Efetividade de Gestão das Unidades de Conservação Federais do Brasil: resultados de 2010.



15 junho 2012    
Efetividade de Gestão das Unidades de Conservação Federais do Brasil: resultados de 2010.
© WWF-Brasil
 Com o intuito de auxiliar a gestão do SNUC, o WWF-Brasil organizou em parceria com o ICMBIO a publicação Efetividade de Gestão das Unidades de Conservação Federais do Brasil: resultados de 2010.
A análise engloba cinco elementos de avaliação: contexto, insumos, processos, planejamento e resultados. O estudo chama a atenção para o aumento no percentual das unidades de conservação com alta e média efetividade em cinco anos de gestão: em 2005, 13% das UCs alcançaram valores de efetividade alta, 36% média e 51% baixa, enquanto em 2010, 23% das UCs apresentaram efetividade alta, 46% média e 31% baixa.

O método utilizado na avaliação da efetividade das UCs é o Rappam (sigla em inglês para Rapid Assessment and Prioritization of Protected Area Management ou Avaliação Rápida e Priorização da Gestão das Áreas Protegidas). Este método foi desenvolvido pela Rede WWF e consiste em uma ferramenta simples que permite aos tomadores de decisão e formuladores de políticas para as unidades de conservação identificar as maiores tendências e aspectos que devem ser considerados para alcançar uma melhor efetividade de gestão em um sistema ou grupo de áreas protegidas.

Durante os anos de 2005 e 2006, o método foi implementado em 246 unidades de conservação federais brasileiras, em uma iniciativa de parceria entre o WWF-Brasil e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (WWF-Brasil & Ibama, 2007). No ano de 2010, o ICMBio, em nova parceria com o WWF-Brasil, aplicou um segundo ciclo do método Rappam em 292 unidades de conservação federais, cobrindo cerca de 95% das 312 UCs atualmente geridas pelo Instituto.
Efetividade de Gestão das Unidades de Conservação Federais do Brasil: resultados de 2010.
© WWF-Brasil Enlarge
DOE AGORA
DOE AGORA