/ ©: WWF-Brasil / Adriano Gambarini

Nascentes do Brasil

Proteger a água é proteger a vida

A devastação das áreas de cabeceira ou de recarga, seja pelo desmatamento, seja pela ocupação irregular do solo é responsável, em grande parte, pela gradual redução da quantidade e da qualidade de água disponível no planeta. Estas áreas são cruciais para o reabastecimento dos lençóis freáticos, dos aqüíferos, das nascentes e, conseqüentemente, dos rios.
Para conscientizar a população, e ao mesmo tempo pedir para que os governantes tomem medidas práticas e efetivas para a proteção destas áreas, o WWF-Brasil criou o Movimento Nascentes do Brasil. Com o apoio da megamodelo Gisele Bunchen, em parceria com a Grendene, o Movimento integra o programa HSBC Climate Partnership. 



Pessoas -Para disseminar a importância das cabeceiras e resgatar seu significado para a vida no Planeta, o WWF-Brasil criou o Movimento Nascentes do Brasil. Afinal, cada cidadão brasileiro pode tomar para si a tarefa de proteger os olhos d’água e, também, cobrar os governos que cumpram com o seu papel em relação ao tema na adoção de medidas efetivas para tal.

Já existem, hoje, inúmeras iniciativas que podem servir de exemplo de experiências práticas para a população, como a proteção dos mananciais em Minas Gerais, o trabalho nas nascentes da Chapada Diamantina, na Bahia, e outros casos de incentivos a “Pequenos Produtores de Água”.

Todas estas experiências estão sendo reunidas em uma publicação que será lançada em breve e que servirá como apoio na condução do Movimento Nascentes do Brasil, não somente pelo WWF-Brasil, mas por todo cidadão ou cidadã interessada em efetivamente contribuir para a manutenção dos ecossistemas aquáticos para hoje e para as gerações futuras.



Governos – Os governantes têm uma imensa parcela de responsabilidade na proteção dos recursos hídricos, até por força de lei. O Brasil tem uma liderança mundial neste sentido, com a sua moderna Lei das Águas, mas é preciso fazer com que ela seja efetivamente implementada. Para tal, foi criada a Agência Nacional das Águas (ANA), em 2000, que tem entre outras funções a responsabilidade de implementar tal política.

Por outro lado, os governos podem, também, criar mecanismos que permitam que o cidadão ponha a mão na massa para ajudar na tarefa de proteger a natureza.

No Distrito Federal, existe o Programa Adote uma Nascente, hoje conduzido pelo Instituto Brasília Ambiental (Ibram), que vem apresentando grande sucesso no engajamento da população para a proteção das cabeceiras. O WWF-Brasil apoiou este programa durante um ano e acredita nele como um excelente instrumento de mobilização de pessoas físicas e jurídicas para a proteção ambiental.


Assista ao vídeo do Chico Bento

  •  / ©: Mauricio de Sousa Produções
    Chico Bento é o embaixador da proteção das nascentes do Pantanal. Assista aqui.