WWF Brasil - O que celebrar no Dia Mundial das Áreas Úmidas?

O que celebrar no Dia Mundial das Áreas Úmidas?



02 Fevereiro 2016  | 
São consideradas áreas úmidas os pântanos, charcos, turfas ou locais de acúmulo de água, permanente ou temporário
© Adriano Gambarini/WWF-BrasilEnlarge
Hoje, 2 de fevereiro, é o Dia Mundial das Áreas Úmidas e o Pantanal é considerada a maior delas. Com 170.500,92 mil km² de extensão e uma biodiversidade ainda não completamente mapeada - foram registradas pelo menos 4.700 espécies -, ele ocupa parte dos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul estendendo-se pela Bolívia e Paraguai.

A data comemorada todo ano, desde 1997, em homenagem ao dia da adoção da Convenção de Ramsar sobre áreas úmidas - 2 de fevereiro de 1971, na cidade iraniana de Ramsar - tem a finalidade de chamar atenção sobre a relevância de promover a conservação da biodiversidade e o uso sustentável dos recursos naturais neste importante ecossistema. Não somente por acolher diversificadas espécies de plantas e animais aquáticos, como pela manutenção da subsistência de milhões de pessoas que vivem e dependem de regiões como o Pantanal para sua sobrevivência.

O bioma foi decretado Patrimônio Nacional, pela Constituição de 1988, e Patrimônio da Humanidade e Reserva da Biosfera, pelas Nações Unidas, em 2000. Embora seja um local importante na manutenção da biodiversidade, servindo de abrigo para milhares de espécies, e fundamental para a regulação do clima e no ciclo das águas, pois ajuda a manter limpos os estoques hídricos, o Pantanal e as demais áreas úmidas já sofrem ameaças que colocam seu destino em risco.

Os elevados índices de desmatamento, as erosões e a sedimentação por manejo inadequado de terras para agropecuária, o rápido crescimento urbano e populacional associado as obras de infraestrutura, como rodovias, barragens, portos e hidrovias e barramentos hidrelétricos são exemplos de atividades que vem alterando o frágil equilíbrio ambiental das áreas úmidas ao redor do mundo.

São consideradas áreas úmidas os pântanos, charcos, turfas ou locais de acúmulo de água, permanente ou temporário. Seu conceito não se restringe a locais onde ocorre a água doce. Mesmo a água salobra ou salgada – incluindo área de água marítima em regiões com menos de seis metros de profundidade na maré baixa – entram nesse critério internacional de classificação.

Estudiosos ligados à Convenção advertem que esses reservatórios de água e biodiversidade estão em declínio em todo o planeta. Cerca de 64% dessas áreas já despareceram desde 1900. Por esse motivo é primordial cuidar das áreas úmidas, tal como o WWF-Brasil tem feito desde 1999, no Pantanal.

“Nossa visão de conservação para o Pantanal é a de tentar ao máximo manter a biodiversidade biológica e os processos ecológicos e, ao mesmo tempo, promover oportunidades de desenvolvimento sustentável por meio da adoção de boas práticas produtivas, como ações para a proteção de água e solo, o manejo e a recuperação de pastagens e a remuneração pelos serviços ambientais, o planejamento sistemático do território e o estímulo a hábitos responsáveis de consumo”, afirma Júlio César Sampaio, coordenador do Programa Cerrado Pantanal, do WWF-Brasil.

Segundo ele, é preciso aumentar as áreas protegidas públicas e privadas no bioma para tornar a região um exemplo de uso racional de áreas úmidas para o mundo. Hoje, apenas 3,19% do Pantanal brasileiro está protegido por Unidades de Conservação.

“No Pantanal são 46 Reservas Privadas do Patrimônio Natural (RPPNs) e, em muitas, nós apoiamos na gestão. Também realizamos estudos de impacto sobre o uso do solo, além do cálculo da pegada ecológica e o monitoramento da cobertura vegetal”, destaca.

Sampaio explica que a organização também apoia a certificação de 120 mil hectares com pecuária orgânica no Mato Grosso do Sul, produzida com critérios de responsabilidade socioambiental e remunerando a produção sustentável no Pantanal. Além do Pacto em Defesa das Cabeceiras do Pantanal, aliança de setores público e privado de 25 municípios na recuperação de 747 quilômetros de rios, pelo menos 70 nascentes e a restauração da mata ciliar de 23 mil hectares com 11 milhões de mudas, o que gerará mais de mil empregos.

O Pacto foi idealizado pelo WWF-Brasil em 2012, quando um estudo mostrou que a área das Cabeceiras estava em alto risco ecológico. Cada instituição que adere à aliança se compromete em implementar em seu município pelo menos três ações que preservem as nascentes e os rios, como por exemplo, a recuperação de áreas degradadas, recuperação de nascentes, recuperação de matas ciliares, melhoria da qualidade da água dos rios, adequação ambiental de estradas rurais e estaduais, melhoria do saneamento básico ou até mesmo a troca de experiências de educação ambiental existentes na região.

Atualmente participam o governo do estado de Mato Grosso, 25 prefeituras do estado e mais de 30 entidades do setor privado e da sociedade civil. “É preciso dar escala a essas experiências”, afirma.

O coordenador do Programa Cerrado Pantanal também defende o estudo e implantação de mais sítios Ramsar a bacia do Pantanal e no Brasil. É que ao serem conservados esses sítios também ajudam a manter todas as nascentes localizadas à montante do curso hídrico, além de representarem áreas importantes que contribuem para um compromisso global de conservação.
São consideradas áreas úmidas os pântanos, charcos, turfas ou locais de acúmulo de água, permanente ou temporário
© Adriano Gambarini/WWF-Brasil Enlarge
O Pantanal está localizado no coração da América do Sul e tem 170.500,92 mil km² de extensão, ocupando parte dos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul estendendo-se pela Bolívia e Paraguai
© Adriano Gambarini/WWF-Brasil Enlarge
Bioma importante na manutenção da biodiversidade, abrigo para milhares de espécies e fundamental para a regulação do clima e no ciclo das águas, pois ajuda a manter limpos os estoques hídricos
© Adriano Gambarini/WWF-Brasil Enlarge
Estudiosos ligados à Convenção de Ramsar advertem que as áreas úmidas estão sendo destruídas para os mais diversos fins
© Adriano Gambarini/WWF-Brasil Enlarge
Buscamos encontrar soluções com o uso de tecnologias simples e inovadoras, em que a atividade econômica e a natureza possam conviver em harmonia
© Adriano Gambarini/WWF-Brasil Enlarge

Comentários

blog comments powered by Disqus