Restauração em bacias gera até R$ 8 para cada R$ 1 investido | WWF Brasil

Restauração em bacias gera até R$ 8 para cada R$ 1 investido



16 Agosto 2018   |  
Parceria entre Banco do Brasil, Fundação Banco do Brasil, WWF-Brasil e Agência Nacional de Águas (ANA) busca a melhoria da qualidade e da quantidade de oferta hídrica no país.
© Programa Água Brasil / Eduardo Aigner
Por Taís Meireles

Em 2010, quatro importantes instituições brasileiras uniram-se por um objetivo comum: a conservação da água e dos rios do Brasil. Da parceria entre Banco do Brasil, Fundação Banco do Brasil, WWF-Brasil e Agência Nacional de Águas foi então criado o Programa Água Brasil (PAB).

Dividido em eixos, o Programa dedica-se a aumentar a disponibilidade hídrica, sua eficiência e a cobertura de vegetação nativa nas bacias atendidas; desenvolver modelos de negócios para promoção da restauração e manejo de florestas, eficiência hídrica e energética; mobilizar os funcionários do BB quanto sobre ao uso inteligente da água e do meio ambiente; e elaborar novos estudos e ferramentas para gerenciamento de risco socioambiental.

O chamado Eixo 1 (Economia Verde - Água e Agricultura), tem como objetivo melhorar a qualidade e ampliar a quantidade das águas e da cobertura da vegetação natural nas micro bacias hidrográficas do PAB, por meio de agricultura sustentável e tecnologias sociais. 

Entre 2010 e 2015, sete bacias foram atendidas pelo Programa. Dessas, três passaram por uma Avaliação de Impacto Econômico e Socioambiental: Guariroba (MS), Pipiripau (DF) e Santa Rosa (AC). Na área de download ao lado você confere as três publicações na íntegra e, abaixo, um resumo de cada uma.

Bacia do Guariroba

O Guariroba é uma microbacia responsável por mais de 50% do abastecimento de água de Campo Grande (MS) - cerca de 400.000 pessoas dependem dela. Para ajudar a suprir esta demanda, o PAB atua na bacia do Guariroba junto com parceiros locais, restaurando as nascentes e ajudando os produtores locais a implementar boas práticas agrícolas, através do Pagamento por Serviços Ambientais. Mais de 20% do território da bacia recebeu ações de conservação e / ou recuperação.

A Avaliação de Impacto Econômico e Socioambiental da bacia mostra que os resultados ambientais causados ​​pelo aumento na quantidade de água representarão um aumento do fluxo de base, em 2027, de 0,26 m³ / s. As ações do projeto para melhorar a qualidade da água resultarão na redução de 7.813 toneladas de carga de sedimentos na bacia até 2027. Além disso, a erosão nas propriedades será reduzida em 173.013 toneladas, contribuindo para a sustentabilidade da produção agrícola na bacia.

No longo prazo, o custo total do projeto será de R $ 21.384.694,54 (em valores de 2015). Os benefícios econômicos em 2027 somarão R $ 173.814.697,25, o que significa que a relação benefício / custo será de 8,1. Isso torna o projeto considerado altamente economicamente viável.

Bacia do Pipiripau

Trabalho semelhante foi realizado na bacia do Pipiripau, localizada no nordeste do Distrito Federal. Esta bacia ocupa uma área total de 23.527 hectares e está inserida em uma bacia maior chamada São Bartolomeu, que possui 122 km de cursos d'água.

Na bacia do Pipiripau, o PAB, juntamente com parceiros locais, também implementou o Pagamento por Serviços Ambientais em 70 propriedades (1.976,7 hectares). Na Avaliação de Impacto Econômico e Socioambiental da bacia, haverá um aumento de 75 L / s na vazão média do córrego Pipiripau, que representa 18,8% da capacidade nominal de seu Sistema Abastecedor, que pode fornecer, durante a estação seca. , uma população extra de 75 mil pessoas.

Este serviço permite um ganho econômico de R $ 12,1 milhões para a empresa de saneamento local e R $ 10,6 milhões para os consumidores de água sub-bacia, 10 anos após a implementação do projeto. As ações do projeto também resultarão em uma redução de 9.895 toneladas de erosão por ano nas propriedades participantes e uma redução de 1.881 toneladas de ração por ano, que não mais atingirão os cursos de água da sub-bacia.

O total de benefícios socioeconômicos, após 10 anos de implementação do projeto, será de R $ 24,9 milhões. Considerando o custo total de R $ 8,4 milhões, a relação custo / benefício é de 2,96, viabilizando o projeto.

Bacia de Santa Rosa

A terceira Avaliação de Impacto Econômico e Socioambiental foi realizada para a microbacia Santa Rosa, localizada próximo à cidade de Xapuri (AC). Esta região é uma prioridade para os conservacionistas, pois 10.000 pessoas dependem da bacia para o abastecimento de água. Tem mais de 600 hectares e cerca de 500 km de perímetro.

Em parceria com instituições locais, o programa também implementou o Pagamento por Serviços Ambientais na região, em sete propriedades, em uma área de 246 hectares. Após este trabalho, foram evitadas 1.308 toneladas de erosão e o acúmulo de 498 toneladas de sedimentos na bacia.

A análise mostra benefícios econômicos esperados de R $ 1,97 milhão até 2027. Considerando os investimentos totais de R $ 1,95 milhão, o índice benefício / custo é de 1,01, viabilizando o projeto.
Parceria entre Banco do Brasil, Fundação Banco do Brasil, WWF-Brasil e Agência Nacional de Águas (ANA) busca a melhoria da qualidade e da quantidade de oferta hídrica no país.
© Programa Água Brasil / Eduardo Aigner Enlarge
No Guariroba, o retorno investido pode retornar em até R$ 8. Isso torna o projeto considerado altamente economicamente viável.
© Bruna Veríssimo / WWF-Brasil Enlarge
No Pipiripau, a relação custo/benefício do investimento é de 2,96, viabilizando o projeto.
© Bruna Veríssimo / WWF-Brasil Enlarge
No Igarapé Santa Rosa, o retorno é mais baixo (1,01), mas o projeto ainda é viável. Além disso, por abastecer 10.000 pessoas na região, é uma prioridade para a conservação.
© Bruna Veríssimo / WWF-Brasil Enlarge

Comentários

blog comments powered by Disqus
DOE AGORA
DOE AGORA