Fogo e outros perigos: como proteger a biodiversidade paulista | WWF Brasil

Fogo e outros perigos: como proteger a biodiversidade paulista



09 Outubro 2017   |  
Fogo atinge a Reserva Particular do Patrimônio Natural Catadupa, em São Paulo, no último dia 24
© Frepesp
O fogo corre pela mata seca, assusta os animais e ameaça parte da Mata Atlântica da Fazenda Catadupa, Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) na Serra da Bocaina, no estado de São Paulo. Ao todo, quatro dias de chamas consumiram o local na última semana, sendo contidas apenas no último dia 24, graças aos esforços de voluntários da região, o trabalho de 30 bombeiros e de três helicópteros da Polícia Militar.

O cenário é triste, mas já demonstra sinais de esperança com a união de forças na região. Se antes as RPPNs paulistas estavam isoladas, hoje, graças ao trabalho conjunto do WWF-Brasil e da Federação das Reservas Ecológicas Particulares do Estado de São Paulo (FREPESP), em parceria com o Sistema Ambiental Paulista do Estado, elas contam com uma verdadeira rede de apoio em proteção à Mata Atlântica.

Workshop para proteção das RPNNs

Um exemplo disso foi o workshop SIM-RPPN, no dia 15/09, que contou com a participação de mais de 14 donos de reservas, da FREPESP, do WWF-Brasil, da Polícia Militar Ambiental, da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), da Fundação Florestal, da Coordenadoria de Fiscalização Ambiental da Secretaria do Meio Ambiente (CFA/SMA) e do Instituto Ecofuturo.

O evento integra o SIM-RPPN e teve o objetivo de estreitar o relacionamento entre os RPPNistas e a Polícia Ambiental de suas localidades por meio da avaliação e elaboração dos planos de apoio à proteção de suas RPPNs.

O SIM-RPPN foi instituído pela Resolução SMA 80, de 04 de novembro de 2015, com o objetivo de “apoiar a proteção das RPPN com vistas a assegurar a conservação da diversidade biológica destas áreas, por meio da atuação conjunta entre proprietários, FREPESP, FF, CFA e PAmb.”

Para auxiliar na elaboração dos planos de apoio à proteção da biodiversidade, o Instituto Ecofuturo apresentou durante o workshop uma série de vetores de pressão pela visão e experiência do Parque das Neblinas, local onde foi realizado o evento. O Ecofuturo também é parceiro do WWF-Brasil, por meio do projeto com a Suzano Papel e Celulose.

Também como forma de apoio, o CFA/SMA apresentou o aplicativo Denúncia Ambiente, onde os proprietários podem registrar as ocorrências e entrar em contato direto com a PM Ambiental. E a Cetesb falou sobre como funciona o licenciamento ambiental e as formas de denúncia: PM Ambiental (190) e app Denúncia Ambiente. O 0800 não funciona mais.

Ao final, foi entregue um mapa de cada RPPN presente com a delimitação da área de cada um e seus respectivos vetores de pressão para que, juntamente com a PM Ambiental, fosse feito o Plano de Apoio e Proteção.

Fogo atinge a Reserva Particular do Patrimônio Natural Catadupa, em São Paulo, no último dia 24
© Frepesp Enlarge
Polícia Ambiental fala com participantes do workshop sobre os vetores de pressão
© Giovanna Zambrini / WWF-Brasil Enlarge
O Parque das Neblinas (SP) foi o cenário do workshop, pela parceria do WWF-Brasil com o Instituto Ecofuturo / Suzano Papel e Celulose
© Daniel Venturi / WWF-Brasil Enlarge
Donos de RPPNs conversam com a Polícia Ambiental para definir aprender como mitigar os vetores de pressão
© Giovanna Zambrini / WWF-Brasil Enlarge

Comentários

blog comments powered by Disqus