WWF-Brasil atua para que o Pantanal continue sendo Reserva da Biosfera | WWF Brasil

WWF-Brasil atua para que o Pantanal continue sendo Reserva da Biosfera



05 Setembro 2017   |  
O Comitê é formado por representantes dos setores público e privado e sociedade civil
© Imasul/WWF-Brasil
O WWF-Brasil tomou posse no dia 31 de agosto no Comitê Estadual da Reserva da Biosfera, sediado em Campo Grande. O grupo, formado por 25 representantes do governo, da sociedade civil e do setor privado, tem por objetivo implementar ações de conservação do Pantanal em Mato Grosso do Sul para que a maior área úmida do planeta continue ostentando o título de Reserva da Biosfera, concedido pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) no ano 2000. 

Desde 1998, o WWF-Brasil vem atuando em parceria com os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul na implantação de modelos de produção que garantam a proteção e a conservação do Pantanal, rico em biodiversidade e água doce, mas ao mesmo tempo em risco por conta do desmatamento, falta de saneamento básico e más práticas agropecuárias.

Pantanal quase perde o título
Por falta de execução de ações concretas, em fevereiro de 2017, o Pantanal quase perdeu o título de Reserva da Biosfera da UNESCO, o que motivou governos e sociedade civil dos dois estados a criarem um plano de ação emergencial, que previu, entre outros pontos, a criação de dois comitês, um em cada estado, para garantir o título, por meio da implementação de ações de conservação. 

Júlia Boock, analista de conservação do WWF-Brasil, explica integrar o Comitê é ter a oportunidade de inserir os diversos trabalhos desenvolvidos no Pantanal pela ONG em um grupo diverso, o que permite somar esforços e aumentar a escala. “A grande meta desse grupo é servir como uma plataforma unificadora das atividades dos diversos setores que atuam no Pantanal, com objetivo de promover o equilíbrio do uso dos recursos naturais e ao mesmo tempo valorizar seus produtos e produtores que são os grandes responsáveis pela manutenção da tradição, costumes e biodiversidade pantaneira”, conta Júlia Boock. “Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, os dois estados que abrigam o Pantanal, trabalham sob uma visão integrada, quer dizer, independente de limites geográficos ou políticos, juntos pela mesma causa: a conservação da maior área úmida do planeta”, conclui a analista de conservação do WWF-Brasil.

Reserva da Biosfera da UNESCO
As Reservas da Biosfera foram criadas em 1972 e devem trabalhar para otimizar a relação entre o homem e o meio ambiente, o uso sustentável de seus recursos e a convivência com áreas vizinhas. O título de Reserva da Biosfera insere o Pantanal numa lista de 669 áreas em 120 países com a finalidade de promover a pesquisa, a conservação do patromônio natural e cultural, a promoção do desenvolvimento sustentável e a descoberta de soluções para problemas como o desmatamento das florestas tropicais, a desertificação, a poluição atmosférica e o efeito estufa. No Brasil, existem seis sete Reservas: Pantanal, Mata Atlântica, Cinturão Verde de São Paulo, Cerrado, Caatinga, Amazônia Central e Serra do Espinhaço. 
 

 

O Comitê é formado por representantes dos setores público e privado e sociedade civil
© Imasul/WWF-Brasil Enlarge
Júlia Boock assina o termo de posso do comitê em nome do WWF-Brasil
© WWF-Brasil Enlarge
O Pantanal é a maior área úmida do planeta, rica em biodiversidade e água doce
© André Dib/WWF-Brasil Enlarge

Comentários

blog comments powered by Disqus