| WWF Brasil


 
	© WWF-Brasil

Um novo ponto de vista para a conservação

Os Veículos Aéreos Não Tripulados (Vant’s), popularmente conhecidos por drones, tem enorme potencial para ações de proteção do meio ambiente. Os drones são uma solução de baixo impacto e podem ser adaptados a diferentes tipos de condições e paisagens, como florestas, rios, savanas e ambientes costeiros. 
 
 
 
 

O projeto

Iniciado em julho de 2015, o projeto ecodrones é uma iniciativa coordenada pelo WWF-Brasil com apoio de instituições parceiras. Seu objetivo principal é avaliar o uso da tecnologia para diferentes aplicações na conservação da natureza. Fiscalização e mapeamento em unidades de conservação como os parques nacionais e outras reservas, monitoramento de áreas degradadas e captação de imagens aéreas são algumas das aplicações sendo testadas pela equipe do projeto

Características das principais categorias de Vants

Alguns dos resultados obtidos no Brasil

Avaliação da efetividade de drones para monitoramento de áreas em recuperação ambiental
O objetivo deste estudo é avaliar a aplicação de drones no imageamento de áreas em processo de recuperação ambiental. Estão sendo analisados os aspectos operacionais de diferentes modelos de aeronaves e sensores e a qualidade dos dados e informações obtidas. A comparação entre o uso dessa tecnologia e outras geotecnologias aplicadas à recuperação ambiental também é foco dos trabalhos.


Imagem de área de agrofloresta na Amazônia utilizando sensor RGBNir (qualifica o padrão da vegetação com mais precisão)
 


Imagem de área de preservação permanente em processo de recuperação (esquerda). Uso de quadricópteros para essa finalidade se mostrou muito eficiente.

Uso de drones para manejo em Unidades de Conservação


São diversas as aplicações possíveis para apoiar as ações de manejo e proteção dos parques e reservas brasileiros. Foram feitos testes para monitoramento de mamíferos em ambientes de Cerrado, com resultados ainda preliminares. O uso de drones para avaliação de atrativos turísticos, como pontos acima de cachoeiras, vales e áreas de difícil acesso se mostrou bastante eficiente. Em breve serão testadas no planejamento de combate a incêndios florestais no Cerrado.




O trânsito de mamíferos de médio e grande porte deixa marca nos campos do Cerrado. Nessa imagem foi possível identificar carreiros (trilhas) de antas em área próxima ao Parque Nacional Grande Sertão Veredas.





Testes para identificação de Antas foi realizado em um criadouro conservacionista. A imagem menor mostra uma anta deitada próximo ao seu comedouro.






Imagem aérea da cachoeira do Roncador, no Parque Nacional do Juruena. Com o drone foi possível confirmar que não existem outras cachoeiras acima da queda principal. 

Websérie - Expedição Ecodrones

 
 
 
 
 


 

Uso de drones para conservação no mundo

Combate à caça de animais ameaçados

Em 2012, o WWF-US foi premiado no desafio de impacto global do Google. Com o prêmio de 5 milhões de dólares desenvolveu diversas ações de combate à caça, especialmente de rinocerontes e elefantes na África. O uso de drones para patrulhamento de grandes áreas demonstrou grande potencial para redução da caça desses animais. Veja mais


Mapeamento de ninhos de orangotango na Sumatra

Parceria entre WWF e Conservation drones tem desenvolvido metodologia de monitoramento de ninhos de orangotango. A metodologia se mostrou complementar aos métodos tradicionais tendo idenficado ninhos não visualizados antes pelos pesquisadores. Veja mais


Ninho com orangotango na copa da árvore fotografado por drone.
 

Monitoramento de Rinocerontes no Nepal

O monitoramento de rinocerontes no Nepal foi possível mesmo dentro de rios. O projeto continua avaliando a população dessa que é uma das espécies mais ameaçadas do mundo. Veja mais

 

Conservationdrones

Este grupo de especialistas tem ajudado instituições de diversos países no desenvolvimento de tecnologia e treinamento. São parceiros do projeto Ecodrones para estudos sobre monitoramento de botos utilizando drones, desenvolvido com apoio do Instituto mamirauá. Saiba mais