Biodiversidade pode ajudar Brasil a se desenvolver | WWF Brasil

Biodiversidade pode ajudar Brasil a se desenvolver



31 Julho 2018   |  
Enquanto mais de 100 milhões de hectares da cobertura vegetal do Cerrado (o mesmo que toda a área da Europa ocidental) já foram perdidos para o agronegócio, os povos do Cerrado coletam espécies nativas para se alimentar, e comercializar, complementando sua renda com a prática do extrativismo sustentável
© André Dib/WWF-Brasil
É preciso, urgentemente, incorporar a biodiversidade e os serviços ecossistêmicos às políticas de desenvolvimento do país.
 
Por Jaime Gesisky*
 
O capital natural do Brasil pode ser a base para transformar a conservação e o uso sustentável de seus ativos ambientais em oportunidades para um desenvolvimento capaz de enfrentar novas condições futuras e, ao mesmo tempo, promover prosperidade socioeconômica. Mas isso só será possível se o papel da biodiversidade em alavancar o desenvolvimento social e econômico brasileiro for reconhecido e incentivado.
 
É o que aponta o sumário para tomadores de decisão do primeiro diagnóstico brasileiro de biodiversidade e serviços ecossistêmicos, elaborado pela Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES).
 
A versão preliminar do documento foi apresentada durante a 70ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que que terminou neste sábado (28/07), em Maceió.
 
O sumário é preliminar foi levado à SBPC para ter suas conclusões discutidas com a comunidade científica e incorporar críticas e sugestões.
 
Segundo Carlos Joly, professor da Unicamp e membro da coordenação da BPBES e do Programa BIOTA-FAPESP, o debate sobre o papel da biodiversidade no desenvolvimento do país precisa situar-se para além da academia e de setores do governo ligados especificamente ao tema ambiental.
 
Joly defende, por exemplo, que o tema seja incorporado nas políticas públicas nos ministérios do Planejamento e da Fazenda, pois a biodiversidade relaciona-se com a qualidade de vida da população brasileira e pode ser fator decisivo no desenvolvimento nacional.
 
Em entrevista ao Canal Ciência, Carlos Joly convocou a academia a tentar traduzir melhor os temas da biodiversidade de modo que faça sentido para os tomadores de decisão. Segundo Joly, é preciso mudar o patamar das discussões sobre a biodiversidade no Brasil.
 
Pressão
 
Os ativos ambientais do Brasil – representados pela oferta de bens da natureza e serviços ecossistêmicos, como os associados à polinização e manutenção dos recursos hídricos – são a base de sustentação das demandas da sociedade brasileira, ressaltam os autores do relatório.
 
O documento aponta que, das 141 culturas agrícolas brasileiras cultivadas, 85 dependem de polinização por animais, como abelhas, e mais de 40% da produção de energia primária no país são provenientes de fontes renováveis.
 
O capital ambiental do Brasil representa o seguro do país em um ambiente de crises globais de diferentes naturezas”, disse Mercedes Bustamante, professora da Universidade de Brasília (UnB), uma das autoras do diagnóstico.
 
Os recursos naturais brasileiros, contudo, têm sido fortemente pressionados e ameaçados. A atual destruição e degradação das florestas brasileiras, por exemplo, coloca em risco o ciclo hidrológico que mantém, em grande parte, a produção agrícola brasileira.
 
 “O uso insustentável de recursos naturais no país precisa ser urgentemente interrompido em face dos vários sinais de colapso ambiental”, diz o documento.
 
A fim de assegurar às futuras gerações no mínimo as mesmas riquezas naturais que a sociedade brasileira dispõe hoje será preciso, urgentemente, incorporar a biodiversidade e os serviços ecossistêmicos às políticas de desenvolvimento do país.
 
Além disso, é fundamental promover o cumprimento das leis ambientais existentes e inovar no desenho de políticas que integrem componentes sociais, econômicos e ambientais, sugerem os autores.
 
Há urgência nas escolhas para consolidar as bases para um futuro sustentável. Talvez essa seja a principal mensagem do relatório”, avaliou Bustamante.
 
*Com informações da Agência Fapesp
 
Enquanto mais de 100 milhões de hectares da cobertura vegetal do Cerrado (o mesmo que toda a área da Europa ocidental) já foram perdidos para o agronegócio, os povos do Cerrado coletam espécies nativas para se alimentar, e comercializar, complementando sua renda com a prática do extrativismo sustentável
© André Dib/WWF-Brasil Enlarge
As áreas protegidas brasileiras prestam vários serviços ambientais; um deles é o fornecimento de água de boa qualidade
As áreas protegidas brasileiras prestam vários serviços ambientais; um deles é o fornecimento de água de boa qualidade
© WWF-Brasil / Zig Koch Enlarge
Venda do óleo de copaíba é parte de uma estratégia mais ampla, de estimular o manejo florestal, o reflorestamento, o extrativismo e os sistemas agroflorestais no Sul do Amazonas
Venda do óleo de copaíba é parte de uma estratégia mais ampla, de estimular o manejo florestal, o reflorestamento, o extrativismo e os sistemas agroflorestais no Sul do Amazonas
© WWF-Brasil/ Marcelo Cortez Enlarge
Os proprietários de terra que decidem aderir ao Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) são remunerados por atuar em prol da conservação e da preservação dos recursos hídricos.
© Michael Gunther / WWF Enlarge

Comentários

blog comments powered by Disqus
DOE AGORA
DOE AGORA