentos que atende mais de 60 milhões de refeições anualmente anunciou seu compromisso com o Cool Food Pledge. O Compromisso é uma iniciativa do Instituto de Recursos Mundiais, ONU, Aliança de Cidades Neutras de Carbono, Saúde Sem Dano, Prática de Greenhealth e Climate Focus e tem o prazer de ter a Sodexo como apoiadora, ajudando a promover as atividades do Compromisso com as empresas de refeições que atende.

FoodShot Global
Um consórcio de treze líderes globais em alimentação, incluindo fundos de risco, bancos, corporações, fundações, ONGs e universidades, comprometeu-se a investir e acelerar avanços científicos e tecnológicos que melhorarão a saúde do solo em grande escala. Um sistema operacional saudável do solo levará a alimentos mais nutritivos, redução de insumos agroquímicos, maior rendimento, maiores lucros dos agricultores e ecossistemas terrestres e aquáticos mais saudáveis. Ao armazenar carbono, o solo também é uma ferramenta fundamental no combate à mudança climática. O solo saudável define a estrutura de um sistema alimentar capaz de produzir de forma sustentável alimentos saudáveis ​​e densos em nutrientes, acessíveis a todos. O Desafio inaugural da FoodShot Global, Innovating Soil 3.0, concederá até US $ 10 milhões em títulos e até US $ 20 milhões em financiamento para negócios inovadores, enquanto US $ 500.000 em capital filantrópico serão concedidos a pesquisadores, empreendedores sociais e defensores.

Pacific Coast Collaborative
A Pacific Coast Collaborative (PCC), representando os estados americanos da Califórnia, Oregon, Washington e da província canadense de British Columbia, foi formada em 2008 quando os líderes dos estados e províncias concordaram em trabalhar juntos nas áreas de energia, clima e saúde oceânica e outras questões, como uma região. A PCC também está colaborando com as principais cidades ao longo da Costa Oeste para reduzir as emissões de carbono e alinhar a eficiência dos setores de construção, transporte, energia renovável e sistemas de resíduos orgânicos. Juntos, estamos construindo uma economia próspera e inovadora que combate a mudança climática e beneficia todos os residentes, investindo em energia limpa, eficiência energética e redução da poluição de carbono. O PCC representa a quinta maior economia do mundo, uma região de 55 milhões de pessoas com um PIB combinado de US $ 3 trilhões de dólares. O progresso deles é detalhado no Boletim deste ano.

Restauração, Conservação e Resiliência
Cities 4 Forests

A iniciativa “Cities 4 Florests” visa catalisar um movimento que constrói apoio político, social e econômico entre os governos municipais e seus cidadãos para alcançar a conservação, a restauração e o manejo sustentável das florestas. Trabalhando com prefeituras, a Cities 4 Forests é uma coalizão voluntária que envolve prefeitos (e seus escritórios) de todo o mundo (de regiões desenvolvidas, de renda média e em desenvolvimento), bem como grupos da sociedade civil, universidades, empresas, serviços públicos e instituições especializadas em florestas, comunicações e políticas. Ela oferece às cidades influentes três níveis para engajar suas florestas mais importantes: as florestas internas (árvores das cidades), florestas próximas e florestas distantes. As 45 cidades aderiram à Cities 4 Forests e o governo da Noruega prometeu US $ 5 milhões nos próximos cinco anos.
Subsídios para Grupos de Trabalho dos Governadores para Clima e Floresta (GCF).

A Força-Tarefa do GCF, que inclui nove governadores do Brasil, Indonésia e Estados Unidos, anunciou a primeira rodada de beneficiários subnacionais de doações do Fundo GCF de US $ 25 milhões com ênfase nos compromissos que os estados estão assumindo para receber esses fundos. A Força-Tarefa do GCF está liderando esforços subnacionais para construir programas jurisdicionais robustos e eficazes para proteger e restaurar florestas e melhorar os meios de subsistência rurais. Os Governadores do GCF estão trabalhando na implementação de planos de uso de terra de baixo carbono e sustentável no nível jurisdicional, contribuindo para os esforços globais de redução de emissões por desmatamento e degradação florestal. Um exemplo é através do Acordo de Sustentabilidade 2018 para a Península de Yucatan no México, parcerias público-privadas para restaurar e proteger paisagens degradadas e sub-gerenciadas na realização de iniciativas de cadeia de fornecimento sustentável, incluindo esforços para envolver povos indígenas e comunidades locais na gestão sustentável da paisagem.

Princípios Indígenas - Força-Tarefa Climática e Florestal dos Governadores
A Força-Tarefa do GCF divulgou “Princípios Orientadores para a Colaboração e Parceria Entre Governos Subnacionais, Povos Indígenas e Comunidades Locais”. Como resultado de vários anos de trabalho, esses Princípios demonstrarão os compromissos dos governos subnacionais de trabalhar em parceria com povos indígenas e comunidades locais. Estes Princípios fornecem orientação sobre os termos de compromisso acordados e servem como ponto de partida para esta colaboração.

Iniciativa de Terras Naturais e de Trabalho da Aliança Climática dos EUA
Os membros da aliança estão se comprometendo a trabalhar no sentido de ter terras naturais que sirvam como sumidouros de carbono. Este trabalho utilizará as emissões de inventário do uso e gerenciamento da terra, instituirá as melhores práticas para aumentar o sequestro, identificar os caminhos da política e definir metas potenciais de sequestro de carbono. Incluído neste compromisso está um sequestro de carbono integrado à política e um modelo de redução de GEE desenvolvido por várias ONGs parceiras em colaboração com a Aliança Climática. Este será o primeiro de seu tipo de ligação direta entre essa modelagem e os compromissos com as metas de sequestro de carbono, e a primeira proposta de estrutura política para o sequestro de carbono e reduções de GEE de uso e manejo da terra para os Estados dos EUA.

 

Comentários

blog comments powered by Disqus
DOE AGORA
DOE AGORA